Amor de irmão - Parte 7

Um conto erótico de Panaiotis Stepanaiopoulos
Categoria: Homossexual
Data: 09/03/2015 09:19:06
Nota 10.00

Parte 7 - O grego e o espanhol

Se antes era Zeque quem abraçava e protegia Tommy, quando os dois dormiam juntos, agora era o oposto. O mais novo abraçava seu irmão como se um anjo o salvasse de um perigo. E era isso que fizera quando Tommy levou Zeque ao hospital. O anjinho bateu suas asas e salvou seu herói.

Tommy e Zeque dormiam tranquilamente quando o caçula fazia carinho nos cabelos do irmão mais velho. Zeque acordou do sonho e percebeu que estava em um sonho bem melhor.

- Não vai dormir, maninho?

- Só estou cuidando de você. Vendo você sonhar tranquilamente.

Nesse momento, Zeque se virou para Tommy e via somente o brilho em seus olhos, que pareciam ser mais intensos com a noite estrelada que passava nos céus.

- Eu não tô sonhando, Tom. É realidade. Os anjos existem. E você é meu anjo da guarda.

- Eu sou mais que um anjo. Sou teu irmão. Um irmão que faz das tripas coração para salvar a vida de seu outro irmão.

Tommy se emocionava quando voltava à infância e lembrava dos momentos em que Zeque cuidava dele.

- Eu lembro que...uma vez fiquei muito doente. Tive febre, falta de ar. E você ficou do meu lado cuidando de mim. Ficou contando histórias e ajudava a mamãe com os remédios. Você fazia tudo isso porque queria que eu ficasse bom para que você pudesse brincar comigo. Você lembra?

- Lembro. Devia ter uns 12 anos. Você teve uma crise de asma terrível. E fiquei tomando conta de você como um filho. Dizia que você ia ficar bom logo se você tomasse todos os remédios. E você melhorou. Melhorou tanto que você aprendeu comigo e foi rápido ao me levar para o hospital.

Tommy, abraçava Zeque e acariciava seus cabelos, como o irmão fazia, ou faz, com ele. Pedia para o rapaz esvaziar sua mente e não pensar em nada e relaxar.

- Isso. Não pense e não fale em nada. Com uma mente vazia, a gente coneça a fazer os melhores desenhos e assim, nossos sonhos só serão coisas boas.

E assim, Zeque adormeceu nos braços de Tommy pela primeira vez em sua vida.

Durante a madrugada, Zeque escutou barulho do lado de fora. No susto havia acordado e notou que teu irmão não estava na sua cama.

- Tom. Cadê você?

Zeque pegou o roupão, vestiu e foi procurar pelo irmão. Depois de procurar por toda a casa Tommy, notou que havia barulho de alguém caindo na piscina. Viu que era Tommy nadando bem à vontade. Por um instante achava lindo ver o seu irmãozinho nadando, completamente nu. Ao perceber que estava sendo observado. Tommy acenou para teu irmão e se apoiou na borda da piscina.

- Ei gato! Não quer entrar?

- Não sei... (Zeque dizia fazendo um chsrme para o irmão)

- Vem. A água tá ótima, o noite agradável...

Nesse momento, Zeque foi desatando o nó lentamente e foi indo em direção a borda da piscina.

Ao entrar na água, o irmão mais velho deu um pulo como se estivesse em uma competição de natação. Ficou nadando submersamente por uns 3 segundos e voltou a superficie dando uma chacoalhada com a cabeça. Ficou rondando o irmão por uns instantes até que se apoiou na borda e fez uma cara com um certo olhar sedutor.

- Tá aprontando o quê, Tomzinho?

- Eu? Nada.

Neste exato momento, Tommy deu um beijo em Zeque e os dois começaram a se envolver ardentemente. Zeque comandava os passos e movimentava-se pela água sem parar de se beijar até que Zeque saiu da piscina dando um impulso com as mãos e se encostou lateralmente na borda. Ainda na água, Tommy beijava o irmão e aproveitava aquela posição do seu herói dando chupadas em seus mamilos.

