A Vida & Morte De Renato - Capítulo 23

Um conto erótico de Matheus N
Categoria: Homossexual
Data: 06/04/2016 17:01:00
Nota 9.89

Boa Tarde... Rsrsrs.

Bem, pelo que parece, muita gente gostou do último capítulo, e eu fico muito feliz por isso. Eu tive medo de eu ofender a religião de alguém com aquelas palavras que Renato proferiu, mas vi que vocês sabiam que se tratava de uma história fictícia, mesmo que eu realmente daquela forma as vezes, mas em fim, cada um com sua religião, e tudo o que precisamos é de respeito mútuo, porque assim podemos viver em um mundo melhor.

Sobre postar nos finais de semana... Eu decidi que irei postar no sábado, mas não é sempre que irei conseguir, então se entrarem aqui e não tiver capítulo novo, me desculpem, mas vou fazer o possível para adicionar um novo capítulo na parte da tarde do sábado, assim como vou tentar responder os comentários da sexta, mas novamente, sem garantia.

No mais, espero que possam gostar do capítulo de hoje, e que comentem. Um beijão pra vocês.

OBS: Estou postando ‘Comum & Extraordinário’ no Wattpad. Quem quiser me dar uma força, vai lá e vota... E eu criei uma capa para a história, então se estiverem curiosos, passem na minha conta ‘@matheusn1992’ ou simplesmente procurem pelo título.

― AllexSillva: Eu também chorei ao escrever algumas partes. Rsrsrs. Beijão, e obrigado.

― Regi1069: Obrigado. Rsrsrs. Infelizmente você está certo. O mundo está repleto de gente bitolada que se deixa levar pela palavras dos outros e pelo medo do desconhecido. Vivemos em tempos onde a religião predomina, e vai chegar um dia que isso será insuportável, por mais que possa parecer exagero... No mais, obrigado pelo comentário.

― Rose Vital: O Renato nunca foi de se impor, de dizer o que pensa. Ele sempre guardou tudo dentro de seu peito, bem no fundo de sua mente, e foi com Rodolfo que ele começou a soltar suas palavras, e com motivo, mas com o Yan foi diferente. Ele simplesmente contou toda a sua vida para um novo estranho sem entender o porque, e percebeu que no caminho ele acabou machucando o outro, e por isso se sentiu mal... As vezes a lavagem cerebral é tão profunda, que a pessoa fala sem ao menos pensar. Infelizmente a religião é algo perigoso, e quem não tiver a mente feita e forte, vai se deixar levar por tudo o que lhe disserem... Rrsrsrs. Obrigado pela preocupação. Vou ver se consigo postar nos sábados a tarde, mas não prometo nada. Estou realmente precisando de um tempo para tudo isso, mas não estou conseguindo... No mais, obrigado mesmo pelo comentário e pela atenção. Um beijo.

― rodrigopaiva: Sim, falar de religião é realmente um tabu, ainda no nosso país, que é dominado por lideres religiosos que não sabem o que falam... Eu também fui de família evangélica. Frequentei a ‘Maranata’ até meus onze anos de idade, e depois disso, passei a ter dúvidas sobre a religião, sobre o que diziam lá dentro, e então me descobri gay, e vi que eu não poderia fazer perguntas e ter as respostas que eu queria, então acabei me afastando, e hoje vejo que fiz o certo... Sim, você está certo. Existem muitas pessoas como o Yan, infelizmente. Essas pessoas se deixam levar por tudo o que o pastor diz, e como muitos deles distorcem tudo o que o mundo mostra, acabam sendo perigosos para pessoas que tem a mente fraca... Eu sei. Rsrsrsrs. Nem todas as igrejas são assim, eu apenas optei por relatar uma experiência ruim dentro dela, não que todas sejam dessa maneira... Eu também conheço igrejas que realmente ajudam, mas também conheço igrejas piores. Pra você ter uma ideia, aqui na minha cidade tem uma igreja evangélica onde os fieis arrecadaram dinheiro para dar um carro zero para o pastor, e tipo, até algum tempo atrás, essa tal igreja caia aos pedaços, e agora está aos níveis de uma igreja católica contemporânea, e vai saber de onde saiu esse dinheiro todo...

― FlaAngel: Obrigado. Rsrsrs. Um beijão.

― K-elly: O Renato passou por um trauma dentro da igreja, logo na primeira vez que ele entrou em uma, então o choque de realidade foi grande para ele, e por isso ele disse todas aquelas coisas para o Yan... No mais, um beijão.

