Depilando a linda maninha

Um conto erótico de Kchximbo
Categoria: Heterossexual
Data: 20/09/2011 23:52:36
Última revisão: 21/12/2012 02:02:40
Nota 9.72

Se você copiar este texto para o seu Blog ou para outro site de contos, seja ético e mantenha o nome do autor.

Kchximbo.

[email protected]

Depilando a linda maninha

Como me tornei o depilador da xana da maninha.

Sempre fomos uma família normal da classe média alta, pai, mãe, filho e filha. Nossos pais invariavelmente inverno e verão, às sextas-feiras à tarde, deslocavam-se para a casa da praia que eles adoravam. Havia as pescarias, os amigos, a calma e o silêncio. Retornavam normalmente nos domingos à noite.

Minha irmã Andréa, na época aos 20 anos com pele alva e lisa como seda, uma lindíssima garota alta, com seus 1,75 m e 60 kg, olhos verdes, cabelos castanho claros tendendo à loiros que lhe caiam até os ombros, peitos e quadris médios e coxas bem torneadas sem exageros, enfim uma figura esbelta e elegante. Uma boca sensual e dentes perfeitos davam encanto ao seu fácil sorriso. Estava na faculdade de odontologia e sempre ocupada em função destes estudos. Normalmente voltava para casa já era noitinha. Minha mana era uma pessoa perfeccionista extremamente higiênica, nos mínimos detalhes, com o que ela emanava por onde passava um gostoso frescor. Vestia-se com gosto apurado e era sempre notada. Dona de uma voz aveludada extremamente sensual, às vezes bastava um “oi!” ou um “olá!” para erotizar os pensamentos. Enfim, uma fêmea extremamente atraente.

Eu, Joel, nos meus 25 anos, também castanho claro, olhos cinza-azulado, corpo malhado com 1,90 m e 78 kg, já formado em administração cuidava da área financeira de uma pequena empresa.

Minha relação com a irmã sempre foi normal, fraternal, amistosa e harmoniosa, nunca brigamos, ela com seus estudos e afazeres e eu com os meus, já que com cinco anos de diferença na idade nossos programas e amizades desde a adolescência não coincidiam. Meus contatos com ela em função dos compromissos e horários de ambos eram cada vez mais espaçados e com isto eu acabava sem ficar sabendo sobre a vida dela. Cada qual tinha o seu quarto, suas coisas e a privacidade eram respeitadas. Não havia também exibicionismos de parte a parte e havia um respeito pudico normal. Até uma determinada tarde de sexta-feira...

Saí da empresa à tarde para cuidar de assuntos nos bancos e passar no escritório do advogado que cuidava de problemas fiscais. Finalizada a conversa, telefonei para a empresa para ver se havia algum assunto urgente a tratar, e como não havia resolvi voltar mais cedo para casa. Dali até em casa era questão de minutos e até a empresa eu consumiria pelo menos ¾ de hora, o que não valeria à pena.

Chegado em casa percebi que meus pais já haviam saído para a praia e tudo estava em silêncio. Com a casa toda acarpetada a gente se movimentava sem fazer ruído. Imaginando-me sozinho e já no quarto tiro toda a minha roupa para um banho gostoso. Nu com a toalha envolta no pescoço e uma calça e cuecas limpas e dobradas numa mão, com calma dirijo-me ao banheiro amplo que ficava entre os dois quartos, meu e de minha irmã. A porta não estava trancada, só encostada, como se não estivesse ocupado. Entro sem pressa e o que vejo...

Andréa nua sentada sobre a tampa do vaso, com as pernas abertas, uma baixada e outra dobrada apoiada na tampa e com o joelho encostado no queixo, com uma toalha enrolada na cabeça toda inclinada para baixo olhando a sua vulva e totalmente absorta fazendo sua depilação íntima. Percebia-se que já estava em fase final, pois um lado dos lábios estava limpo e no outro a espuma de barba já estava rala. Ela passava a lâmina em movimentos suaves e bem lentos. Tão concentrada na faxina Andréa estava que não notou a minha presença. Sem perceber qualquer reação nela eu também fiquei ali parado nu, maravilhado pela cena, surpreso sem saber o que fazer e dizer, gaguejei um “des-cul-pe, eu...”.

Ao invés de algum grito de susto ou xingação, sem modificar a sua posição e sem procurar tapar o sexo, como se saindo de um torpor, ela bem calma e lentamente foi levantando a cabeça me olhando nos pés, pernas, contemplando pausadamente o meu pinto e indo até o meu rosto, e com aqueles olhos verdes fascinantes começou a esboçar um leve sorriso e já rindo disse com voz gostosa:

- Oi Joel! Olhe só... – e olhando de novo para o meu pinto - tu também te depilas...

