Virando Menina ... Lar doce lar

Um conto erótico de Gato Mocinha
Categoria: Homossexual
Data: 12/05/2019 20:00:07
Última revisão: 15/05/2019 12:42:50
Nota 9.83

(Continuação)

Quando a mamãe foi me pegar na casa da Juliana no sábado de manhã, eu estava com um jeans skinny bem justinho, uma camisetinha preta com decote em ve e um colete levinho lilás. Por baixo uma calcinha tipo tanguinha branquinha e nos pés uma rasteirinha preta com um detalhe em forma de lacinho no peito do pé. Chegamos na garagem do nosso prédio fomos até os elevadores. Entrei rápido e apertei o botão do nosso andar torcendo para o elevador subir sem paradas. A cada segundo meu coração parecia que ia sair pela boca. Uma coisa seria ser visto vestido de menina no prédio da Juliana, que era amiga da mamãe. Outra coisa, era ser visto vestido de menina onde eu morava. Eu olhava o marcador dos andares e a cada vez que atrasava para passar o numero do andar eu ficava nervoso, mas por sorte todos ainda deviam estar dormindo ou fazendo outra coisa em casa até que chegamos no nosso andar ... sai do elevador ainda de capuz e fui com a mamãe até a porta do apartamento. Olhava para os lados morrendo de medo que justo naquela hora algum dos vizinhos saísse e falei para a minha mãe abrir rápido. Ela apenas riu e disse para eu ficar calma.

Assim que ela abriu pulei para dentro do apartamento, me sentindo seguro de estar ali de novo. Olhava o apartamento como se quisesse reconhecer ele de novo e logo depois falei para a mamãe que ia tomar um banho para tirar logo aquela roupa. A mamãe apenas sorriu consentindo e disse que ia começar a preparar o nosso almoço. Fui até o meu quarto, aliviado de ver o video game, as bolas de futebol, vôlei, minha cama e, principalmente, meu armário. Abri meu armário e peguei uma cueca para mim, uma bermuda jeans e uma camiseta e fui até o banheiro. O nosso apartamento era um pouco menor que o apartamento da Juliana e tinha apenas um banheiro que eu e a mamãe compartilhávamos, mas a mamãe sempre tentava decorar ele de um jeitinho bem delicado e feminino.

Peguei minhas roupas e fui para o banho. Deixei elas sobre o balcão perto do espelho e comecei a tirar o coletinho, deixando ele jogado no chão. Abri o botão da calça jeans e comecei a tirá-la com dificuldade, sentindo ele descolar do meu corpo como se estivesse agarradinho na minha pele. Quando consegui, acabei olhando no espelho e me vi com a camisetinha preta bem justinha e a calcinha. Decidi olhar pela última vez como estava o meu corpo naquelas roupas de menina, e me virei de costas olhando meu bumbum no espelho. A calcinha, mesmo não sendo tão pequenininha, depois de tantos passinhos entrava entre as bochechinhas do meu bumbum e ficava enfiadinha. deixei ela assim mesmo e fui descendo olhando por cima dos ombros pelo espelho, empinando um pouco o quadril como se estivesse querendo me exibir, no caso para mim mesmo, e fui sentindo ela deslizando devagarinho pelo meu bumbum, coxas até deixar ela cair sobre meus pés. Por fim tirei a camisetinha e fui para o box.

Quando entrei no box, senti um arrepio subindo pelas minhas costas. Quando olhei para os registros do chuveiro, vi que a mamãe tinha deixado uma calcinha dela pendurada. Não era a primeira vez que tinha acontecido, aliás já tinha acontecido isso muitas vezes e eu nem ligava, mas considerando o que tinha acontecido comigo, parecia uma provocação. Dei uns dois passos e mesmo sentindo o tecido da calcinha ali, abri o chuveiro deixando a agua escorrer pelo meu corpo. Fechei os olhos deixando ela escorrer, mas mesmo assim não conseguia esquecer do que tinha acontecido e aquela calcinha no registro do chuveiro parecia me deixar mais e mais atormentado. Tentei esquecer e comecei a tomar meu banho. Lavei os cabelos com um pouco de shampoo. Depois um pouquinho de condicionador para ficarem mais macios. Deslizava o sabonete pelo meu corpo todo, peito, coxas, bumbum, quando passei ele no bumbum senti um arrepio de novo. Deixei a agua escorrer um minuto pelo meu corpo enxaguando ele todo. Meio encabulado peguei a calcinha da mamae e abri para ver como era. A calcinha era fio dental de renda preta, a lateral era só um tirinha, pequenininha na frente e menor ainda atras.