― Oliveira Dan: Sério que você pensa assim? Talvez eu pense diferente por gostar do corpo masculino, seja ele de qual forma for. Sinto tesão pela anatomia masculina, pelos pelos, barba, traços, pernas, membro, bunda, então eu sempre acabo achando excitante todo o tipo de homem, até mesmo os mais gordinhos, assim como os mais velhos, e sim, estou falando de homens acima dos 50 e 60 anos, mas em fim... Rsrsrs. Sei como é. Não sou fã de tirar foto, muito menos uma selfie. Rsrsrsrs... Eu não faço a fina. Falo palavrão, mando se foder, sou ignorante as vezes, sarcástico, e sou assim com todo mundo, então... ‘DTF’ é vida tá, caladinha. Hahahahaha... Pode ler e reclamar o quanto quiser mesmo. Rsrsrs... E o qual o problema do textão? Eu amo textão. Hahahaha... Gente, beijo na bunda é uma forma de falar carinhosa pra mim. Falo isso pra um monte de gente e nem ligo... Eu estava brincando sua ousada. Hahahahahaha. Você já tinha me falado sobre os e-mails, eu só brinquei com a senhora. E eu nunca tive motivos pra ficar chateado com você, não motivos que eu conheça. Tem algo que queira me contar? Hahahahahahaha... Mas tipo, no seu Facebook você não tem amigos próximos não? Tipo, alguém que estudou com você, vizinhos, amigos próximos, primos... Fico feliz que tenha achado o capítulo interessante. Sim, desde que aja respeito mútuo, a calmaria prevalece, mas sabemos que não é assim que as coisas funcionam. Sabemos que a igreja não respeita os homossexuais, pelo menos boa parte delas, e apesar de elas alegarem o contrário, temos ciência de que não querem confusão, e por isso deixam escapar algo aqui e ali sobre respeitarem a nossa “Opção”. É por isso que eu digo para mim mesmo que homossexualidade e religião não andam de mãos dadas... E ‘Se arrepender para ser salvo’ é relativo, eu particularmente não acredito nisso, não tão profundamente. Eu me recuso a me “Arrepender” de ser gay para entrar no reino dos céus, então que eu vá para o inferno se isso for realmente verdade... Não acho que o fato de alguém usar drogas quer dizer que ele é um risco para a sociedade. Muitos usuários não oferecem perigo nenhum aos outros, e isso é um fato. Eu conheço pelo menos quatro pessoas que usam drogas e são seres completamente pacíficos, ou seja, isso é relativo. E é como eu te falei, o respeito deve ser mótuo. A partir do momento que o Yan começou a desrespeitar o direito de Renato de não querer ficar mais ali e o obrigar e voltar, Renato teve o direito de se defender e dizer o que realmente pensa. ‘A sua liberdade termina onde começa a minha’... Muitas pessoas acham que o poder vem do pastor, isso realmente acontece, e isso mostra o nível de lavagem cerebral que as pessoas fracas se submetem por vontade própria. Religião é algo perigoso, e se você não saber como lhe dar com tudo, vai acabar sendo enterrado no meio de tudo isso... E eu já usei isso em vários argumentos meus, mas acabo perdendo a briga quando o outro grita, até porque, é o que eles sabem fazer de melhor... E oi, já é quarta feira. Rsrsrsrs.

― Arthurzinho: Pois é. Muitas das palavras de Renato são minhas palavras. As vezes eu temo por expressar tudo o que eu realmente penso, mais aí me lembro que a opinião é minha, e pode ser que eu não esteja sendo completamente respeitoso com a religião dos outros, mas levando em consideração tudo o que conheço, tenho direito de expressar meus pensamento... Rsrsrsrs. Vou postar sábado agora, na parte da tarde... No mais, um beijão pra você, e obrigado.

― Hpd: Espero que tenha gostado. Rsrsrs. Um beijão.

―RAQU£L*-*: Eu sempre leio os comentários, e vou fazer o possível para o responder nas postagens de sábado, mas não garanto que vou conseguir... Sim, você está certa, qualquer coisa eu posso responder no capítulo de segunda, ótima ideia. Hahahaha... No mais, um beijão pra você, e obrigado por toda a atenção. Rsrsrs.

― flor de lis: Ele não aguentava mais guardar tudo dentro do peito. A única pessoa para a qual ele se sobrepôs e se defendeu até hoje foi o Rodolfo, e quando o confronto o atingiu outra vez, ele não conseguiu se segurar, e por isso, acabou se machucando, e machucando o Yan também, que até então estava bem em seu mundinho perfeito, sem saber o que realmente se passava a sua volta... Um beijão pra você também, e obrigado. Rsrsrs.

― Dudu206: Obrigado. Rsrsrs... Tratar de religião é algo realmente delicado. Infelizmente isso é um tabu, e pelo que parece, não se é permitido questionar essa parte da vida humana sem que sejamos marcados e taxados de Ateus, mesmo essa não sendo a verdade... Pois é. O personagem sempre teve as suas dúvidas quanto a existência de um ser superior, e por esse motivo aceitou ir a igreja, para ter suas dúvidas a prova, e foi completamente traumático pra ele... Sim, nem todas as igrejas são assim. Fui evangélico por anos, e tive que sair da igreja por começar a ter dúvidas de mais, e realmente, na minha igreja as coisas não eram dessa maneira, mas eu fui em muitas em que a situação era parecida, então quis trazer o lado “Não Visto” para a história... Sim, ele realmente exagerou, mas era isso que ele precisava. Ele sempre guardou seus rancores e seus medos dentro do peito. Ele sempre guardou tudo para si mesmo, e quando finalmente foi confrontado a respeito de tudo, ele não aguentou e simplesmente quebrou... E obrigado pela nota, fico extremamente feliz. Rsrsrsrs. Obrigado mesmo por sempre estar por aqui, obrigado mesmo... Hahahahaha. Pode deixar que eu vou postar, não se preocupe, mas quanto aos comentários, não sei se vou conseguir os responder, mas farei o possível. Um abração pra você também.

