O BARBEIRO NEGRO

Um conto erótico de Joseevan
Categoria: Homossexual
Data: 12/05/2011 13:36:04
Nota 9.67
Assuntos: Homossexual, Gay

Há alguns anos eu freqüentava a mesma barbearia, eles estavam na galeria há uns 20 anos e eu ia lá no máximo há quatro anos. Sempre fui fiel ao meu barbeiro. Num fim de tarde qualquer, eu cheguei e não o vi, um barbeiro negro se levantou e veio em minha direção, perguntei pelo profissional que me atendia e ele respondeu que não estava, apontou sua mão para uma cadeira vazia.

- Senta - disse num tom firme.

Eu sentei e ia dizer como queria meu corte quando ele começou a cortar. Tentei dizer alguma coisa, mas fui interrompido.

- Eu sei o que faço - falou seguro e confiante.

Aceitei, em virtude da segurança e firmeza que ele me passava. Só então comecei a reparar nele. Era alto, forte, musculoso, quarentão e tinha a pele de ébano. Ele ia cortando e eu ali quieto.

- Gosto de clientes tranquilos - ele dizia e acrescentou - já basta minhas namoradas tagarelando sem parar.

Fiquei ali e percebi que tinha prazer em fazer o que ele dizia. Nunca tinha sentido essa sensação, mas era bom ser conduzido, ainda mais por alguém com tanta convicção. Ficava o observando. Ele foi fazer minhas costeletas e quando tocou meu rosto, senti um arrepio e me surpreendi tendo uma ereção. O que era aquilo? O que estava acontecendo? Estava incrédulo. Ele me tocava e eu desejava suspirar. Ele terminou o corte, eu paguei e fui embora. Quando saía, vi meu antigo barbeiro num canto da galeria. Sem graça, expliquei o que aconteceu e pedi desculpas.

No mês seguinte voltei e os dois estavam lá. Pretendia voltar a minha rotina, mas o negão - Juvenal é seu nome - se levantou e apontando para a cadeira vazia disse para eu me sentar e eu obedeci. Nem olhei mais para o barbeiro, numa saia justa como essa, abaixei os olhos e só observava, vez por outra, o Juvenal. Quando acabou, eu paguei e ele olhou para mim.

- Vamos ali no bar - disse com seu tom autoritário e de quem tem o controle.

Ele pediu, eu fui. Chegamos lá, ele pediu uma cerveja e uma água para mim, sem sequer me perguntar. Achava estranho, mas gostava de estar ao lado de quem sabe o que quer. Não tinha muito o que falar e confesso que tentei puxar um papo. Ele me pediu que ficasse quieto e começou a conversar com outros frequentadores do local. Pediu outra cerveja e eu ali, quieto. Quando acabou, virou-se para mim.

- Paga - disse Juvenal, certo do que aconteceria.

Eu paguei e saímos dali. Na galeria, ele me disse que queria conversar comigo. Falou que era sobre o outro barbeiro. Que ele quis tomar satisfação com ele e que ele sabe como agir nesses casos, mas que prefere ter que evitar. Então, mandou que eu voltasse a barbearia e pedisse desculpas a ele dizendo que a partir de agora eu só cortaria o cabelo com ele, Juvenal, e que estava mais satisfeito assim. Que o Juvenal não teria nenhuma culpa nessa história. Eu concordei e ele nem agradeceu, apenas disse que era melhor do que ter dar uns tapas no sujeito. Eu percorri a galeria, no que pareceu ser uma das mais longas caminhadas que já tive. Entrei de volta na barbearia e falei para todos que pudessem ouvir. Fui embora arrasado, mas ansioso para a próxima volta, que dessa vez - por minha ansiedade aconteceu - em três semanas. Ele riu ao ver que voltei tão cedo.

- Por que demorou tanto. Veio cedo, hein - disse.

Quando acabou, a rotina do botequim e ele concluiu dizendo que era para eu ir na casa dele à noite, que ele ia terminar o serviço. Eu pensei em dizer que não estava entendendo - e não estava certo mesmo do que acontecia - só que gostava de obedecê-lo.

A noite fui até sua casa e o encontrei apenas de calças jeans, quando pude observar bem seus músculos e tórax. Ele estava em plena forma. Ele me trouxe uma bebida e eu bebi. Ficamos ali, vendo tv no sofá dele, quando ele me fez beber uísque. Relutei, mas não teve jeito, logo comecei a ficar mais desinibido. Ele se aproximou, colocou a mão por trás do meu ombro e sussurrou no meu ouvido:

-Vamos.

Não acreditava no que estava ouvindo.

- Sei que você quer, posso ver. Vejo como você gosta de me obedecer, não gosta? - perguntou cheio de autoridade.

- Sim.

- Assim que eu gosto.

Ele me puxou pela mão e me levou para seu quarto, era grande e com uma cama de casal e um armário antigo. Sem que eu me desse conta, me puxou contra seu peito nú e me beijou. Senti um certo nojo de início, nunca havia beijado outro homem, mas meu pau duro me denunciava o tesão. Ele me acariciava e rasgou violentamente minha blusa, quando eu soltei um grito.