Eu admirado pela observação:

- Eu?... Onde?... - e descendo o olhar para a minha virilha - Aaahh... Sim... Não... Talvez... Depois eu explico... Eu estava querendo tomar uma ducha, mas queres que eu saia?

- Ahhh... Pra que! Não adianta mais! Agora já nos vimos pelados, então não há mais nada a esconder – disse ela com um raciocínio óbvio e lógico fixando-me o olhar e abrindo um lindo sorriso. Eu já tomei o meu banho, tome o teu enquanto eu termino a minha depilação. Desculpe-me por eu estar usando o teu aparelho de barba. Eu procurei, mas não encontrei, tu tens lâminas novas? Esta já está sem fio e não está cortando bem...

Ainda meio sem jeito, eu larguei a toalha, calça e cueca sobre a pia e totalmente pelado fui ao meu quarto buscar uma lâmina nova. Eu estava ainda atônito com o quadro e a reação fria e calma dela, meu pinto começava a reagir. Voltei com a lâmina nova e ela de cara notou a reação no meu pau em crescimento. Ainda mostrando tudo com as pernas abertas e o joelho dobrado, olhando-me disse ela:

- Trocas a lâmina para mim? – entregando-me o aparelho e descendo o olhar para a minha virilha.

Aquela bocetinha branquinha com os grandes lábios salientes e bem formados já ia me deixando ansioso, e um pouco trêmulo troquei a lâmina do barbeador, dei a ela e disse quase gaguejando:

- Se precisares de algo... mais... é só pedir...

Olhando-me direto nos olhos e sorrindo com aquela boca sensual, lindos dentes e voz lasciva:

- Ta bem, obrigada, vá tomar teu banho...

Neste ínterim os 18 centímetros do meu cacete ficaram duros de vez. E ela rindo prazerosamente:

- Nossa, que bonitão, ficou duro por minha causa? Mesmo sendo a xaninha da tua mana? – disse ela não tirando os olhos e mordiscando os lábios.

- O que tu achas? Eu não estava preparado e além do mais te vendo assim escancarada nesta posição e com ela toda linda e lisinha, isto me dá uma enorme tesão. Mesmo sendo teu irmão, em primeiro lugar eu sou homem e uma visão assim deixa qualquer um maluco.

E dirigindo outro olhar para o pintão e depois para os meus olhos, abrindo um largo sorriso:

- Então ta... Entre no chuveiro e esfrie a cabeça...

O banheiro era espaçoso, fechei o box de vidro e comecei a minha ducha. Podia vê-la na sua depilação e ela podia me ver com o cacete duro. Enquanto isto eu lhe expliquei:

- Eu não depilo totalmente, eu toso os pelos bem curtinhos com o tosador elétrico de barba que eu tenho do tempo que eu usava barba na época da faculdade. Meus pelos crescem muito e eu me sinto mais higiênico e confortável assim, e faz só dois dias que eu tosei. E tu, sempre te depilas assim?

- Não, normalmente eu me depilo no salão e com cera, arranco tudinho. Meus pelos são clarinhos e não são muitos, mas eu os detesto mesmo assim. Eu não sei por que mulher vem com estes pelos, isto é coisa prá homem, tu não achas?

- É! Acho... Mulher sem pelos pubianos é muito mais bonito...

- A mãe da Marta, minha depiladora, adoeceu e foi para o hospital no interior. A Marta foi lá para dar uma força e o pessoal do salão não sabe quando ela volta. Então eu resolvi improvisar deste jeito sozinha aqui em casa.

- E o teu namorado gosta assim?

- O Luiz gostava muito, muito mesmo... Ele era bem louquinho pela carequinha... - e rindo-se com prazer continuou: – Eu adorava quando ele me chupava assim com ela bem lisinha..., mas se foi..., estou sem namorado..., com saudade e ansiosa por uma nova língua – gracejou sorrindo e olhando eu me ensaboando.

- E então por que estás te depilando se tu não tens quem te chupe agora?

- Eu vou sair por aí, candidatos é que não falta para me dar este prazer, mas eu já te disse, eu detesto pelos, principalmente aqui na virilha e eu me sinto mais limpa assim... Sem qualquer penugem, tudo lisinho me dá uma gostosa excitação na perereca e eu tenho a sensação de estar sempre pronta para o amor. E tu não gostaste do que viu? Xana bem carequinha não é mais sensual e bonitinha? Não dá mais tesão?