― Monster: Sim, a situação foi realmente conflituosa entre os dois, e depois de tantas palavras duras, espero que o Yan fique bem e que deixe sua mente se abrir para um novo mundo... Um abração pra você também, e obrigado.

― Malévola: Hahahahahaha. Tá bom, vou começar a postar no sábado a tarde, por volta as quinze horas. Hahahahaha. Um beijão pra você, e muito obrigado.

Espero que o capítulo de hoje agrade vocês. Um beijão.

____________________________________________________

Quando chegou em casa, a primeira coisa que Renato fez foi se certificar de que Rodolfo estava ali, e ao constatar que o homem dormia e roncava como um porco no sofá, ele correu para o banheiro, ainda sentindo lágrimas não seu rosto, para se banhar.

Lá, debaixo do chuveiro, ele permaneceu por mais de meia hora, pensando em tudo o que havia acontecido na igreja e no extenso diálogo que teve com Yan.

Em sua cabeça, o jovem repassava toda a conversa, todas as palavras, até mesmo as que ele disse, e por fim, se declarou louco por ter dito tudo aquilo para alguém que ele nem conhecia direito, alguém que aparentemente nem se importava com seus sentimentos. O jovem se lembrava de tudo o que aconteceu, de tudo o que disse e de tudo o que Yan lhe falou, e ele não gostou nada.

Tentando esquecer o ocorrido, Renato pega o seu notebook, junto com o dispositivo móvel, e os inicia. O vídeo não demora muito a abrir, e assim que o faz, Renato vê Caled, o homem ruivo, sem barba, pela primeira vez, e então trata de esquecer, ou pelo menos colocar de lado, o que aconteceu mais cedo.

― Eu estou sem barba, eu sei... ― É a primeira coisa que ele diz ao aparecer no vídeo, passando a mão no rosto, como se soubesse da surpresa de Renato. ― Queria fazer algo diferente para você e deu nisso. ― Ele sorri, mas logo toma uma feição seria e ele começa com as informações. ― Eu te vi pela primeira vez no ano de mil oitocentos e oitenta e cinco. ― Ele para, esperando pela reação de choque do jovem, que não demorou. ― Sim, foi exatamente nesse ano, eu me lembro muito bem. Eu já havia abandonado minha família, deixando o castelo e estava vivendo em outro país. Eu caminhava pela rua, como sempre fazia na parte da noite, e de repente me deparo com a imagem de um jovem na minha cabeça, e eu sabia que era na minha cabeça, eu conseguia distinguir o que era real, do que estava a minha frente do restante. Eu te vi, sorrindo para alguém. Você vestia um uniforme e tinha uma touca na sua cabeça. ― Ele para e sorri. ― Não me pergunte o porque, como tive essa visão sendo que eu vivia em um passado distante, porque eu não sei, eu apenas tive esse pequeno fragmento de sua imagem. A segunda visão que tive foi vinte e dois anos depois, quando eu havia me tornado um professor em uma escola da cidade onde vivia. Eu tinha acabado de sair da sala de aula, indo para a sala onde os professores estavam, quando o vi, pela segunda vez, sendo agredido por seu pai... ― Caled para por um momento. ― Sim, como eu sabia que eu teria visões do próximo escolhido, como eu havia me lembrado do que o soldado na floresta me dissera, eu sabia que você era a visão do próximo, só que eu não tinha ideia do que fazer, de como proceder, porque eu não tinha ideia de onde você estava, e isso foi prosseguindo até o ano de mil novecentos e trinta e dois, quando tive uma terceira visão, durante um jogo de cartas em um belo cassino europeu... Você apareceu para mim outra vez, correndo de um lado pro outro, só que nessa visão você já caminhava entre os comuns como imortal. Nessa visão eu vi o que você fazia, o que você fazia para ajudar todos que podia, e mais uma vez, eu não soube como te encontrar.

Renato pausa do vídeo, tentando absorver tudo o que acabou de ouvir naquele momento. Outra vez, era surreal de mais acreditar em tudo aquilo que estava lhe acontecendo.

