Tirando o cabacinho da filha da minha irmã (ou miniconto da miniboceta virgem da minissobrinha de minissaia)

"Deixa eu pegar, tio?", perguntava minha sobrinha. Ingênua. Simples. Curiosidade inocente. Quem sabe a mesma que teria sobre um objeto qualquer. Na minha estante. Um bibelô exótico, talvez. E só olhar não era suficiente. Tinha que pegar. "Hein, tio? Deixa vai? Só uma pegadinha?!". Nunca fui mesquinho. Tentava ser legal. "Mão-aberta", como dizem. Mas o bibelô em questão. Aquele sobre o qual ela queria fechar sua mãozinha... Já deduziram. A pica pulsante do tio. Tesão proibido. Ela até já tinha idade. Podia brincar de médico. Brincar de fazer neném. Brincar de "pega aqui que eu pego lá". Estava púbere. Tinha os peitinhos. "Cuidado onde você cutuca, garoto, abaixo de catorze é crime!", alerta antigo de meu pai, advogado. Mas ela estava prestes a completar quinze. Crime não era. Podia ser imoral. Eu tinha vinte e um. Era seu tio. Consanguíneo colateral. Irmão de sua mãe. Com quem eu até já havia dado uns pegas na adolescência. Tudo bem. Passado. Segredo antigo. Nada obstante, vinha sua filhinha fazer-me enfrentar outro tabu. "Prometo não contar pra ninguém!... ", choramingava ela, relando em mim seu corpo macio. Corpo de novinha. Potranquinha no cio. Sobre animais no cio ela entendia. Morava na fazenda. Interiorzão do interiorzão. Cavalo e jumento trepando em égua eram seus preferidos, segredou-me. Na verdade, única pornografia a que tinha acesso. Estava fascinada com as coisas da cidade. Passava um tempo em nossa casa. E a maior parte do tempo na televisão. Artefato com o qual não tinha muitas intimidades. Onde morava só pegava um canal. Só havia jornais e telenovelas. Não gostava de novela. "É muita mentirada sem noção, tio". Estava maravilhada com a quantidade de canais na nossa TV. TV por assinatura. Não tínhamos o melhor pacote. Mas para ela, tratava-se de entretenimento supremo. Eu só não imaginava o quão supremo. Acordei de madrugada. Eu sempre o fazia para beber água e urinar. E lá estava ela. Na sala de estar. A tela a brilhar na escuridão. Meus olhos foram mais rápidos do que seus dedos no controle. Não conseguiu mudar de canal a tempo. Via fissurada um filme pornô. Uma mão segurava o controle e a outra, debaixo do lençol. Decerto numa siririca gostosa. Olhou pra mim com espanto. Tinha sido pega. Eu a acalmei. "Pode deixar lá, menina, eu não ligo". Olhou pra mim de novo. Queria ver se eu falava sério. Viu minha expressão pacífica. Voltou para o canal. Era uma cena de sexo muito besta. Daqueles canais que não são pornográficos. Daqueles que só exibem algo erótico de madrugada. O cara fingia comer a mulher de quatro. Pura simulação. De vez em quando a câmera mudava de ângulo. Era ridículo: não tinha penetração. O relance foi rápido. Quase imperceptível. Mas suficiente: deu pra ver o pingolim do sujeito batendo fora da bunda da mulher. Mole como mingau. Comecei a rir com vontade. "O que foi, tio?". E lhe expliquei a hilaridade da situação. Ela não tinha percebido na hora. Depois, começou a rir também. Conversamos sobre sexo. Eu era o tio mais legal do mundo, confessou-me. Ninguém falava disso com ela. Mesmo as professoras da escola rural. Não gostavam do assunto. Bruxas chatas. Velhas corocas. Fiquei contente com o elogio. E ao mesmo tempo triste. Triste por ela. Tão isolada. Tão reprimida. Brinquei que o ator do filme só podia ser gay ou impotente. Uma mulher