AS SAFADAS - PARTE UM

Um conto erótico de O BEM AMADO
Categoria: Heterossexual
Data: 11/02/2019 23:31:03
Nota 10.00

-Isso são horas de chegar em casa? – vociferei, irritado, assim que ela fechou a porta da sala – Posso saber onde você estava?

-O que é isso! – ela respondeu com irritação no tom de voz – Você agora, manda em mim …

-Em se tratando de safadeza, mando sim! – respondi ainda mais nervoso com a desfaçatez dela – E não me enrola! Onde você estava?

-Ah! Eu saí com umas amigas …, algum problema com isso? – ela devolveu com certo tom de ironia na voz.

-Problema nenhum, não fosse esse vestido! – respondi, quase perdendo o controle.

-O que é que tem esse vestido? – ela devolveu, com mais ironia na voz.

-O que é que tem? Olha só esse decote? – eu respondi em tom agressivo, me aproximando dela e puxando o decote para baixo, quase deixando à mostra seus seios.

-Para com isso! Quem é você para me chamar a atenção! – ela retrucou, recuando e segurando a alça do vestido.

Com o sangue fervendo nas veias, encarei os olhos de Violeta, e em seguida, eu a segurei pelo pulso, puxei-a com força, atirando-a sobre o sofá; e meu gesto abrupto foi tão enérgico, que Violeta, além de surpresa ficou assustada. Respirei fundo, tentando me acalmar …, mas, o que eu vi em seguida, deixou-me furioso.

-O que é isso, Violeta? Você está sem calcinha? – perguntei quase aos berros – Você saiu de casa assim …, responde, sua oferecida?

-Ahnnn …, não sei …, não me lembro – ela respondeu com uma ponta de medo nas palavras – Acho que não …

-Você acha que não? Como assim? – inquiri, sentando-me ao lado dela no sofá – Se você saiu sem ela, foi de propósito …, bancando a puta fácil …, se a perdeu em algum lugar …, encontrou um macho pra foder …, sua puta!

Violeta encolheu-se no sofá, cruzando as pernas para esconder sua nudez nas partes íntimas, e me olhando com um olhar perdido. Pus-me perto dela, segurando seus cabelos ruivos, longos e cacheados, entre os dedos e puxando-os com firmeza; Violeta tentou reagir, mas quando puxei com mais força ela limitou-se a reclamar: “Não faz isso …, está doendo!”.

-Deixa eu ver isso aqui! – eu disse, enquanto escorregava a mão entre as pernas dela, separando-as com firmeza – Vamos …, abre as pernas que eu quero ver …

-Quer ver o que? – ela perguntou, resistindo em descruzar as pernas e segurando seus cabelos para amenizar a dor.

-Quero ver essa buceta de puta! – respondi, puxando a perna como violência.

Violeta ainda tentou resistir, mas eu forcei o movimento, abrindo as pernas e enfiando os dedos na gruta dela; ela ainda tentou fechar as pernas novamente, mas eu puxei seus cabelos com mais força, e ela se deu por vencida (pelo menos naquele momento). Dedilhei entre os grandes lábios e não demorou para que eu sentisse a umidade quente que ainda escorria de seu interior.

-Você é uma puta mesmo! Olha só isso! – eu gritei, enquanto tirava a mão da buceta e esfregava no nariz de Violeta, que tentou desvencilhar-se de mim.

-Para com isso! Você está me assustando! – disse Violeta com uma rusga de medo em sua voz.

-Então, fala pra mim, sua puta! Fala a verdade! – eu gritei puxando ainda mais os cabelos e tornando a dedilhar a buceta melada dela – Fala logo! Você foi foder com algum macho, não foi …, quem é ele! E não mente pra mim!

-Não! Não é isso! – ela retrucou, ainda com medo – Foi na balada, com as amigas, tomamos umas a mais e daí …, eu não resisti! Estava precisada …

-Precisada? Precisada de que? – eu insisti, metendo o dedo dentro da buceta melada dela – Precisa de uma rola? É isso? Fala, sua puta!

-Sim …, sim …, eu queria uma rola dura e grossa! – ela respondeu, dando-se por vencida – Agora, por favor …, para com isso …, esse dedo …, você não pode …

-Está excitada de novo, putinha ordinária? – eu perguntei, enfiando e sacando os dedos do interior da vagina melecada dela.