― A visão de número quatro ocorreu no ano de mil novecentos e oitenta e quatro, durante a minha passagem pela África, onde eu ajudei algumas pessoas. Nessa visão eu consegui ver você, e atrás do seu corpo, um pequeno calendário, e foi aí que parei para pensar, foi ai que vi que eu ainda não precisaria me preocupar, já que você ainda nem sequer tinha nascido. ― Ele sorri. ― Sei que é um choque para você, e eu também queria que alguém tivesse me explicado tudo, mas isso não aconteceu. Sei que estou contando pelas metades, mas infelizmente eu só conheço elas. ― Ele faz uma pausa para respirar. ― A quinta visão, ocorrida no ano de dois mil, foi a mais esclarecedora. Nela eu fiz o máximo para absorver todos os detalhes possíveis, como onde você estava, que roupa usava, e como se encontrava no restaurante, tudo o que tive que fazer era anotar o nome e aguardar o ano certo para te procurar, e nessa visão eu também tive outro vislumbre de quem você se tornou, da pessoa que estava ao seu lado... Não sei como vai encontrar esse homem, ou o que ele representará para você, mas tudo o que osso dizer é que na visão você o chamou de Yan. ― Renato pausa o vídeo outra vez, só que para ele tomar fôlego e respirar. ― Eu peço desculpas por não lhe ajudar mais em relação a isso, mas tudo o que sei é o nome dele, mas o estranho é que vocês pareciam se completar de alguma forma, como se estivessem juntos há bastante tempo. Eu consegui, mesmo em pouco tempo, ver o companheirismo entre vocês, o amor que cultivavam, e eu confesso que não entendi muito bem, mas você terá suas visões, então não precisa se preocupar. ― Ele para outra vez. ― Eu vou encerrar esse vídeo por aqui, tenho que gravar o próximo, e outra vez, não o veja agora, deixe pra mais tarde... ― Ele sorri. ― E não se preocupe, nem tudo nesses dispositivos móveis são vídeos. Há muita foto que eu tirei ao longo do tempo em que perdi... Você está com as únicas cópias. Toda a minha vida está nessa pequena caixa, então me faça o favor de honrar minha memória. ― Ele gargalha. ― Até mais Renato, um beijo... E antes que eu me esqueça, eu gravei esse vídeo depois que te beijei no carro, então eu realmente estou te mandando um beijo. ― Caled começa a rir outra vez, e isso faz Renato sorrir também. ― Até mais.

Quando fecha o notebook, sorrindo, Renato se dá conta de que seu futuro já estava traçado muito antes de ele nascer, e isso o faz questionar muitas coisas, coisas que ele não entendia, e provavelmente nunca iria compreender.

Mas depois de tudo, o que mais martelava em sua mente era Yan. Caled havia visto os dois juntos, há anos, e isso quer dizer que eles sempre estavam predestinados a se encontrar, ou seja, isso quer dizer que Renato teria que permanecer na cidade para encontrar um emprego no restaurante, que Renato teria que perder Leandro, que Renato teria que se entender com aquele homem de olhos verdes para eles seguirem para o futuro, futuro que ainda era incerto, já que essa parte ainda não estava explicada com perfeição, não em sua mente.

No momento em que Renato caiu na realidade, o alarme de seu celular estava despertando do seu lado, sobre o criado mudo.

Sem nem sequer estar cansado, ele se levanta da cama e vai até o banheiro, ignorando o barulho de despertador vindo do quarto ali perto.

Já debaixo do chuveiro, o jovem passa a juntar todas as informações sobre o seu novo ‘Eu’ e tenta processar tudo. Renato já sabia que sempre iria renascer por volta das três da manhã, sempre no mesmo lugar, não importa a onde ele estiver, se ele morrer, irá renascer onde morreu pela primeira vez. Ele sabia também que nunca ficaria doente, sob hipótese alguma, seja um pequeno resfriado, um vírus ou até mesmo o câncer, Renato nunca teria, e isso é o que o deixa mais aliviado, e com isso, vem o fato de ele nunca se machucar, fato que ele já comprovou várias vezes ser pura verdade. Outra coisa que ele sabia é que teria que matar alguém com suas próprias mãos para que se torne o próximo escolhido, e nunca tendo matado nada, nem sequer um rato de cozinha, ele se sentiu apavorado por ter que fazer, mas isso é uma coisa que ele teria que pensar depois.

Saindo do banho, com a toalha enrolada na cintura e o corpo parcialmente molhado, Renato tromba com Rodolfo, que estava de cueca, e novamente, bêbado.

― Aberração! Me deixa passar! ― Ele grita para Renato, que se faz de desentendido. ― Eu vi o que você fez!

― Você está bêbado, não sabe o que está falando.

― Eu vi! ― Ele grita outra vez.

― Você no viu nada! ― Renato sai e deixa o banheiro só para ele.

Depois de se arrumar e tomar o café da manhã, Renato caminha até o ponto de ônibus, onde novamente aquela mulher estava, seu encosto, a que havia testemunhado, a que havia falado poucas e boas na sua cabeça, e Renato, dessa vez, não tinha paciência para isso.

― Eu vi o show que você deu na igreja, que coisa feia. ― A mulher o reprova.

― Porque você não me deixa em paz e cuida da sua vida?

― Porque eu estou tentando salvar você.

― Me salvar? O que precisa ser salvo é o seu casamento. Então por favor, cuida da sua vida e para de se intrometer na minha. Você nunca fez nada para me ajudar, nunca, então não comece agora, porque não precisa. Só olhe para a sua sombra e não pise na minha.

― Eu só queria ajudar... ― Ela fala, se fazendo de ofendida.

― Mentira. ― Renato olha pra cara dela. ― Desde o começo, você nunca quis ajudar, nunca. Você mora do lado da minha casa, escutou o que meu pai fez comigo todos os dias, e nunca moveu um dedo para o denunciar, e quando resolve fazer alguma coisa é para humilhar e denegrir o homem que eu amava, homem que morreu em serviço tentando pegar um assassino que a maioria dos policiais dessa cidade não estão procurando, então continue achando que está ajudando, porque não está. Vai cuidar da sua família e me deixa em paz.