- É gostosa de ver... é bela... assim desse jeito qualquer homem sente vontade de bolinar, botar a boca, beijar e passar a língua... é muito excitante...

- Mas eu não estou conseguindo tirar os pelinhos bem em baixo e junto do cuzinho... Eu não consigo enxergar... E eu sinto que ainda tem, a lâmina estava cega e não ajudou e em algumas partes ainda está como uma lixa. Ah... Como a Marta faz falta... Aiii!!! Eu to precisando de ajuda... Tu te importas em me dar uma mãozinha?

- Hein? O que? Aqui?

- É!

- Tu estás querendo torturar teu irmão? Olha do jeito duro que eu estou só com esta conversa... Com uma vontade louca de me masturbar... E eu não estou vacinado contra boceta de irmã linda...

Ela caiu na gargalhada e rindo sensualmente:

- Deixe de bobagem, eu sou tua irmã e não vejo problema algum em tu me ajudares. Afinal, tu já viste tudinho hoje né mesmo?... E gostou né?... É capaz de dizer que não gostou?...

- Gostei muito, me deixou pra lá de tesudo... olha só a dureza...

Andréa ria-se a valer: - E então, vais me ajudar ou não?

- Ta bem, eu vou te ajudar, já estou terminando, eu já saio...

Abri o box, peguei a toalha e de frente para ela a menos de um metro de distância com o pinto duro e empinado comecei a me secar. Andréa havia trocado as pernas de posição, mais abertas ainda, a direita levantada com o joelho alto e pé apoiado sobre a tampa e a esquerda baixada. E eu me secando e olhando aquela xotinha alva levemente rósea, meu cacete estava explodindo. Ela contemplava meu pau, passava a língua nos próprios lábios e mordia-os levemente.

- Não sei se vou conseguir, estou tremendo de tão ansioso...

Apoiado o queixo sobre o joelho alto dobrado, ela balançava o rosto levemente de um lado para o outro como se cantarolando uma canção imaginária, me fixando aquele lindo olhar com um amplo sorriso. Seus olhos irradiavam alegria e riam junto, isto me fascinava. Nada havia de vergonha naquela nudez amplamente mostrada, ela deixava-se ser vista com as pernas bem abertas demonstrando enorme prazer em ser apreciada na sua intimidade. Ela era toda linda.

Olhava-me e descia os olhos para o pinto rígido e vez por outra se mordiscava e lambia os lábios. Olhou-me carinhosamente e com súplica nos olhos:

- Ahhh... Bobaaagem – disse brincando - esta tesão passa... Vem, me ajuda, vem...

Era impossível resistir ao apelo daquela voz sexy...

- Ta bem... E como vamos fazer?

- Eu me coloco de quatro aqui sobre a tampa virando a bundinha pra ti e tu vês se consegues me raspar os pelinhos que estão no meio do rego e embaixo da xota.

- Ai... Ai... Nesta posição tu queres me deixar em agonia...

E ela rindo a valer:

- Ai, maninho querido, eu só quero uma ajudinha, depois eu te dou uns beijinhos...

Só que a posição sobre a tampa do vaso era incômoda e não havia espaço para ela abrir bem as pernas sem se desequilibrar. Então eu sugeri que fôssemos para o seu quarto.

Minha calça e cuecas limpas ficaram no banheiro e completamente nus fomos os dois para sua alcova. Abri as janelas para entrar bastante luz e ainda acendi todas as lâmpadas. Colocamos uma toalha sobre a cama e ela se posicionou de quatro com as coxas bem abertas e os pés fora no beiral da cama. Eu me posicionei de joelhos no chão junto ao beiral de modo que a altura do meu rosto dava direto no seu redondinho bumbum. Aquela xana esplendorosa estava total a poucos centímetros diante dos meus olhos. O seu perfume estava me deixando louco. Primeiro eu tinha que ver onde estavam os pelinhos. Palma da mão apoiada nas suas bem torneadas e excitantes nádegas abri-as com o polegar e depois passei os dedos ao lado dos grandes lábios para saber onde ainda estavam as sobras ásperas como uma lixa. Aqui ela estremeceu pela primeira vez. Peguei a espuma de barba, coloquei um pouco na palma duma mão e com os dedos da outra comecei a molhar as partes em lixa e o reguinho. E ela falando com sua voz sensual:

- Hummm... Assim é mais gostoso do que eu mesma fazer, e parece que tu levas jeito...