- Segura a onda - ele mandou - Você ainda não viu nada.

Ele segurou no meu cacete e eu suspirei.

- Tá gostando? - perguntou.

- Adorando. Uma delícia! - respondi.

Logo ele desabotou a calça e pôs seu mastro a minha disposição. Tive dificuldade de engolir, mas para minha inexperiência acho que me saí bem. Lembrava das mulheres chupando paus nos filmes pornôs que via na adolescência. E me imaginava como uma delas diante de um garanhão de ébano. Quando ele se sentiu bem lubrificado, me colocou de bruços em sua cama. Mandou que eu abrissebem minhas pernas e pude sentir sua respiração no meu cangote e seu pau duro, em riste, roçando em minhas nádegas. Senti sua cabeça sendo posicionada em meu buraquinho, ele tentou entrar e sentiu resistência.

- Apertadinha, hein - comentou.

Tentou mais uma vez e dei um gritinho.

- Tá machucando, você tá bem apertadinha. Não vai me dizer que é sua primeira vez?

Respondi que sim. Ele riu e disse que tinha tirado a sorte grande, ia descabaçar uma virgem. Disse que ia agir com calma e carinho, para que eu não me preocupasse. Saiu e voltou com um creme, que lambuzou meu rego, os dedos deles e seu pau. Brincou com os dedos, introduzindo-os um a um, fazendo-me gemer de prazer e rindo de como eu estava gostando daquilo. Dois dedos, viraram três, que viraram quatro e logo eu começava a me sentir preparado para o mastro negro. Ele entrou devagarinho, eu suspirava e tentava acomodar ao máximo, doía e pensava em desistir, cheguei a tentar me levantar - ele se aproveitou e habilmente me colocou de quatro - aproveitou-se para deslizar com mais facilidade. A dor ia sendo substituída por prazer. Ele mandou eu agradecer por ele estar tirando minha virgindade e eu agradeci. Ele começou a me bombar e eu fui sendo cavalgado pelo meu barbeiro.

- Negão tesudo. Ju, você é demais. Continua, não para. - eu pedia.

Ele me deu um tapa na bunda e eu enlouqueci de tesão, rebolei, urrei e gemi como nunca antes. As mãos deles, grandes e calejadas, percorriam meu corpo e paravam para brincar com meus mamilos. Sentia seu saco batendo em minha bunda, ele aumentando a velocidade e sem aviso, um jato quente que me inundou. Ele gozou bem e jogou seu corpo sobre o meu. Dormimos assim e quando acordei, tomamos banho juntos, ele me fez fazer sexo oral mais uma vez e disse que gostaria da minha bundinha de novo, mas que para uma primeira vez, eu ainda devia estar dolorido. Pegou meu telefone e disse que me ligaria.

Fiquei esperando. O dia se passou e nada. Mais um dia e nenhum sinal. No terceiro dia, achei que não tinha sido bom, que não agradei ou que ele já tinha conseguido o que queria. No dia seguinte, achava que já se passara tempo demais e pensei em ir a galeria. A tarde, ele ligou para meu celular e disse que viria a minha casa. Pegou o endereço e eu voltei cedo do trabalho, para preparar um belo jantar.

Ele chegou, jantamos e bebemos, ele cerveja e eu vinho. Antes de terminar, me mandou para o quarto e me colocou de quatro em minha cama.

- Hoje serviço completo - falou cheio de marra.

Puxou uma navalha e ficou passando em minha bunda, ao redor do meu saco e do meu pau. Cheguei a imaginar o que aconteceria, mas o tesão era tanto, e ele acariciando meu pau de vez em quando, que deixei acontecer sem dizer um Ah. Ele foi ao banheiro e voltou com creme de barbear. Encheu minha bunda de espuma e começou a me raspar. Meu pau pulsava a cada navalhada, tamanho era o tesão que sentia.

- Me faz gozar - pedi.

- Quando eu quiser - respondeu ele contrariado - Nunca mais me peça isso. Você está aqui para meu prazer, entendeu?

Concordei com um tímido sim.

Ele me deixou bem lisinho.

- Gosta? - perguntou, enquanto eu passava a mão e via minha nova bunda.

- Sim, Juvenal.

- Então, paga. R$ 50 pelo serviço.

Eu ia reclamar, mas paguei.

- Trabalho de profissional.

Meteu um dedo e eu gemi, tentei rebolar.

- Tá no cio - falou sabendo a verdade.

Enfiou outro dedo e quando chegou a três, tirou.

- Até outro dia. Hoje vai ficar na vontade, por ter me pedido para te fazer gozar.

- Desculpa, desculpa, Juvenal. Você vai querer perder de experimentar minha bunda lisinha, como você preparou?