Desta vez, Violeta não respondeu, mas seus gestos lânguidos e sua resistência frouxa eram a resposta a minha pergunta. Comecei um dedilhado furioso, vasculhando toda a região e enfiando dois dedos no interior daquela buceta melada; Violeta tentava resistir, mas quando esboçava gestos nesse sentido, eu puxava seus cabelos e enterrava os dedos em sua vagina, fazendo-a quedar-se vencida e excitada.

Com outro movimento brusco, puxei a parte de cima do vestido dela, pondo a mostra seus seios redondos e bicudos; passei, então, a apertá-los com força controlada, ao mesmo tempo em que socava os dedos na boceta alagada de Violeta, que contorcia-se, tentando demonstrar uma resistência ausente, uma vez que seu olhar e seus gemidos denunciavam outra coisa.

Soltei os cabelos dela e peguei-a pelo pescoço com um aperto firme; Violeta nada disse nem fez; saquei os dedos melados de sua vagina e levei-os até os lábios dela, esfregando-os suavemente.

-Lambe, sua puta! – ordenei com um tom mais autoritário, porém sem fúria – lambe e sente o gostinho de buceta melecada …, lambe! Sente o gosto da porra que restou depois de você foder com um safado qualquer! – apertei um pouco mais seu pescoço, deixando claro minha intenção..

Violeta olhou para mim e certificou-se de que eu não estava para brincadeiras; lentamente, ela passou seus lábios pelos meus dedos úmidos, passando a lambê-los com cuidado; forcei para que ela os chupasse, e Violeta, dando-se por vencida, começou a chupá-los com enorme sofreguidão.

Aquela cena, causou-me um profundo impacto e, sem aviso, senti meu pau endurecer vigorosamente! Acho que Violeta também notou a minha excitação, já que minha rola esticava o tecido da bermuda.

Ainda apertando o pescoço dela, liberei a outra mão e pus minha pica para fora, exibindo-a para ela. Subi sobre o sofá, e tornei a segurar Violeta pelos cabelos, aproximando minha rola de sua boca.

-Gostou de foder, não é? – afirmei entre excitado e irritado – Então, agora, chupa minha rola, sua vagabunda! Chupa, que eu estou mandando …

-Não, por favor, não faz isso! – ela disse em tom de súplica – Eu não quero! Eu não posso …

-Oferecer a boceta para um safado qualquer, você pode? – vociferei, esfregando a glande nos lábios dela – Mas, chupar minha rola, você não pode! Vai chupar sim! E vai chupar direitinho …, entendeu?

Hesitante, Violeta entreabriu os lábios, lambendo a glande com a ponta da língua, num gesto bastante tímido; eu não lhe dei trégua e empurrei a glande contra sua boca, obrigando que ela aceitasse minha exigência; demorou algum tempo, mas logo, Violeta chupava meu pau com uma dedicação insana; entre chupadas e lambidas, ela me encarava, e seu olhar me transmitia uma sensação de domínio e de entrega.

Comecei a enfiar a rola na boca dela, sacando e tornando a enfiar, sem que Violeta demonstrasse alguma resistência; e não foi difícil perceber que, naquele momento, ela estava tão excitada quanto eu.

-Hummm, que pau delicioso! – ela disse com voz engasgada – Quero ele pra mim!

-Quer dizer que você gostou, né, vadia! – respondi, socando a rola em sua boca quase até as bolas – Então chupa, sua puta! Chupa direitinho, entendeu?

-Mas …, mas …, não podemos fazer isso …, para, por favor – ela suplicou quase em ar com minha rola em sua boca.

Não dei ouvidos a ela. Aliás, eu não ouvia mais nada apenas sentia a boca de Violeta engolir e cuspir meu pau, com movimentos cheios de desejo; ela se demorava em minha glande, apertando-a suavemente entre os lábios denunciando a sua excitação em me ter em sua boca. Por algumas vezes, eu enfiei a rola em sua boca, quase tocando sua glote e fazendo-a engasgar, e mesmo assim, Violeta deliciava-se com aquele sexo oral.

Eu apertava as mamas firmes dela, beliscando seus mamilos durinhos e convidativos, vendo em seu olhar um imenso tesão que extravasava de seu interior como uma onda que há muito estava reprimida. E depois de receber uma chupada homérica, eu decidi que aquele momento não podia ficar perdido em sua própria razão.

Imediatamente, saquei a rola de sua boca, e empurrei-a com força para que ela ficasse deitada sobre o sofá; sentindo-se indefesa, Violeta não reagia mais e seu olhar era o olhar de uma fêmea no cio! Despi-me às pressas, exibindo minha nudez para os olhos gulosos dela, e sem perda de tempo, me joguei sobre ela, arrancando seu vestido quase ao ponto de rasgá-lo.