Fui puxando com jeito a lâmina nos pontos molhados, passando suavemente os dedos, molhando novamente com a espuma e passando a lâmina até ficar tudo lisinho. Com uma toalhinha molhada limpei o excesso de espuma e pedi para ela virar de frente para ver se ainda havia partes para retocar. Ele deitou de costas a abriu as pernas dobradas em posição ginecológica bem na minha cara. Eu via seus lábios carnudos em forma de pata de camelo e tremia de excitação. Com carinho eu passei os dedos por toda a alvura da vulva e senti que ainda havia alguns pelinhos por dentro dos grandes lábios fechadinhos que ela mesma não havia raspado. Alisando estes lábios eu disse:

- Queres que eu tire estes daqui também?

- Sim, a luz do banheiro não era boa e por isso eu não os vi.

Molhei os dedos com um pouco de espuma e carinhosamente abri os lábios da perereca e a coloquei ao lado do clitóris. Ela retesou os músculos e disse:

- Isto aí ta bom demais... Nunca alguém me depilou com este carinho.

Passei a lâmina nos últimos pelinhos, peguei a toalhinha molhada e limpei o resto de espuma e disse:

- Deixe-me dar uma última examinada.

O cheiro daquela xaninha limpíssima misturado com o perfume da espuma de barba estava irresistível. Meu pinto solto ali embaixo latejava ansioso.

Aproximei meu rosto daquela escultura da natureza e com os dedos fui suavemente alisando os contornos do incitante monte de Venus. Fui descendo as beiras externas da vulva, passando com delicadeza entre os lábios e o início das coxas e desci para o seu reguinho. Toquei os dedos calmamente sobre o cuzinho alisando várias vezes em roda dele e subi para a peleta demorando-me um pouco nela. Seus músculos se retesaram. Eu escutava a sua libido:

- Hummm... Hummm... É muuuiiito gostoooooso...

Seus feromônios estavam queimando o pavio dos meus instintos que estavam por explodir. Eu via as contrações dos lábios vaginais que se ofereciam como uma linda boca para ser beijada...

Com o dedinho indicador fui lentamente subindo contornando internamente os grandes e pequenos lábios e lentamente enfiei meu dedo médio xota adentro ao mesmo tempo em que cedendo ao desejo comecei a beijar e lamber o seu clitóris. Ela não resistiu e puxou a minha cabeça de encontro à sua xotinha.

- Ai! Ai! Eu não estou agüentando... Me chupe todinha Joel, me chupe, chuuupe... É um presente que eu quero de ti e te dou por este carinho maravilhoooso.

Beijei, lambi e chupei como um desesperado enquanto bolinava e enfiava meu dedo naquela vulva rosadinha. Ela se estremecia toda e segurou a minha cabeça contra a virilha por não sei quanto tempo, até que se curvou toda e urrou de prazer. Foi uma imensa gozada que a deixou toda molhada.

Ofegante ainda, ela se levantou e foi ao banheiro.

- E eu? – disse – fico no nada?

- Espere, eu já volto.

Em seguida ela voltou com os cabelos quase loiros soltos sem a toalha enrolada na cabeça e lavada do gozo. Ela sempre foi assim, extremamente cuidadosa com a higiene. Fez-me deitar de costas na cama e envolvendo a mão no cacete iniciou um boquete. Eu estava quase explodindo.

- Hummm... – disse ela – Grandinho e bem grossinho. Tuas namoradas devem gostar.

Punhetou e chupou bastante até eu sentir que iria gozar. Eu pedi então que fizéssemos um 69, eu queria gozar vendo e chupando aquela linda xaninha. Decidida, passou a perna por cima de mim e logo pousou a lisinha na minha cara. A excitação estava nos limites e a gozada foi múltipla e conjunta. Ela sorveu com prazer todas as minhas ejaculadas:

- É muito gostoso, do meu mano eu bebo tudo, disse.

Depois de uns minutos de descanso fomos ao chuveiro e nos banhamos para tirar o suor. Ela me lavou com carinho e eu a ela. Eu entrei novamente em ereção. Debaixo do chuveiro de frente para mim ela colocou meu pau já duro no meio de suas pernas e abraçou-me demoradamente. A água caindo sobre nós, senti suas maravilhosas mamas encostadas ao meu peito.

Secamo-nos e fomos ao quarto e nos deitamos. Comecei a brincar com os seus lindos seios que cabiam em minhas mãos, mordiscar, lamber e chupar. Enquanto brincava fomos falando. Ela disse com aquela voz macia:

- Ahhh... Eu adooooro sexo oral, fico fascinada por isso, ser chupada me leva às nuvens e tu Joel o fazes tão bem como nunca eu senti antes. Nunca pensei que me entregaria ao meu irmão, e assim de supetão e sem imaginar algum dia que houvesse esta atração...