Sua resposta foi violenta. Me empurrou e se posicionou de forma que eu o chupasse. Segurou minha cabeça com força e controlou como eu o chupava. Assim que ficou duro, me enrabou sem dó. Eu gritei e ele só parou quando gozou. Desta vez, nada de banho, me fez dar outra chupada e então foi mais gentil, me comeu com carinho. Me fez gozar e gemer, suplicar e me encheu de beijos. Gozamos juntos e dormimos até tarde. Na manhã seguinte, preparei o café do meu homem e ele foi direto para o trabalho, mas antes deu uma rapidinha. Desde esse dia, Juvenal faz amor comigo quando quer e eu passei a admirar e ficar cheio de tesão por negros, ficando sempre a disposição deles para o que der e vier.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Joseevan a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/09/2012 02:28:37
Adorei!!!
13/05/2011 16:51:17
Muito bom conto. Voce sempre foi um viadinho, só não havia descoberto isso. Agora carpe diem, aproveite.
12/05/2011 14:47:08

Online porn video at mobile phone


xvideos de primo dera ocabaso da primamete essa piroca noeu cu mim arba porno doidobuceta de pombagiracontos foi passar uns dias na casa do cunhadomulher com aberada da buceta toda esticada pra filha verxvideo malhada da bunda torneada da uma piza no homem de sexoXvidiocomendo.a novinha bebada sem ela ao menos perceber x vidio comtos eroticos flaguei minha avósucos ontem pego comendo o cu a buceta bem gostosoporno ero da buseta colico no cubateu ciririca ate gosar feito torneiracontos erotico cheirando calcinhas usadas da familiaxvideos incesto filha abracando malicianegona do zoinhao gritano na picagrêlinhos lindosquantos centímetros tem o penes do pro boteinoesfregando no busao quando ela descuidou entrou na xanacontos eroticos assediada pelo cunhadohttp://comto erotico massagista erotica colocando dedo no c da menina virgemhomens cumendo cadelasmulhe lavado abuçetavideos porno da carolzinha santos bundudasxvideo decks ja jantar filho come a mãe e pai come a filiaeu quero ver o cara tirando pirou nas pernas da mulher com short bem curtinho aparecendo a bundaconto erotico rasgando o cuzinho das gsrotinhas muito novinhss a forçaXVídeos novinha Caboco apalpando o pau na goela da mulher e homem transandocontos eroricos verdade ou consequdciacontos eróticos estava dormindo com meu marido e encerro minha buceta de porrafedemo com 1minutoxxvidio casada do jorrocontos eróticos meu maridoviado corno na zoofiliavídeo de pornô senta na minha pica rebola Dodôdando uma Coçadinha na língua do negão safado cachorrãorelato errotico. mae pata de cameloentregadora de panfletos vendo.meu paumulher beijando a mulher na boca pelada no titubearTio brinquinho trazando com sobrinho,negao xnxxcontos eroticos cu sangrandoxvideoszoofilia tadinhaxvporno de faxineira dando o rabo de vestidoxvideos velho pegando novinha sem nigeui sabera empregada disse adoraria te comer contosXsvideos mulher chicoteando machogostosa so de calcinha arretando o cinhado so de cuecacontos aiiiii hum aiaiamulher pensa que a amiga é mulher mas é um travesti com um pau bem groso e vai dormi com ela em casa e acaba temo um supresa e transa pornoSou uma exibicionista casada e o garoto bate punheta me olhando peladacontos eróticos de larimendesCanto erotico caderante pagava xupa bucetacontos eróticos minha mãe me obrigoucontos eiroticos leilapornconfissoes de siririca de freiracontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgecomto de artimanhaconto erotico gay branco dominador gosta de maltratar viado pretopornô queridinho da titiapai subiu em cima da filha para mete no cuzaocalsinha molhada fotos de bumdas boaContos eroticos com sogra bucetuda que foi arrombada pelo genro piricudoquero ver o filmes pornos o irmao convecendo a sua irma para foder com ele beijando muito ela ate que ela fica cheia de tesaocontos eroticos-obreiro pegando a crente novinhaconto erótico Levei minha mulher na pescaria da perdiçãofilha faz as pazes com o pai xxxfuderao a gostoso na prainhaconto gay pirocudo da academiatravesti lesbica contos eroticosxvideo casero so no cu de entiada bunda grandevideo de mae assustada com o tamanho do cassete do filhonovinha no primeiro anal estranhando o c****** bem dotadosLuciana meu pinguelo assadoensinei a minha enteada a chupar de finalzinho hoje come elaler contos eroticos menageManda se solta solta pum bolado na bunda dessa gostosaconto erotico estupro machos enjoaremporno. tor. muita careitideixei ele encoxar minha mulher videosxvideo das baroas fudedo na fazendascontos eróticos primeiras experiências com siririca com mulheres mais velhaContos eróticos- pau grosso e comprido me rasgou e parei no hospitalyahoo bater punheta cheirando meia do sogropadrasto sodomitacamadre simone que fuder caseirovídeos mulheres brasileiras chupano e morde pau DOS homenscontos eroticos de como aprendi dar o cuchinesa rabuda de cuecaquero ver empregada de marquinha nos peitinho duro lavando roupa no pornodoidobuceta clariadavídeo pornô com Edinalva com a b***** bem cabeludacontos eroticos gay virei chupeteiro dos senhoremulher transando com convidado do marido por baixo da mesa