Em seguida, Tommy também saiu da piscina e os dois começaram a enxugar o corpo do outro. Zeque permitiu que Tommy passasse a toalha em todo o seu corpo.

As luzes da piscina davam ainda mais brilho nos corpos dos irmãos. E Zeque enxugava com carinho o rosto e os cabelos sedosos de Tommy. Após terminarem de enxugar, Tommy levou Zeque em direção, de volta, ao quarto.

Chegando ao quarto, Tommy deitou de barriga pra frente e Zeque, em seguida, jogou seu corpo em cima do irmão e começou a beijar sua boca, o pescoço e seus mamilos, alternadamente.

O clima, naquele momento, era de pura excitação. E como de costume, Zeque fez as honras de mamar no cacete rosadinho do irmão.

Como uma criança que ganhava um picolé, Zeque chupava a pica de Tommy e fazia carinhos, com sua mão, no corpo do irmãozinho.

O filho mais novo de Ariel e Esther, mais uma vez, fechava os olhos na hora em que o irmão o chupava. Junto com a mamada, Tommy passava o dedo em sua boca e deslisava em teu corpo por não conseguir aguentar tanto tesão.

Zeque percebia que o maninho iria gozar que intensificou sua chupada e abriu sua boca a fim de receber a porra de Tommy.

Em seguida, com a boca lambuzada, beijou seu irmão.

Depois de limpar a boca, com um papel higiênico, Zeque colocou uma camisinha em seu duro mastro. Depois que passou o gel na pica, deitou Tommy de lado e começou a meter no rabinho do irmão.

Zeque observava a fisionomia de Tommy quando penetrava seu pau no cú dele. Tommy fechava os olhos e gemia como se comessace a chorar. O irmãozinho já sabia que era impossível não doer com 22 centímetros de pau entrando em teu rabo. E, então, passou a apreciar o momento deixando que Zeque o conduzisse naquele momento, beijando-o e colocando o dedo em sua boca a fim de que ele chupasse e esquecesse, um pouco, daquela dor que sentia no cú.

Zeque, ao ponto de gozar, jogou o jato de porra no corpo do irmão. Lambeu um pouco do leite, que estava na barriga de Tommy, e pegou um pouco, com o dedo indicador, e levou até a boca do irmão. Após limpar o irmãozinho, Zeque deitou em cima de Tommy. O abraçou e os dois voltaram a dormir como duas crianças felizes.

Passaram-se os dias até que chegou o fim de semana. O dia de sábado já estava claro quando Zeque e Tommy dormiam juntos no quarto do mais velho. Zeque, que dormia de bruços e abraçado ao irmão, acordou e também a seu irmão.

- Tommy! Levanta!

Tommy ainda sonolento não entendia i porque do irmão o acordar tão cedo no fim de semana.

- Zeque! É cedo. Por quê você me acordou essa hora?

- Esqueceu que o papai e a mamãe vem hoje pra cá?

Tommy, por um instante, se despertou depois que Zeque disse que os pais estariam a caminho.

- Ih! É mesmo.

- A gente vai ter que se disfarçar e muito, maninho.

- Tá. Mas o que a gente vai fazer?

Zeque, por um instante, teve uma ideia.

- Desarrume tua cama.

- Por quê?

- Pra verem que a gente dormiu em quartos separados como qualquer irmão.

Tommy saía do quarto do irmão quando o mesmo deu uma nova ordem.

- E depois vá até a cozinha e faça o café da manhã.

- Sim.

Tommy cumpriu o que Zeque mandara fazer. Já estava na cozinha, preparando o café, quando seus pais chegaram com uma bolsa de viagem, cada um quando viram o filho, de pijama, colocando a água no coador de café.

- Oi filho. Já de pé? (perguntou o pai)

- Oi pai, oi mãe. Eu levantei cedo e aproveitei pra preparar o café da manhã. Não sabia que horas vocês chegariam.

Os pais gostaram da atitude do filho e Esther resolveu ajudar Tommy com o café.

- Pode deixar que eu termino aqui, filho.

- Não precisa, mãe.