Ai, que mau tem né? Pensei comigo mesmo. O nosso banheiro não era como aquele da casa da amiga da mamae que não tinha como trancar e nem precisava por ela morar sozinha. Eu estava trancado no banheiro tomando banho e ninguém nunca ia ver eu experimentando aquela calcinha que estava ali, esquecida, um pouco molhada. Calcei primeiro um pé, o vapor da água do chuveiro quentinho me deixava "mais escondido". Depois o outro pé e aos poucos fui subindo a calcinha pelo meu corpo, sentindo ela subindo pelas minhas pernas, sem muita novidade. Quando passou dos meus joelhos e começou a subir pelas minhas coxas fui sentindo a renda deslizar e a medida que ia subindo, sentia ela mais justa, rente a minha pele. Quando cheguei no topo das minhas coxas e continuei subindo a calcinha, percebi que ela conseguia esconder meu pipi na frente, mas atrás sentia ela entrando muito enfiadinha no meu bumbum, separando as poupinhas e encostando no meu anelzinho.

- Nossa, que horror!!! Porque as mulheres usam calcinhas assim? Pensei comigo mesmo "ingênuo", mas agora sentindo a calcinha fio dental no bumbum. Peguei o sabonete e comecei a deslizar pelo meu corpo de novo sentindo a espuminha se formar e minha mão deslizar pela minha pele cada vez mais suave. Eu comecei a passar o sabonete nas minhas costas e no meu bumbum e aos poucos a espuminha foi escorrendo por entre as poupinhas do meu bumbum sobre a calcinha deixando ele ensaboadinho. Eu nem percebia, mas estava fazendo como tinha feito no espelho e rebolava me exibindo e sentindo as minhas coxas e bumbum ensaboadinhos deslizando e a calcinha molhadinha e enfiadinha roçando no meu botãozinho. A rendinha da calcinha deslizava no meu buraquinho enquanto eu empinava o bumbum e me contorcia. Deslizava as mãos no meu corpo como se fosse tocado ou tocada como uma menina e empinava o meu bumbum. Pensei uma coisa e peguei uma gotinha do condicionador que era branquinho e pus no dedinho. Rindo para mim mesmo, imaginei que aquela coisa branquinha parecia outra coisa e decidi encostar no meu buraquinho como se quisesse imaginar como uma menina se sente com "leitinho" no bumbum. Com uma mão tirei a calcinha um pouco de lado e com o dedinho encostei na portinha do meu bumbum.

Quando comecei a lambuzar meu anelzinho, senti um geladinho, mas tambem ele todo meladinho. A espuminha que se formava deixava meu bumbum lisinho e mesmo com as pernas fechadinhas e apertando o bumbum percebi que quando meu dedinho chegava pertinho do meu botãozinho escorregava para dentro mesmo que estivesse tentando deixar ele fechadinho. Continuava me tocando, me bolinando daquele jeito e meu pipi na frente fazia um pouco mais de volume na calcinha respondendo ao meu desejo. De olhos fechados, deixei um gemidinho sair pela minha boca e lembrei do meu sonho naquela noite na casa da Ju quando me vi como uma menina.

De repente, quando eu estava em transe ali no chuveiro com a calcinha fio dental enfiadinha e meu dedinho descobrindo como era me tocar por dentro, a mamãe bate na porta me chamando e dizendo que o almoço estava quase pronto e querendo saber por que estava demorando tanto. Eu despertei, e respondi apenas que já estava indo. Tinha acabado de descobrir um pouco do que as meninas sentem usando calcinhas daquele jeito. Tirei a calcinha fio dental rendada da mamae e depois de enxaguar ela coloquei no registro do box que era onde tinha pegado ela. Enxaguei meu corpo todo para tirar toda a espuminha e fui me secando por uma ultima vez passei o dedinho rente ao meu buraquinho, mas meu dedinho já não entrava assim facinho, me deixando mais conformado.