gostosa como aquela. Nem uma ereção? "É que nem com os cavalos, tio? Assim que o homem chega na mulher pelada o 'negócio' dele já cresce?". Esclareci que não. Não necessariamente. Um homem podia ter ereção por vários motivos. Às vezes só de ver uma mulher bonita. Ou às vezes só de pensar nela. "Você me acha bonita, tio?". E a pirralha atentada tirou o lençol de cima de si. Estufou os peitinhos pra fora. Quase visíveis, sob a fina camisola. O pênis acordou na hora. Ela percebeu. Seus olhos foram direto para o local. Como que para constatar meu tesão. Estava me convencendo que, de inocente, a vadiazinha não tinha nada. Contudo, era minha sobrinha. Eu não queria problemas. Não de novo. Bastavam os anos de isolamento e constrangimento com minha irmã. Até hoje arrependida de nossos contatos incestuosos. Não iria estragar tudo de novo. Dei boa noite e voltei para meu quarto. Obviamente, não dormiria sem uma punheta antes. E assim gozei num lenço de papel. Na mente, na verdade, eu estava era rasgando minha sobrinha ao meio. Aquela putinha... Ela brincava com fogo e não sabia. Raiou o dia. Ela entrou no meu quarto de minissaia. Microssaia. Um pedacinho de pano. O tecido envolvia inutilmente suas lindas pernocas. “Gostou, tio? Fica bonita em mim? Você acha que eu posso ser gostosa igual a moça do filme?”. E dava voltinhas. Aquele rabo lindo empinado. Amaldiçoei o moletom que eu vestia. Não segurava nada. O pau duro ficava livre. Fazia volume. “Você não fala nada, tio. Mas acho que ele gosta de mim”. Sorria safadamente e apontava pra minha piroca. E foi aí que começou sua súplica insistente. “Deixa eu pegar, tio?”. Não tinha jeito. Eu ia deixar. E deixei. “Só um pouquinho sobre a calça então”, admiti por fim. Ela o apertou com vontade. Seus olhos brilhavam. “Como é grosso, tio!”. “E parece que tá quente também!”. E sem prévio avisou enfiou a mão por debaixo da calça. Pronto, ela segurava meu pau nu. Minha sobrinha segurava minha piroca. “É tão grande e cheio de veias, tio!”. E passava seus dedinhos pela extensão do pênis. Contou-me que uma vez viu algo estranho. Um cara fazendo um negócio num porco. Ele parecia ordenhar o bicho. De lá saia uma coisa leitosa. Era o sêmen que ele ia usar para inseminação. E novamente sem prévio aviso começou a me punhetar. “Parece que tá saindo uma baba do seu pinto, tio!”. E lhe expliquei que era o líquido seminal. Uma lubrificação que saia, quando o homem ficava excitado. “Ah, é tipo quando minha periquitinha fica meladinha então?”. Disse que sim. E como se estivesse apenas imbuído de fins didáticos, passei a mão em sua bocetinha. “Está vendo, se eu mexer assim com ela, ela também se lubrifica”, demonstrei. Ela ficou ruborizada pela excitação. Abaixou a minissaia e a calcinha. “Melhor assim, tio, aí dá pra eu olhar pra ela também”. A bocetinha era linda. Minúscula. Rosada. Carnuda. Um verdadeiro capozinho de fusca. O montinho de vênus, proeminente. Sobre ele, só uns poucos pelos. Louros, como os da mãe, quando nova. Eu passava o dedo levemente naquela racha virgem. O dedo saia melado. Eu ia lhe siriricando. Ela ia me punhetando. Ela gemia fininho. E suava. “Quero saber como é, tio!”, pediu ofegante. Ela não precisava pedir de novo. Já havíamos chegado até ali. Não havia motivo para parar. Fui direto na gaveta da minha escrivaninha. Lá estava o lubrificante. À base d’água. O melhor que existia. Untei toda a pica e sua minúscula bocetinha. Com muita