- Que é isso? Pra mim não é incômodo nenhum. Se quiser, você pode ir lá na padaria e trazer o pão.

- Tá certo. Só dar um tempo de eu ir lá em cima e trocar de roupa.

Assim que ia para o quarto, Ariel perguntou para Tommy de seu irmão.

- E o Zeque. Como ele tá?

- Tá dormindo feito uma pedra lá em cima.

- Eu vou lá ver ele. E aproveito pra levar as malas pro quarto. Me ajuda, filho?

- Sim pai.

Ariel foi direto ao quarto do Zeque para saber como ele estava. Assim que entrou, o pai notava que seu filho primogênito dormia profundamente. Pensou em não acordá-lo e deixar que seus sonhos o embalasse. Entretanto, Zeque notou a presença do pai e abriu os olhos num instante.

- Shalom, filho.

- Shalom, pai. Cadê a mamãe?

- Tá lá embaixo ajudando teu irmão no café da manhã.

Ariel ficou conversando, um pouco, com seu filho. Perguntava como ele estava e se estava repousando e tomando direito os remédios receitados pelo Dr. Johnny.

- Tô seguindo direitinho pai. Até porque tenho um enfermeiro que me vigia 24 horas.

- Eu sei. A gente chegou e vimos ele na cozinha cuidando do café. Agora descanse bastante que depois vou pedir pro Tom vir aqui e trazer teu café da manhã. Volte a dormir, filho.

- Obrigado pai.

Ariel fechou a porta do quarto de Zeque. O rapaz fechou os olhos e voltou a embalar no sono.

O fim de semana na praia estava só começando. Como os irmãos não podiam ficar mais intimos como da outra vez, aproveitaram para curtir o passeio em família. Brincar na piscina, correr na praia, ajudar a mãe no almoço, ir pescar com o pai, tomar sol na varanda de casa e todos os tipos de programa que uma família gosta de fazer na praia. A noite, Ariel aproveitava e levava a família pra passear na Orla e aproveitar a noite agradável. Ao final do passeio, paravam em um quiosque para beber alguma coisa. Como Zeque estava tomando antibióticos, tinha que abrir mão da cerveja e ficar somente na água de coco.

Mas tudo que começa também acaba. O fim de semana acabou e era hora de voltar pra casa e para as vidas normais. Mas os irmãos, principalmente, adoraram esses dias. Mesmo com os pais juntos e não poderem dormir no mesmo quarto para não levantarem suspeita, era bom ter a companhia do papai e da mamãe algumas vezes.

Os dias se passaram até que chegou o dia do tradicional baile à fantasia da faculdade. Zeque e Tommy resolveram vestir as fantasias que um havia dado a outro. Tommy iria de soldado espartano e Zeque de toureiro. Era a forma de lembrar dos desejos que um sentia por outro quando os dois sonharam dormindo juntos.

Chegando ao clube onde iria rolar a festa, Os irmãos presenciaram um festival de fantasias. Desde os tradicionais Chapeuzinho vermelho e Batman, até as mais extravagantes que pareciam de destaques de carro alegórico de Escola de samba.

Cada um que via Zeque ou Tommy fantasiados, paravam para elogiar e dizerem que eles eram os caras mais encantadores da festa. Mas Tom e Zeque ficaram atraídos com alguém vestido de guerreiro Maori. Assim que o Maori se aproximou dos dois, viram que era alguém muito familiar. Era o Dr.Johnny, ex aluno do curso de medicina da faculdade. Johnny, também, elogiou os dois com suas fantasias.

- Vocês estão um espetáculo, caras. Gostei da fantasia de vocês.

- Obrigado, doutor. (disse Tommy) Você também tá bem fantasiado.

- Valeu Tom.

Antes de sair, Johnny perguntou se Zeque poderia acompanhá-lo até o bar.

- Quer ir lá no bar comigo, Zeque?

- Claro. Tava indo pegar uma cerveja. Quer uma também, Tom?

- Pega uma pra mim, por favor? Aproveito e vou lá no banheiro.

A festa rolava madrugada à dentro. Até que Zeque fez uma proposta um pouco provocante ao irmão.