Subi sobre ela, segurando minha rola com uma das mãos e jogando meu corpo contra o dela …, Violeta estava excitada, é verdade, mas também estava temerosa …, assustada com o que estava por vir; ela ainda tentou resistir fechando as pernas, o que eu bloqueei com meus joelhos, causando-lhe uma certa dor.

-Não, por favor, não faz isso – ela balbuciava a súplica entre tesão e lágrimas – Isso não pode acontecer …, não pode!

-Cala a boca, vadia – sussurrei em seu ouvido, enquanto enterrava minha rola lentamente em sua boceta quente e úmida – Agora você vai sentir o que é um macho fodendo uma cadela como você …, e não adianta chorar …, eu sei que você está gostando …

-Sim! Sim …, estou gostando – ela acabou por confessar com a voz embargada e miúda – Não aguento mais! Vem! Me fode bem gostoso …, bem fundo …, me faz sua puta …, sua fêmea …, me fode!!!!

Tomado pela insensatez do momento, comecei a golpear com mais força e profundidade, até ouvir o primeiro gemido mole e longo, denunciando que Violeta chegara ao orgasmo; prossegui fodendo aquela boceta como se ela me pertencesse há muito tempo …, e a cada novo golpe, eu ouvia o sinal de um novo orgasmo! Foi algo tão envolvente que eu não pensava em outra coisa, senão foder aquela mulher por horas a fio …, e assim ficamos nos perdendo na lagoa feita de gozos, suor e saliva em nossas bocas ávidas por beijos que já não tinham mais fim!

Chegamos ao limite de nossos corpos, com o suor pingando e escorrendo entre nós, e a pele de um deslizar sobre a do outro. Violeta e eu já perdêramos a conta de seus gozos, e ela já não tinha mais controle sobre seu corpo e também sobre sua vontade, pois esta última era comandada pela força que eu imprimia aos golpes desferidos contra a sua boceta.

-Ai! Violeta! Sua puta! – eu resmunguei já sem ar – Não aguento mais! Vou gozar!

-Não! Isso não! Dentro de mim não! – ela gritou em desespero, tentando a todo o custo afastar-me de seu corpo.

Bem depressa, eu me levantei, segurando a rola com uma das mãos e gritando: “Vem aqui, sua puta! Vem aqui e engole minha porra quente!”. Controlando sua empolgação, ela ficou de joelhos na minha frente, abriu a boca e começou a massagear meus culhões, enquanto dizia: “Goza, seu puto! Goza na minha boca! Me enche com seu leitinho quente e saboroso!”.

A onda cresceu dentro de mim para, em seguida, explodir como um rio caudaloso de jatos quentes de esperma sendo lançados contra a boca, o rosto e os cabelos de Violeta. Eu olhava e sentia aquela ejaculação como se minha energia vital estivesse sendo sugada pela boca ávida de Violeta. Foi sublime!

Ao final, joguei-me sobre o sofá, enquanto ela se encostava na borda, deitando sua cabeça sobre minha coxa. “Ai! Que loucura nós fizemos?”, ela perguntou em tom de culpa.

-Nós fizemos o que deveríamos ter feito há muito tempo, mamãe – eu respondi fitando seus olhos ainda brilhantes – Da próxima vez, você não vai sair atrás de macho na rua …, agora, você tem um macho só seu dentro de casa!

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
27/04/2019 19:42:54
Você é o cara! Há muito tempo vem publicando contos maravilhosos. E este promete atingir o ápice. Quando comecei a ler, logo após jogar a Violeta no sofá e procurando me acalmar, por instinto, escapou da boca um ¨puh!¨. Ela chegou sem calcinha! Depois da transa excitante que deixou meu ¨secretário¨ duro, o final de fazer o leitor cair sentando: Esperando que a infiel fosse namorada ou esposa, a revelação de quem era ela. Parabéns!
20/04/2019 11:05:29
Muito bom seu conto
18/04/2019 01:54:02
Show , começou muito bem ...
16/02/2019 05:25:32
Muito bom, do comeco ao fim, nota 10 claro!
12/02/2019 12:05:28
Delicia de conto, minha esposa tb é bem putinha safada , confira nossas aventuras... Temos um blog para casais liberais: http://clubedosmaridoscornos.blogspot.com
12/02/2019 03:01:33
Que delícia continue