- Mas tu ainda não te entregaste, por enquanto nós só brincamos com sexo oral.

- Eu sei, a vontade é grande, mas eu quero me controlar.

- Por que não trancaste a porta do banheiro?

- O professor da aula da tarde falhou e por isso eu voltei mais cedo. E assim como tu que já estava pelado, eu não imaginei que alguém estaria em casa neste horário.

- E por que não reagiste quando eu entrei no banheiro?

- Eu estava super concentrada na depilação e meu pensamento divagou longe no caso da mãe da Marta. Assim eu não percebi quando entraste e depois notei que tu já tinhas visto tudo e bem aberto. Então, por que esconder, me tapar depois? Eu não sinto vergonha do meu corpo e nem de ti. Quando pequena nós não tomávamos banhos junto?

- É, mas daí tu fostes crescendo, ficando bonitinha, a perereca saliente e a mãe nunca mais deixou nós brincarmos juntos no banheiro...

- E eu nunca esqueci de que às vezes tu ficavas de pintinho duro... – riu-se.

E continuou:

- Joel, eu não me julgo uma exibicionista, mas também não sou pudica. Se alguém me ver, ta visto, e se ela sentiu prazer, melhor ainda. Eu sou da teoria de que o belo como arte está aí para ser mostrado e visto, mesmo se este belo esteja na intimidade do corpo de uma mulher. Todos me dizem que sou linda, e eu também me considero uma mulher bonita. Eu não procuro mostrar a minha intimidade, mas se alguma pessoa a ver, eu não me encubro. E sobre ajudar a me depilar? Eu sou uma perfeccionista e realmente detesto pelos, estava me sentindo incapaz de deixar lisinha como eu gosto, de fazer direitinho. Eu sei do prazer que um homem sente quando chupa uma perereca bem sedosa, e eu consigo sentir uma sensação e excitação muito superior quando não há pelos na virilha e em toda vulva, e quando a língua é passada sobre meus lábios lisos e macios então eu vou às nuvens. Por isso eu queria uma ajuda. Muito obrigada maninho.

- De nada!

Rindo e brincando comigo:

- Diz de novo que você gostou de me ver peladinha, diz. Gostou do que viu? – e pegando a minha mão a colocou sobre a depilada - Gostou da carequinha?

- Muito, adorei demais, o teu corpo atiça uma tesão gostosa, é uma fonte de desejos, dá vontade de ficar sempre olhando pra ti assim peladinha, admirar a carequinha, brincar com ela, sentir o cheirinho dela, chupá-la e te apreciar cada vez mais.

Enquanto eu brincava na sua xana ela rindo gostosamente começou a acariciar-me no saco, e continuando – ela era deliciosa quando ria:

- Eu realmente achei graça quando vi teu saco tosado e achei que depilavas tudinho como nos filminhos pornô. Desde quando fazes isto?

- Há uns quatro anos, desde que comprei a máquina de tosar a barba. Eu regulo o aparelho pra corte bem curtinho e faço isto de tempos em tempos quando os pelos estão crescidos. Gostastes?

- Gostei, muito, parece que dá mais charme e aumenta o visual do pinto, ele é lindo, grossão, gostoso. – e olhando-o segurou-o com a mão - É como eu disse, a beleza é para ser mostrada e vista. – e voltado seus olhos para mim - Mas eu gostei demais do jeito como me depilaste, uma atenção, um carinho... Hummm... Tão gostoooso... Já tinhas feito isto antes em outra mulher?

- Já, ela era como tu, detestava os pelos. Foi uma médica que eu encontrei na noite. Antes de transarmos, ela pediu para eu raspá-la toda, pois já estava crescendo. E ela era mais loira que tu e durante a semana em que ela freqüentou uma especialização de medicina aqui na cidade, nós saímos todas as noites. Naquele período eu a depilei três vezes, inclusive na última noite. Ela queria sempre a virilha e a xana muito lisinha. E como tu, ela adorava um sexo oral. Nunca mais soube dela.

- Eu notei que alguma experiência tu tinhas que ter. Eu vou querer que daqui pra diante tu sejas meu depilador, aceitas? Eu tenho uma colega que também detesta pelos. Ela tem cabelos escuros, mas a pele dela é mais clara do que a minha, portanto eu acho que a xaninha dela deve ser bem branquinha. Eu vou falar prá ela que tu fazes uma depilação bem feitinha, aceitas fazer prá ela também?