- Quer ir comigo num lugar mais reservado?

- Já tá tarde, mano. A gente não avisou o papai e a mamãe.

- Relaxa. Eu já liguei pra casa e disse que iriamos dormir fora.

- Aonde?

- Vem comigo.

Os dois sairam da festa à francesa e pegaram o carro a fim de ficarem mais reservados.

Zeque levou Tommy a um motel próximo ao clube. Assim que chegaram à garagem do quarto. O irmão mais velho pegou seu irmãozinho e o carregou em suas costas até a cama.

Zeque, ao jogar Tommy na cama redonda do motel, ficou em cima do irmão e com a réplica da espada da fantasia de toureiro ficou brincando com o irmãozinho passando-a pela armadura da fantasia de soldado.

- Hoje o toureiro vai domar o touro, hermanito!

Tomny virou Zeque e ficou em cima do irmão. Pegou a espada de mentira de sua fantasia e, também, brincou com o irmãozão.

- Mas eu acho que Perseu vai lutar contra o Kraken e salvar Andrômeda do sacrifício.

Zeque rolou, novamente, na cama e ficou em cima do irmão. E os dois começaram a beijar ardentemente na boca.

Depois de uns amassos na cama, Zeque abriu um pouco o ziper da camisa da fantasia e deixou seu peitoral definido a mostra.

- Quer ir comigo lá no ofurô, maninho?

- Vai na frente. Vou tomar um banho pra relaxar.

Zeque tirou a fantasia e entrou na banheira quente. Tommy saiu do banho e, com uma toalha enrolada, o viu relaxando com os olhos fechados. Tommy tirou a toalha e, sem que Zeque percebesse, entrou no ofurô e sentou no colo do irmão.

- E aí gato. Relaxando um pouco?

- Que fofo você sentadinho no meu colo, Tom.

Tommy, rapidamente, pôs o dedo nos lábios do irmão e começou a beijá-lo.

Os beijos esquentavam mais que a água do ofurô. Tommy resolveu inovar e, submersamente, coneçou a chupar o pau de Zeque.

O irmão mais velho, ao invés de delirar, ficava mais relaxado com essa surpresa do irmãozinho.

Tommy, pra recuperar o fôlego, voltava a superficie e beijava os lábios e a língua do irmão. Isso já durava umas 4 ou 5 vezes até que Zeque se levantou e sentou na borda. Tommy se alternava entre o pau e as bolas do irmão.

Desta vez, Zeque levava uma de suas mãos até seus cabelos, a modo de ajeitar o embaraço causado pelo borbulho da água do ofurô.

Entretanto, Zeque não resistiu a chupada do irmão e despejou o jato de porra na boca de Tommy. Com a boca lambuzada, Zeque beijou o irmãozinho, que também tinha perdido o fôlego. Após limpar a boca de Tommy e dele, com uma mangueirinha ao lado da banheira, os dois continuavam a trocar beijos na banheira a fim de relaxar.

FIM DA PARTE 7


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Dpanaiotis a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
12/03/2015 00:47:28
DMS esse capitulo,to amando cada vez mais... Nota mil pra vc
11/03/2015 09:47:22
Eu só quero avisar ao usuario "macho disponível" que fica dando 0, de propósito não só a este conto como em vários outros. Se é "vingança" por sua conta ter sido excluda pelos donos do site devido a essa atitude, pode ficar tranquilo porque eu não vou te denunciar. Pois a tua atitude, além de se parecer de uma criança mimada porque vc é,não me atinge. Pois a maioria está adorando esse e outros contos que eu público. Se vc ñ consegue escrever bem, eu não tenho culpa. Até pq vc fica atrás de um computador se achando o foda, mas vc ñ passa d um fracassado q só quer avacalhar os outros. Peço desculpas as outras pessoas q leem as mensagens, pois ñ podia deixar isso à limpo.
09/03/2015 17:22:16
Cada dia eu me apaixono mais pelo seu conto! Beijos.
09/03/2015 12:43:48
Cada dia eu me apaixono mais pelo seu conto! Beijos.