― Eu tenho pena do seu pai.

― Eu tenho pena de você. ― Renato fala, novamente a encarando. ― Eu tenho pena de uma mulher mesquinha sem nada na vida que tenta ofender os outros ao passar por cima deles. Eu tenho pena de uma mulher que não se separa do marido porque tem medo de perder a vida boa, e se você dizer que é por Deus e por seus filhos estará mentindo, porque você fica atoa dentro de casa o dia inteiro sem fazer nada e seu marido quem sustenta a casa, e pensando bem, ele tem todo o direito de trair você, que deve ser uma frígida. Então tenha pena do meu “pai” a vontade, porque se você realmente fosse uma boa pessoa não diria uma coisa dessas. Agora se me der licença, eu vou trabalhar, coisa que você deveria fazer. Passar bem.

Renato mais uma vez deixa outra pessoa sem ter o que falar. O jovem ficou em silêncio por tantos anos, se calou durante tanto tempo, que quando acordou, não parou mais de se impor perante ao que os outros pensam dele.

Para Renato, tudo bem não se importar com o que os outros pensam a seu respeito, mas a partir do momento em que dizem o que pensam na sua cara, isso é motivo para ele se defender, e o rapaz estava desempenhando seu papel de próprio defensor muito bem.

Se sentindo bem mais leve desde a última vez que esteve no trabalho, Renato pega a sua chave a abre a porta do restaurante, já se deparando com o cheiro de comida vindo da cozinha.

Depois que fecha a porta, ele caminha pelo local, a procurar de Pedro, mas não o encontra, então o jovem vai desempenhar seus afazeres e cuidar do seu serviço.

Ajudando os garçons a descerem as cadeiras e arrumar as mesas, ele conversa com todos, se sentindo novo em folha ao se comunicar com as pessoas a sua volta. Ele, de uns dias para cá, vem se sentindo confiante o suficiente para fazer tudo, ou quase tudo, e isso estava o ajudando muito.

Depois que Renato abriu as portas, passou a se preocupar com a ausência de duas pessoas, Pedro e Yan, que geralmente chegavam antes de o restaurante abrir. Mesmo estando preocupado, o jovem continuou a trabalhar, sorrindo para todos os clientes que entravam, mesmo não sentindo vontade para fazer tal coisa.

Na medida que as horas foram passando, mais sua preocupação aumentava. Como ele não conhecia os hábitos do Yan, não sabia o porque estava tão preocupado com o cara, preocupado até mais do que estava com Pedro, que nem um telefonema havia dado.

O dono do restaurante só foi aparecer por volta das sete da noite, preocupado até o último fio de cabelo.

A primeira coisa que ele fez ao entrar no restaurante foi o revirar a procura de alguma coisa. Olhou em todos os cômodos adjacentes, na cozinha, no escritório, e a medida que não encontrava, mais sua preocupação aumentava.

― O Yan não apareceu aqui hoje? ― Foi a primeira coisa que Pedro disse desde que chegou.

― Não... Ele ainda não chegou... ― Renato disse, temendo o que teria acontecido.

― Meu Deus... Onde meu irmão se meteu... ― Pedro estava visivelmente nervoso.

― Ele sumiu? ― Renato pergunta.

― Sim. Ele não apareceu na casa da minha mãe ontem... Ele está morando lá desde que largou as drogas. ― Pedro realmente estava preocupado. ― Eu já o procurei no antigo apartamento, na igreja, na minha casa, nos dois restaurantes, na rua, e nada. ― Renato começa a acompanhar Pedro, indo até o escritório e fechando a porta. ― Você que o viu por último ontem. Sabe onde ele pode estar?

― Olha Pedro, a última vez que o vi foi no estacionamento da igreja. Eu o deixei lá e fui embora.

― Ele não te levou em casa? Ele sabe que a cidade a noite é perigosa... ― Pedro para e absorve o que disse. ― Ele pegou o Yan, ele pegou... ― Pedro começa a se apavorar. ― O Yan... ― Ele derrama uma lágrima.

― Pedro, ei... ― Renato chega perto do homem.

― Isso não pode ter acontecido com ele, não pode... ― Ele começa a chorar.

― Ele vai aparecer, eu tenho certeza... ― Renato resolve se confessar. ― A culpa é minha...

― A culpa não é sua Renato, você não faria mal a ninguém...

― A gente brigou ontem. Eu saí da igreja chorando e acabamos discutindo no estacionamento. Falei tudo o que estava entalado na minha garganta... Ele deve ter ficado com raiva, não quis ver minha cara e por isso deu uma sumida, mas ele vai voltar, eu sei que vai. ― Renato se apegou as pequenas imagens que teve do seu futuro, onde um Yan diferente estava nela.

― Tomara que você esteja certo e que esse seja o motivo... ― Pedro abraça Renato, que retribui. ― Obrigado Renato. Eu não sei o que seria de mim sem você do meu lado, sendo meu braço direito. Obrigado por tudo...