- Hiii! Não me comprometa... Eu adoraria, mas por enquanto eu aceito fazer só para ti. O cheirinho e o sabor da tua xaninha são gostosos demais.

- Que bom que tu gostaste do sabor e do meu cheirinho, isto me excita e eu vou cuidar para que tu gostes cada vez mais. Saber que a perereca da gente além de bonita é saborosa dá vontade de oferecê-la cada vez mais para ser chupada, mais prazer eu vou sentir nisto. É gostoso ouvir isto...

E olhando-me novamente com aqueles lindos olhos verdes bem pertinho do meu rosto, abrindo aquele sorriso com dentes alvos e perfeitos:

- E sobre sexo com a irmã, isto na maioria das culturas é incesto, tu não tens reservas ou barreiras?

- Até hoje eu achava que tinha, mas entre nós tudo aconteceu tão rápido e de repente que não deu tempo para pensar. Eu acho que a barreira que eu tinha se foi com o teu despudor e da forma natural como não te importas de mostrar a beleza da tua nudez. Tu és uma mulher encantadora, admirável, toda perfeita e super atraente, tens uma voz super sexy. Por seres a minha irmã nunca me passou pela cabeça uma atração sexual por ti, mas pensei muitas vezes no feliz do homem por quem tu te enamorasses. A tua xaninha é linda, super excitante, muito gostosa. E igual ao teu não querer querendo, eu agora e por enquanto sou só desejos.

Riu-se feliz e encheu meu rosto de beijocas e com aquela irresistível voz sensual disse-me baixinho no ouvido:

- Então satisfaça teu desejo e me chupa mais um pouquinho maninho, eu ainda estou ofegante de vontade e adooooro que me chupem... Vai, coloque a xotinha toda na boca e me faça estremecer... Vai, me chupe, me lamba, coloque tua língua lá dentro, me chupe, chuuupe que eu quero vibrar...

Era tudo o que eu queria ouvir depois de a estar bolinando com os dedos e sentindo suas contrações. Ela escancarou as pernas e eu enfiei a cara de novo no magnífico monte Vênus e deliciei-me por um bom e longo tempo. É uma sensação incrível ter-se diante dos olhos, do nariz e na boca uma vulva lisa linda perfeita, limpíssima com cheiro de fêmea, que se oferece desejosa e totalmente para nosso gozo e beijos. Linguava com carinho todo o contorno da boceta, por cima dos grandes lábios, descia para a peleta, lambia o cuzinho limpinho, dava lambidelas e mordiscava com meus lábios seu clitóris, enfiava a língua por dentro dos pequenos lábios dentro do canal vaginal até onde dava e ela retorcia-se toda de prazer. O tesão que ela sentia aumentava mais a minha ânsia de lhe dar cada vez mais gozo naquela xota rosadinha. Então foi a vez dela pedir para fazermos um 69 ansiosa por me chupar. Engolia com volúpia e sofreguidão o meu pintão. Mamava com maestria no dote e de vez em quando eu lhe pedia para ir mais devagar, pois eu não queria acabar logo com aquela deliciosa excitação, estava muito bom. Foi uma troca fantástica de carinho e agrado por muitos e muitos minutos, eu creio que mais de meia hora. O auge do orgasmo foi novamente em conjunto quando ela arfou e estremeceu de tal forma que parecia que iria explodir. Assim como eu lambi e me deliciei com o seu líquido do gozo, ela fez questão de engolir toda minha ejaculada.

Descansamos abraçados e depois sugeri que transássemos de verdade, eu queria penetrá-la. Ela no entanto ainda se resguardava.

- Éééé..., ta tudo ótimo, muito bom, mas vamos devagar com os desejos. Eu também estou querendo, morrendo de vontade e estou te achando demais. O sexo oral de hoje, tuas chupadas foram boas demais, demais, demais... mas vou me segurar um pouco. Por enquanto eu não abro mão da próxima depilação e depois vamos deixar ver o que rola. Estamos combinados para a próxima sexta-feira?

- OK!

Embora eu também estivesse angustiado pelo desejo de possuí-la toda, respeitei a sua vontade. Mesmo que ela não confessasse, eu acho que o fator incesto ainda estava a freá-la. Forçá-la poderia por tudo a perder. Afinal, este belíssimo relacionamento com a minha querida irmã, esta encantadora intimidade acontecida espontaneamente estavam só começando. E meu afeto e carinho por ela eram muito grandes.