Online porn video at mobile phone


niha xoxota ta melada xvideiscontos erotico minha sobrinha veio em casavideos nacional gritos e gemidps de homens passivos embaixo dos machos caralhudosporno comel a sogra emxeridavideocurto brasileiro de corno humilhadoMulhertaradaporcavaloeu sento no seu pau voce mim abraca e mim beija gostoso pornotia submisa dan a busetagozando e arfando de prazer no cu xvideoscasa precizando de cazeirocontos eroticos gay meu tio de vinte anos me comeu bebado quando eu tinha oito anosquero ver Naiane novinha gemendo na rola bem grossa perdendo o cabacinhoBaxa.sex.de.menina.guniada.de.tanto.fude.sua.busetinha.cabiluda.contos eroticos de mulher fazendeiraencanador do pau cabecudo comendo o cu da dona de casagarotinho loirinho de treze anos se descobrindo que e gay e tranza com seu irmãozinhocontos as calcinhas da minha sobrinha branquinhacasa dos contos eróticos dei para meu filhocomo faser chortinho de praiacowboy velho gay contoseu e minha amiga fomos iniciada na zoofiliabaiana fragada gostandocontos de mulheres defecando em seus parceirospornohub sou louca por zoofiliasas morenas mais top do grelo bem roxinho transando no XVídeos bem gostosobobiça no mato xxxcuzinho mulher no comando rebola analxvideocomendo pulsoVamp19-(Capitulo-01)-CASA DOS COBTOS EROTICOScontos da cona esporradaxvideo porno gay guarda chama prisoneiro pra tocar punheta até goz contos eroticos.virei viadinho no consolo da titiaporno vidio Avo cumendo aneitanovinha toda manhosinha sem querer ozadia mas n aguento e foi po quartoxvideo novinha negra sendo devorafa pelo negaocache:q9F574EmG_EJ:zdorovsreda.ru/texto/201511582 contos trepo com a sogra todo dia na casa delataradao fode esposa na frente da amiga que quer tanbem.comgatas sex tirando calcinha bem devagar e exitandocontos erótico provoque meu padrasto mostrando minha bucetinhairma dormondo com o.pau do irmao na bova pornodoidojapinha com carinha de anjo perdendo o cabacoconto eurotico casal pescano com amigo beldoVidios porno mulher centa na agua friaxvideos dificil pra vc lukaver video de jigantão arobando o cu do novinhox videos enpurou no lekemorena dos lábios carnudos e do rabetão xvideo.comXVídeos mulheres de baby doll calcinha quando a pele já mostrando para os visitantessafadezas com meu cunhadinhoassistir porno de neta dormindo e sendo acordada com lingada na boceta e peitopornodoido mulher ve o marico comendo sua filha e resolve se vingar com entiadoxvideos divaga nao vo ti regassacontos eróticos fiz macumba pra comer a mulher do meu cunhadonovinha aser estuprada com padrasto aser disvirginado encuanto dormeXsvideos timida depilando o super dotadoquero ver loiras e morenas d********* bem gostoso e arrombando o c* bem arrombado mostrando bem arregalado o c****** e de fio dental bem gostoso preto vermelho branco azulcintilografia da Simone transando com seu maridowww.porno zoofilia.com/contos dando buceta virgem dois cavalos?meu padrasto chupanva quando contosrápido mamãe tà chegando putariabrasileiracontos eróticos incesto mae filho exército porno mulheres q bota sainhas curtinha para pega onibus lotado sopara ser fufidapai pega filha dormindo e chupa o cusinho e soca o pau fortecontos eroticos casada q pau em tambaba e fala pra maridoconto erótico buceta azedinhaxividio vo come teu cu bem devagabaixar clip 16 .com porno mulher mini saia no metro mete a mao na calcinha delavideos nacional gritos e gemidps de homens passivos embaixo dos machos caralhudosputas peladas meladas de margarina no cuxivideo com mulhe senta na cosolo e gosa no cuarregasado a buceta com muita velocidadesogra ver o pau genrro nao recisti pornodoido