― Não precisa me agradecer, estou fazendo meu trabalho... ― Renato sorri em timidez.

― Nós já ultrapassamos a linha entre funcionário e patrão há alguns dias. ― Ele dá um meio sorriso. ― Considero você de mais.

― Eu também considero você, e não se preocupe, ele vai aparecer, eu sei. ― Renato olha para a cara de abatido de Pedro. ― Vai embora, descanse, e qualquer coisa eu te aviso. Se ele aparecer aqui eu te ligo, pode ser?

― Sim, obrigado...

― De nada... ― Renato olha para o estado de Pedro. ― Você consegue dirigir? Está muito abatido, tremendo... ― Ele olha para as mãos de Pedro, que tremiam.

― Consigo...

― Você pode pegar um taxi? Por favor, por mim. Estou preocupado...

― Tudo bem... ― Ele diz, ainda tremendo. ― Estou nervoso...

― Eu sei Pedro, mas ele vai aparecer... Agora vai descansar, vai pra casa.

― Tudo bem. ― Ele sorri e se vai.

No momento em que a porta do escritório se fecha, Renato se sente extremamente culpado, em altos níveis.

Se ele não tivesse tido aquela discussão com Yan e não tivesse falado tudo aquilo na cara do rapaz, ele provavelmente estaria aqui hoje, trabalhando normalmente, e não em uma balança da desgraça, onde um lado pende para uma recaída as drogas e o outro para um assassinato a sangue frio. Por mais que Renato não quisesse pensar nisso, ele torcia com todas as forças para que fosse apenas uma recaída, algo que seria infinitamente melhor do que perder Yan, e só foi falar em perder que Renato se sentiu estranho outra vez. O rapaz lhe causa algo que ele ainda não sabia o que era, e não tinha certeza se iria descobrir tão cedo.

― Onde você está Yan, estou preocupado com você... ― Renato fecha os olhos, e em segundos, sua resposta chega.

Tudo o que Renato conseguia ver era uma casa abandonada, cheia de pessoas pelo chão, aparentando estarem fracas. As imagens em tons de sépia azul reforçaram a afirmação de que aquilo era uma visão, e sabendo do que Caled havia lhe contado, sobre Renato apenas ver o que acontecia com o próximo escolhido, o jovem teve certeza, dessa vez, que se tratava de Yan, que estava no chão, assim como todos os outros, e ele não aparentava estar bem.

Com sua cabeça em chamas, Renato tentava a todo custo prolongar o que estava vendo. Ele forçava a sua mente a continuar com aquele vislumbre, e isso fez com que ele fosse de joelhos ao chão, não sentindo dor, mas um extremo cansaço.

Quando Renato passou a ouvir um sino ao longe, sua mente passa a clarear mais ainda. Na visão era como se ele estivesse lá, então o rapaz tratou de expandir o horizonte, tentando saber onde estava, e quando conseguiu passar além da janela, soube que Yan estava em uma escola abandonada em frente a antiga igreja católica da cidade, localizada em um bairro de índole duvidosa, e sabendo a fama que o bairro tinha, o jovem sentiu medo, mesmo sabendo que nada aconteceria a ele, mas o medo não era exatamente por sua pele, e sim por Yan, que parecia estar em um péssimo lugar, e precisava da ajuda de alguém, de alguém que se importava, e por mais que Renato tente negar, ele se importava com Yan, e até o momento, não sabia exatamente o porque, se era pelas visões ou se estava se apaixonando pelo estranho, mas independente da resposta, ele faria de tudo para ir até aquele local e tirar Yan de lá, nem que para isso tenha que passar por situações de extremo perigo.