Na segunda depilação o sexo oral de todas as formas foi tão gostoso, repetido, prolongado e empolgante, que acabou novamente só nele e numa ótima e alegre nova conversa.

Da terceira depilação em diante é que rolou de tudo, com entrega total, penetrações, beijos apaixonados e magnificamente sem culpas.

Em todos os nossos encontros eu lhe bolinava e lambia o cuzinho o que foi lhe aumentando a sensação e o agrado. Uns dois meses após iniciarmos ela se interessou por sexo anal. De início foi-lhe um pouco dolorido, mas logo passou a sentir prazer e não mais abandonou.

Um ano após eu comprei um apartamento e então as seções de depilação e sexo passaram a ser mais livres e freqüentes, e não somente nos finais de semana quando os pais não estavam. Durante anos, até ela completar a faculdade de odontologia e depois de se casar, eu fui o seu depilador e amante exclusivo. Eu continuo solteiro e algumas vezes ela ainda me pede para depilá-la e depois rola um gostoso sexo oral e todos os demais complementos. Nossa afinidade é muito grande.

Para a sua colega de faculdade e lindíssima amiga Ana, eu fiz depilações durante algum tempo. Ana era mais alta que Andréa, 1,80 m e os mesmos 60 kg, então aos 21 anos um belíssimo corpo de miss ou manequim. Pernas longas, coxas e bumbum muito bem torneados, usava somente lingeries branquinhas e pelas calcinhas percebia-se logo a acentuada protuberância dos seus lábios e a racha da xana. Era uma visão do tipo tampo de fusca pra enlouquecer qualquer homem. Tinha uma xaninha bem branquinha com lábios grossos delineados e salientes, pequenos lábios diminutos bem internos e um clitóris escondido. Depois de lisinha era linda de se ver, parecia perereca de menininha em tamanho adulto. Desde saída rolou tudo em sexo, sempre aos sábados à tarde. Algumas vezes a Andréa participou destas seções e então rolava sexo a três, mas eu tendo que dar conta das duas, entre elas nunca houve lesbianismo. O mais gostoso era enquanto eu deitado de costas a Ana cavalgava ou me chupava e eu tinha a xaninha lisinha da Andréa por cima do meu rosto para saborear, chupar, lamber e sorver. Era uma tesão incrível, uma delícia. Mas surgiu um ciuminho na Andréa e eu resolvi terminar com as seções. Minha linda, esbelta e elegante maninha me dava muito mais prazer e principalmente amor.

[email protected]

Cópias para Blogs ou para outro site de contos estão autorizadas desde que seja mantida a fonte e o nome do autor.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
24/01/2019 00:33:10
conto delicioso 10
AFL
30/08/2014 08:25:30
Espléndido
06/02/2013 22:09:12
muito excitante.bastante respeitoso apesar do preconceito.adoraria depilar estas gatas...
30/08/2012 19:12:07
Erótica declaração de amor fraternal, sem culpas e com muito tesão. Bem descritas desde as preliminares, fez-me bater homéricas punhetas, mesmo na minha idade. Um grande abraço e não deixe de nos presentear com outros contos do mesmo nível. Val
08/02/2012 14:04:24
O Conto é bom, mas esse português de Portugal é meio sacal. Mas o que vale aqui é a imaginação, nota 10
27/09/2011 19:52:41
Parabéns, gostei muito, faltou a descrição de algumas coisas. Mas nota 10, conte outras novidades estou esperando. Beijos.
27/09/2011 19:52:14
Parabéns, gostei muito, faltou a descrição de algumas coisas. Mas nota 10, conte outras novidades estou esperando. Beijos.
27/09/2011 19:49:33
Parabéns, gostei muito, faltou a descrição de algumas coisas. Mas nota 10, conte outras novidades estou esperando. Beijos.
22/09/2011 21:35:36
Gostei. muito bom
22/09/2011 19:04:32
belo conto
21/09/2011 23:31:01
Muito boa a história. Conte outras. Abs
21/09/2011 10:30:44
é de dar muito tesão, belo conto vc sabe escrever muit bem parabens
21/09/2011 06:20:33
Tá bom. Mas vai ter continuação, né? Faltou descrições mais detalhadas dessas fodas. E faltou comer o rabinho das duas. Não comeu? Não vai comer? Ah! Que peninha...
21/09/2011 05:09:19
Belo, sensual e muito tesudo. Sexo feliz, com amor. Descrição perfeita e quase casta. Parabéns.