dificuldade entrou a glande. E com muita dificuldade não gozei ali mesmo. Aos poucos senti a barreira. Fiz mais força e ela se rompeu. Veio o filete de sangue. Bem fino. Tênue linha vermelha. Sangue virginal. Que delícia. Passei o dedo no pau e lambi um pouco dos dedos. Fiz o mesmo novamente e o ofereci a ela. Já tinha lido em algum lugar. Aquilo era um poderoso ritual. Não sabia se era verdade. Mas dava um tesão desgraçado. Ela também o lambeu. Enquanto eu enfiava a piroca em sua xoxotinha virgem, ela segurava minha pélvis com as mãos. Estava com medo. Não queria que eu lhe machucasse. “Vai devagarzinho, tio”. E fui. Pelo menos no início. Por fim, arremetia-lhe como um animal. Não importava. E, com um tempo, a ninfeta safada passou a gostar. Eu metia naquela bocetinha apertada e estimulava seu grelinho. Ela gemia e inclinava a cabeça para o lado. Seus olhinhos fechados. Tão linda. Tão gostosinha. Tão pura. Tão apertadinha. Tão apertadinha que não aguentei por muito tempo. Gozei profusamente naquela tocazinha de anjo. “Será que eu vou ter um filhinho seu, tio?”, perguntou ela, enquanto aparava minha porra que lhe escorria pelo rego.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Jhou Jhou a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
30/11/2016 18:28:37
Está pela metade. Comece e termine. Assim não tem graça. Cinco
17/01/2016 01:11:06
muito bom
05/12/2014 19:55:15
Muito bom deu tesão
16/11/2014 10:54:01
Nossa lembrei de qdo meu tio quebrou meu cabaço. Delícia!!! Acho um saco essas pessoas que ficam criticando os textos. Site erótico é pra gosar mesmo, não é concurso de literatura, porra.
08/07/2014 00:13:28
Nota não se dá por gostar ou não gostar; mas pelo texto em si, pela estrutura, criatividade, domínio do vernáculo. O relato em questão, apesar de pecar contra a sintaxe (LHE no lugar errado) e a pontuação (as aspas antes do ponto final), é bem criativo e segue uma estrutura narrativa admirável. Minha nota é dez. Leiam os meus.
26/03/2014 23:21:01
Gostei do relato, bem escrito e excitante. So acho que, pela descricao e comportamento, que sua sobrinha nao tinha 14. Talvez 11, no maximo 12. Pode contar.
26/03/2014 13:58:48
Tem quem goste de novinhas... eu prefiro as mais experientes. Mas o momento é que faz acontecer. Na hora, era essa... então!
07/03/2014 07:46:35
MTO BOM.. EXITANTE.. GOSTE. LEIA O MEU.. ABÇ..
07/03/2014 07:40:12
GOSTEI, FIQUEI COM TEZÃO E LEMBREI DO MEU INCESTO!! SE QSER LER.. SUCESSO..
05/03/2014 11:33:09
Delícia de conto.
18/02/2014 09:40:41
Você fala demais e enche o fato de você ficar enxugando gelo. Cansativo ler este conto sem graça. Isto mostra que não é verídico. Nota Zero
30/01/2014 15:34:07
nossa to toda meladinhaa... Afim de dar bem gostoso
27/01/2014 20:14:13
não gostei nota zero
26/01/2014 03:18:54
waw...mto bom texto; Parabens
21/01/2014 10:06:17
muito excitante seu conto.....me add no skype srt_ju.....bjs
21/01/2014 10:05:07
muito bom seu conto.....me add no skype srt_ju......bjs
08/01/2014 21:15:00
Hummm Que delicia de conto. Eu e meu marido Beto ficamos morrendo de tesão. Nós também publicamos nosso conto aqui. É verídico e se chama: "A Procura de um Amante". Montamos um blog só pra falar de sexo. Tem muitas fotos e também relatamos nossas aventuras. O end. é: rubiaebeto.comunidades.net Visitem-nos...Beijos molhadinhos
KRT
08/01/2014 15:09:33
Muito BOm
31/12/2013 16:40:24
Hmm ! Que delícia... meu sonho ter um titio assim !