_____________________________________________________

OBS: Estou postando ‘Comum & Extraordinário’ no Wattpad. Quem quiser me dar uma força, vai lá e vota... E eu criei uma capa para a história, então se estiverem curiosos, passem na minha conta ‘@matheusn1992’ ou simplesmente procurem pelo título. Um beijão.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Matheus N a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/04/2016 21:41:41
Penso sim. Sou gordinho e ao menos no meu caso, sou bem mais bonito e sexy vestido do que pelado... Talvez seja porque tenho vergonha do meu corpo... Enfim. Ai, me esqueci que você gosta de um idoso hahahahaha. Selfie... Sinceramente não sei como as pessoas tem paciência pra isso. Qual a vantagem de textão?. Ahhhh lá, "falo pra qualquer um" Deus que me livre chegar perto dessa boca hahahaha. É mesmo, eu te falei meus motivos... Esqueci completamente disso hahaha. Meu filho, eu faço tanta cagada nessa vida, a maioria sem querer, que já peço desculpas ao menor sinal de "conflito". É "o que aprendi com a vida" hahahahahahaha. Olha, até tenho que te falar uma coisa, um segredo aliás: "Daniel" é um pseudônimo, não é meu nome real. Por isso não tenho pessoas próximas a mim no fb (o que pra mim é uma vantagem, assim não aguento indireta de um amigo para outro e acabo no meio do "fogo cruzado" hahahahaha...). Eu sei, eu sei, é quase uma utopia acreditar em liberdades individuais no mundo atual, mas né, é preciso ter esperança em algo hahahaha. Foi como eu disse: assim como acho errado o Yan e o pastor obrigarem o Renato a contar sua vida, acho errado que este, ainda que tenha sido provocado, questione a fé alheia. A meu ver os 3 estão errados, ainda que em graus diferentes. "Compreendo as motivações, mas não concordo com a atitude" (gente, pareço um velho falando hahahahaha). Quanto à igreja não respeitar os gays: as bee também não respeitam a Igreja, o Cristianismo e seus símbolos (ou fazer caricatura de Jesus sendo estuprado por soldados romanos é respeito? Já ouví caso de mulher (se não estou louco era lésbica) se masturbando com crucifixo como forma de protesto. Isso é respeito?), logo, também não são santas como querem passar. Tenho que discordar. Veja: pelo menos a maioria dos usuários de drogas que já ví, roubam para manter o vício e cometem outros crimes sob efeito de entorpecente. Isso acontece com o álcool também, embora ninguém saia roubando para manter o vício, visto que você encontra bebida em qualquer lugar (mas isso não abre precedentes para legalização de drogas, ao contrário: deve-se combater é o uso de bebida alcóolica assim como se fez/ faz com o cigarro). Logo, se uma substância pode alterar o comportamento de uma pessoa, tornando-a instável e capaz de cometer crimes, é justo que seu usuário seja visto como um "perigo à sociedade". Ainda mais quando isso varia com a frequência de consumo e tipo de droga. Mas, enfim, essa é só minha opinião conservadora hahahaha. Olha, e tem pastor que realmente se acha um super-herói, só falta a roupitcha de lycra marcando "as partes". Alguns já tem até nome pronto: o super-boçal hahahahahahaha (isso me lembra uma esquete do Tá No Ar: se não me engano era "o quarteto fanático" hahahaha). Religião é doutrinação, não tem como separar. Aliás, a própria definição de religão, segundo o dicionário Aurélio, é: "manifestação de crença pela doutrina e rituais próprios". A diferença é que, algumas doutrinações são mais radicais que outras hahahaha. Sobre essas pessoas que gritam: a vontade de fazer engolir os dentes é grande, né? Hahahaha. Pois é menino, passou rápido... Isso me faz pensar que daqui a pouco já é Natal, acaba a porra do ano e volta a porcaria do carnaval... "Triste, muito triste". Ahhhhhhhhh lá, o Renato foi criticar o Yan, destruiu suas crenças e este voltou à única coisa que conhecia como libertação: as drogas. Tsc tsc.
07/04/2016 08:37:26
Vizinhas(os)como a do Renato há aos montes, se pegam nas aparências e acham mais fácil falar e querer tomar conta da vida dos outros e por comodismo sentam encima do próprio rabi ao invés de viverem as suas vidas e serem felizes praticando o bem. Theus, posso estar me enganando, mas não acho que o Yan é o escolhido para receber a "imortalidade", não achei palavra melhor rsrsrs, penso que ele e o Renato tem uma história de vidas passadas e que nesta eles precisam resgatar e sanar tudo de errado a começar com Renato resgatando e ajudando o Yan junto com o Pedro a largar o vício e o tirando do local onde ele se encontra, e livre do fanatismo que lhe foi infringido. Ansiosa pelo próximo. Bjs e abraços
07/04/2016 00:06:04
Que caps viciantes , que cheque longo o proximo
06/04/2016 22:21:20
Matheus estou chocado que não percebi que era tua nova história!!!! Menino o que é isso que tu criou?????? Passado com todo o enredo da história, desde Leandro fofo, que tinha tudo para fazer o Renato feliz coma possível fuga deles dessa cidade louca. Fiquei in Love na parte que a mãe dele expulsou a piranha da viúva esposa do filho do cemitério e falou que Re fazia o filho dela feliz. Que pai desgraçado/filhodaputa/doentio/desprezível/nojento/imundo é esse pelo amor em????? Alguém que se passa para abusa do fílho quando tinha 13 anos e além de tudo a criança inconsciente, afff fiquei tão possuído de ódio, e o pior é saber que na vida real existem pessoas que fazem isso com quem elas devim cuidar e defender por natureza, me deixou bem chocados em diversas partes como esse ser humano pode ser tão filho da puta. Caled meio que foi uma coisa boa e ruim para o Renato, pois isso que acontece com ele agora é meio que uma benção ele não se feri com todas as agressões que ele sofre, porém tbm se torna uma coisa ruim, pois como ele mesmo disse ele verá pessoas que ele ama irem embora. Pelo que imagino Yan não será o próximo escolhido e sim o grande amor do Renato "Espero que assim seja rsrsrs", por isso que ele tem todas essas visões com ele. Os patrões dele meio que se tornaram fadas madrinhas dele, pois a mulher deu um banho de loja ao ponte de quando ele e vestir para o primeiro dia de trabalho pela primeira vez se achar lindo e falar isso em voz alta. E Essa de existir um psicopata na cidade, louco para saber quem é. Menino fiquei tão feliz com teu retorno sabia, queria ter visto antes que era tua nova história, sim história pois o que tu faz fica longe de ser um conto. Parabéns por toda essas brilhante criatividade que vem de ti garoto. Ansioso para chegar sexta e poder lê a continuação.
06/04/2016 21:23:48
soh quero que sexta chegue logo, ansiosa pra saber como que Renato vai salvar o Yan...
06/04/2016 20:54:31
Realmente Renato tinha razão ao dizer que Yan é fraco, ele ñ aguentou ouvir a verdade e voltou as drogas pro mundo onde não existe sofrimento e dor pois é isso que é droga oferece um mundo falso onde tdo é lindo. Ancioso pelo próximo capitulo
06/04/2016 18:41:10
Genteee!! para tudo o Yan é o proximo escolhido??!!!
06/04/2016 18:03:50
ai capitulo perfeito lindo adorei Renato colocar essa mulher ridícula no lugar dela... fiquei com pena do Yan agora pelo que me parece voltou pras drogas....
06/04/2016 17:59:29
Meu Deus é de mais pra mim kkk não aguento esperar tanto assim. Fantástico ansiosa para o próximo.
06/04/2016 17:43:28
Estou completamente viciada nesse conto,anciosa pelo próximo capítulo..