Online porn video at mobile phone


garoto punheteiro macumbeiro xvideocontos eroticos casada timida no cinemapornopai g filinha arteiracontoerotico namorada e mae putas do tio jorgeadorocuzinho cabacocontos eroticos.sou crente e putinha da buceta inchada.yaho tias vocês ja imaginario trasando com sobrinhosnovinha chupa uma jeba por R$10,00xvidreo neta maezoofilia no Congo pesadaxividio casada gozado convoltadeMeu tio me fodeu na pescaria contoeroticoxvidiomai gostoza do meu amigo deuxsvidio.as.pantera.jogando.bolamadrasta fagar estado batedor punhetacontos eróticos chantagiei o papai pra ele mim enrraba todinhaisso que apareceu no quer vir para casa vídeo de pornô se você não abrir Eu prometo te dei nesse iguasexobrasileirocavalopornosacana dando perdido em meu tiocasada escandalosa gosano e agradeseno corno pornodoidowww.xnxxesposa trail marido no carnaval.compiranhona sentando no casetao dotadoirmao pistoludo judia da irmacontos eróticos de zoofilia com entiadasCasa dos contos minha mulher falou que todos a comeram que eu sou cornoenteada. dormindo levando pica so de fio dentalpornogozando na irmazibha cacula xvideoxvideos baixo o ziper empurro a roladoce nanda contos eroticosfotos de negues comendo cu das casadas no motelNovinha de 18anos dando para um jardineiro com uma de 16centimetroaspanteras tio comendo sobrinha bem novinha escondidi da maeconto gay ele se revoltou e tomou todascontoerotico.com/comi a pastora da minha igrejacorno leva 2negoes pra tranzar com sua mulher e fica apavoradodespidida de solteiro e muito sexomlher batendo poeta para mim èmulher gostosagey novinho afeminado tem ate peitinho senta gostoso na pica do padraste geme rebola e adoravideos de sexo bruto gostosa na posiçao que intslei tudoos melhores contos de encochadas em evangélicas nos transportes publicoscontos gozei na boca da menina deficientecontos eroticos putinha desde pequena da mulecadatransei com a sobrinha no baile funk contorelatos erótico mais lidos Genros porno gay de irmaos e primos quadruploxvideos mulheres não alguedo leva na bucetapau extraordinariamente grande e grosso gozando dentro e arrombando a bucetinha apertadinha da menina novinharapaz com pau enorme na prai de nudismo no brasil e gostosa nao resiste e da p eletio empurra pau enorme na sobrinha que nao aguenta dez empurrada e goza de esguicharFaxineira e chefinho marcos contos eroticoscontos eiroticos leilapornmaiza e carolzinha trepanox vidios coroa coloca sonifero no cafe do sobrinhocaldo de buceta sujapegando a prima dormindo ai ela acorda e pede mais rolaxvideoscontos eiroticos leilapornpais bem dotado comendo filha fazendo ela gritar combuceta doendoxvideo cuidadora nisseicontos eróticos meu bundao está seduzindo meu filho As Panteras pornô padrasto fode enteadqenegao rascando roupa de mulheres brancas page 1 xxxxxtrali de filmis porno kinbengala com nifetasxxvidio em quadrinho mulher de primo caderante muito safadacontos eroticos esposa na baladameu padrasto me comeumim arroba com esse pau de borracha conto lespicopulheta cueca apertadaminha vadia aprontou comigo mas pago me dando cuConto erotiico meu cahoro mi estrupou quando era novinhamulher do Espanto dopando a mais gostosahistorias eroticas perdi minha virgindade anal e vaginalcontos minha tia nick 2Conto erotico tia dano cuzinho pro sobrinho titapapai ja estou pronta derrama na minha bucetinhano swing marido nao permite que metam na esposaporno mhnha mae e irma sao putas 1 contovídeo pornô a vovó Nininha arrancando a boquinha dela para chupar o pinto do menininhoSuruba inesquecívelxvideocontos eiroticos leilapornhttp://comto erotico onibus lotado encostando pau na bunda menina virgemDepois que fui p macumba virei lesbica contoscache:cB0rtZ1uQCMJ:https://zdorovsreda.ru/texto/2015051133 flagrei a empregada se masturbandox videosxvideos contosicestowww.contoseroticos fui viola por um mega caralhudoxvideo so tesuda zaradacontos eroticos casadas arrombadas por pauzudos super grossos e 25 cmcasa dos contos/turbo negrovirgens+perdendo+o+cabacao+da+buceta+e+do+cu++virgens