Online porn video at mobile phone


contos de sinhazinha lesbica abusando de escravavidos pra abaca irmao pegou a irmanovia.de supreza.e gozou dento da.bucetona delaflagrei minha tia peituda com consolo no cú eu dei uma mãoContos de comedores de Mendiga novinhas de 10 a 12 aninhostendo prazer filhinha younglucila safadaxvideosContos eróticos procurando aventura no clube de campoautor,Vamp19-Contos Eroticosxvideo bricando park mao boba a quaticoporno comendo uma novinha c com o shorts na solturatravrsti chupano apica docara atrais do balcao sem nigem peceberminha madrasta vaca pornocorno covarde chorãocasada fica excitada ao ver o cavalo cruzar com égua no YouTubeponodoido comendo a cabeleira enquanto a esposa arruma o cabelo completotomou Viagra quase matou a mulher gosou muito no xvideo MobileTaquei no cuzinho da irmã negraesposa dando o cu pra doisconto eróticosXVídeos HD pornô rola no cú de tinininhoabusada no cinemaminha filhinha meu amor conto eroticocontos veridicos com enteadasconto erotico mae nao aguento pau pau do filho comesou achora no pauyoutube cdzinhas exibidas de baby dollContos eroticos gay funk traficantecontos eróticos reais tinha usando o calcinha enfiadinha vermelha para sobrinhossexo conto erotico semem embuchadaxvideo facilao liberou esposa eu extrupei ela a forçacoroa mordendo oseio egozando na cara damulhermeteno no cuzimho da novimhamarguinhos lolinhos novinhos xvideos.commulher tira prega do cu do macho com strapongritin xvideosxxvideo era so pra passa a cabesinhaContos Eroticos submissãoporno so vidio reral tiramo a vingidaderelaro erotifo mae bucetuda e filho pau gigant..de vestido de brusosexofilme pornô gratis bucetinha bem limpinha sem cabelo ganhando enfiadinha de leve do pau grossoEu quero ver bucetaaaaahincesto filho comeu mae condo pai fico broxa contos eroticoconto erotico gay cunhadosvideos dr sexo com pau de40cm analxvideo peguei a mãe e arranqueo cabaco da duas filhassexo com monstrosela fudeu tamto q espomou a buceta delaporno.bunda.na.cara.xeroza.perfumadaquero ver o cara fazendo pipa nas pernas da mulher com short bem curtinho deitado na camaconto erotico huntergirls71IM01- ela so queria. aprender a amar conto erótico contos de incesto maê pega filho roçar o pênis no grelo da maeBjss na bunda q na boca.da sdssconto erotico novinha peidando sexo analporno negao fas muleca grintaBaix porno emprensando na paredeporno doido deu cu pro treinador de basqueteContos trai meu marido com encanador roludoso sorubinha com elas filha da putaporno filho Engravidar mae dormidotrasando duas irma telmawww.sexo tia ver o sobrinho batendo poilheta e da para ele.com.brPaguei para deflorar a filha do caseiro conto eroticotia dando uma licao no subrinho por ir mau na escola xvideos videoscontos eroticos de padastroolhos de um moreno Lombradocontos erótico de massagitas dotados comendo madames e ninfetasporno lubrificando o cu com manteiga e socando a mao infeira dentro delepornô anal com mulheres dando rabão gostoso tesouro com perna tá tendo mais daqueles bem quente mesmoelementarians casa dis contos eroticosenteada morena da bunda empinada dando ocupadocontos eu meti meu picao nela sem pena incestofoto de pozisoa vedadeira xesuaisconto comi cu da cracudacachorro nao queria mas degrudar da mulher zoofilia video porniConto erótic com meninas de 12 com dog berou nopau donegraoindiazinha dormindo deixa ser penetradalesbica num romancd pornôdoidose masturbando com o cu enpenadoConto porno da pequena solangecontos lesbicos e penitencia no conventoconto bi fiz meu marido chupar a rola do meu ambnteMinha mulher contou em detalhes a foda Vr vidios porno no xvidios do teste de fudelidadecontos eroticos de mulher fazendeiraMeu irmao quis gozar nos meus pezinhos contosbelo sexo sobrinho dormiu na casa da tia de conchinha com ela na mesma camawww.mulherpornocachorrovídeo de bobão grandão batomcache:krAWjri_qYMJ:zdorovsreda.ru/texto/20170885 filme pornô pai comendo a filha e a mãe olhando batendo atiribamamei contosContos erotico gays moto boydotadao gozando dentro do amiguinho dengozocontosbucetada mamae com tezaovideo porno papai leu a filha que estava de férias pro sitio e fudeo novinha