Online porn video at mobile phone


CONTOS EROTICOS DE ZELADOR PIROCUDO COM MORADORA DO CONDOMINIONa china rapta crinhaça para foder com elas pornconto erótico minha empregadinha novinhareginagozandosexos de negues arregaçando xoxotasmorena jambo fio dental de brucos na cqmaaribjr/escritorPau duro na faculdade contosconto eroticos gay. saunaMeu padrasto comendo a vizinhaWWW.As Panteras.comcontos eiroticos leilapornvideos de porno hem arpmbando.a buceya da mulherVer mulheres deitada com a buceta sem calcinha e a bertinha saino galacontos eróticos de mulher pegando outra mulher no tremComtoseroticos cegredogozando denrfo do cu virgemaenchi for anel sexcontos eroticos de garotas gordinhas que tem um peitoes e bucetonas .e os pais amam pega essas garotas toda noitecdzinha gostosa para programa sp capitalgraças a um cano estourado comi minha irmãxvideo damçano de saimha sem calsinhafilha senta no colo do pai em busão lotado/casadoscontosvideo olhei peludo no banho deu vontade de chuparboyzinha n************ o c****** peidando e olhando para trásnegao desafia gostosa a nao cagarxerinho de xereca . aideliciavelhas coroas gostosas sentadinhas no colo sendo enrabadasmulhe lavado abuçetacontos eroticos de meninos no orfanatocontos sexo gay mendigosmulher faze do sabao segano boceta da outaquem foi marido de gêmerContos a empregada com fotosconto erotico tirei o cabaco da patricinha na marrapornodoidobrasileiro cuneteXvideo bilotinhopassinho dos pirocudos de bhApostareiacasada coroa video fotocorno secretoconto erotico rasgando o cuzinho das gsrotinhas muito novinhss a forçadeixou a irma com a buceta pingandoFlagrei minha cunhada loira evangelica na siriricaconheci a menina arranca a roupa dela fica pelada fazendo sexohospedagem anonima site:.rubumda grande fodendo caindo com perdas bambaForcei minha mae e ficar nua conto incestocontos cnn gay comi o flavinhoincesto com meu vô contosconto erotico velho taradoxvideos velho cequelado.gozando na boca da magrinhaeu quero ver a coxadinha acaba com a pica para fazer encostando nas mulher de calça compridaporno sem casaminhascomendo a sobrinha de 13 aninho conto eroticosprocuro um contos eróticos de pastor safado adora comer garoto novo da igrejasó loirinha magrinha a pererec do Chacrinhacontos eroticos freiramae.caga.no.casetao.d.fihlo.contoseroticominha esposa, trepou com um casal de negrospornodoido mulher sarra no pau dentro da cueca conto erotico tirando o cabacinho da entiadinha novinhapornor doido homem batendo poleta no banheiroencoxada e bolinada contos eroticosxvidos cumendo na iscolaContos gay crentinho cabacinhocontos eroticos casada lacrimeja de dor no cúchulezinho femininoabaixar a musica so vei comigo vc n vai si arrebederXVídeos m*********** a b***** a esfihasEncochada de calça espremidoMeu voyer filhoXVídeos vídeo pornô das panteras pai come a filha drogada muito doida de cocaínawww.contos eróticos.com.br. anal.cornoeu qeuro vidio di sexoBoquete gay com marginal agressivofudendo morena fofinha na mata caseiros coletâneabaixar filme pornô até mais tarde gataconto erotico brincando de pique escondeporno com novinha goszando na buceta na boca da outracontos eroticos estiprando a freira no coventoxxvideo vizinha veio estende roupacontos eróticos lesbicos strapon putinha vadia vagabunda fudermtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1negao picudo estrupou novinha nao aguentouxvideo.comXvidiocomendo a novinha sem.ao menos tirar o chorte dela novinhas e mulheres de blusinha degotada sem sutiã aparecendo os peitosdepoimento de descabaço bucetaMãeem sinaa filha chupa picatecido brilhoso pornttraveco falano vougosa na punheta