Online porn video at mobile phone


xvidio menina bem mobinhanovinha vai troca de roupa e pega rapaz bateno pulhetFodendo com meu amigo Astrogildo xvideos.mulher.perna omitaporno em familiao cara comendo a boyzinha da academia dentro do ônibus de saia XVídeosxxx bunda grandeconto em familiaFeitichi d evangelica c homemxvideos loira do cu aguado molhado brsi bovinha peludacontos esfolei o anus da mamae bebadanovinha sendo massageada na buceta com lanjeri fio dental deixando se massagista abusar de sua bucetaver video de jigantão arobando o cu do novinhoCasa dos contos eroticos.lambendo.escondidaWwwx vidios .con amulhe da buceta maio do mudorxvideos novinha aprendendo a polotar motocasa dos contos eróticos patrão e empregadocontoserotecos minha mulher com bunda cheia de porragay chupando no rancho de pescariaMoto táxi pega passageira gostosa de shortinho curtodeu para nao ser caguetada para o marido xvideosconto erotico crente assanhadacontos eróticos dona mariadeixei a vendedora ver meu pau no provador de roupas xvideoscontos erotico,meu genro me enrrabou dormindoconto erotico estuprado por cao diabaoSocro tarado xvidiosas novinhas andado de xotinho dinsPorno youtubet padrasto descabaca novinhaxvidio enfinhei ate otalo e gozei dentromeu irmão me viciou em chupar pau conto gaycomi minha cadelacumendo tia miriam contoconto erotico fodi minh sobrinh novinh 11notirando vingidade de novinha com o negao do lado da maeizinha gostosa tambemtezaozinhalevantei o vestido dela no beco e plantei rola x videocontos eroticos de incesto comendo uma doida mentalvingadota gozandocasa do contos eróticos publicadospornô com magrinhas bem branquinhas e Dalvinhameu filho depilou minha cona.contos eroticosAliviando os funcionarios contos eróticoscontos eroticos nupcias blogspotpezinho com chulezinho da minha cunhada contos eroticos podolatrianovinhas brazileira tesuda pediu pro macho todado soca ate o talo ela por cima pra levantar mesmo taradacontos eroticos praia nudismo irma maemulher transando na subida do Ilha Porchat São Vicentecontos eroticos ajudei vizinha idosa e ela pagou cim boquetewattpad contos eroticos pai e filhasFodidamente sexy WattapdContos eroticos menina novinha perde a vijidade com o caxoro e seu imaou pega no fraga e tem qe da o cuzinho pra elecontos pornôs echarpe vermelhaBusca por contos de marido traindoXvideos videos curtos o garanhaofotos da coleguinhas com muita Pegação de um tempinho antes de transarminha esposa branca e gorda dando o cu pro meu compadrefilho fodendo a buceta a pertadevídeo pornô comendo o c* da magrinha deitada transposiçãopornoirado com irma so de shartinho tocando teclado e acabo fudendo elaAs novinha que adora chupar i tamar a porraGol contos eróticos Prima com primo gordinha gostosagordinha griluda seno curiada pelo cuiadodoce nanda contos eroticosflagrei meu irmao comendo nossa mãenovinha de chinelo havaianas contosos melhores. comtos de sexo de paes com filhasconto erotico funk peladacontos eroticos de mullheres que aman barbeariaconto de comendo cuconto erorico apostou a esposabucetascontospornocontos erotico gay corno participandominha bucetinha crente pequena foi arromvads a forcacontos porno clareira da cadelagay da o cu debruço da arvoreprotesto so homem cacetudo peladovizinha dentro.de um chacara de cafe xvideosHomempauzao analzoofillapornocaseirovídeos pornô de mulheres se masturbando com a embreagem do carromulheres nojona de tanto tesaozoofilia morena dos desejos anunciovc acharam que quando eu terminasse eu.nao labia/uma chochota nao comia u cuzinhobuceta efudelnegao infiando na guela da safadaGol contos eróticos Prima com primo gordinha gostosaxvideo corno arma asautocontos eróticos de gabriele dei minha Buceta pro meu irmão.xxvideos lariha do briquito de egua