Vesti minha cuequinha slip branca que era super confortável, mas me olhei no espelho e não me sentia mais tão bem. Como se aqueles dois dias usando calcinhas tivessem mexido em muitas coisas em mim e que agora já não sabia mais se preferia me sentir menino ou menina como a mamae e a Juliana me fizeram sentir. Vesti a bermuda, minha camiseta e depois de uma olhada rápida no espelho peguei as roupas e a rasteirinha da Juliana e fui levar para a mamãe colocar na máquina. Quando ela viu que devolvi até a calcinha ela me olhou sorrindo safadinha e disse: Até a calcinha você vai devolver? Eu todo sem jeito, afirmei que sim.

O que estava acontecendo comigo? O que as calcinhas têm que fazem a gente se sentir assim. Voltei a ser menino, mas parecia que não estava mais me sentindo completo como menino. Sentei com a mamãe para almoçar, que me olhou sorrindo e dizendo que demorei no banho. Eu sem jeito nem consegui responder e sorri sem graça lembrando como estava gostoso as coisinhas que tinha descoberto em mim mesmo naqueles minutos que estava no chuveiro. Depois do almoço, voltei a ser como eu era antes, ajudei ela a tirar a louça, arrumar as coisas e quando acabei fui jogar video game, mas no fundo parecia que faltava alguma coisa, como se a menina em mim estivesse crescendo apesar de eu querer esconder.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
11/06/2019 11:15:19
Linda experiência
22/05/2019 22:01:27
N deixa de ser menina n
22/05/2019 10:47:18
Muito bom conto. Parabéns! Me fez lembrar como tudo aconteceu comigo. bjs
15/05/2019 17:47:09
Lindoooo! Maravilhosooo! Continua logoooo por favor
14/05/2019 23:16:49
Sabe aquele conto que você entra de meia em meia hora pra ver se tem um novo? É o seu! A hora do banho pareceu a primeira vez que brinquei atrás, ainda me descobrindo. Conto incrível, parabéns!
14/05/2019 04:43:15
Cadê a sequência
13/05/2019 22:38:48
aiiiin!! Contínua.
13/05/2019 19:13:09
Muito bom!!!
13/05/2019 18:56:11
Maravilha
13/05/2019 12:40:18
excelente
13/05/2019 12:30:36
Nota 1000 otimoo
12/05/2019 20:24:36
esse foi maravilhoso. continua
12/05/2019 20:18:03
Delicioso.

Online porn video at mobile phone


contos eróticos menina de 23 anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinho vermelhocontos primeiro boquete de uma creteXVIDEO PAI IFILHA TROCANOCUloura apita camisa XVídeosConto erotico cuzinho de casadinhavelha safada pelada buchinha fodendo e chupando o cu de idososou muito puta gosto de mostrar meus seios fartoscontos minha esposa me falou amor eu quero o pauzao grossodo seu amigouma mulher fazendo tranzando com um homem pervesozoofiliacontos erótico um gorilairma disse q n cu n e pecado incestoXevedeos cumendo a ex esposa do meu primo vedeos casero negoes pirocudo enpurrando na potrinhacasadinha se esfregando nos homens no elevadorgostosa seasusta com o tamanho da vara na buceta xvidiobucetas gordas a deramarem espermasdei viagra p meu vo olha no que deuEncoxando a bunduda casada no onibus e o corno do marido nem percebeufilhinha puta fazendo gang gang com os vizinhos taradopai xega do servico cansado e ve sua filha dormino e fode ela pornonovinha deslumbrada com um casetaohomem escroto excitado gozando gemendo no grelo pra caralhomenina e padrasto no sofa ela aproveita da bebedeira dele e tranza gostosoponodoido padrasto fudeno a enteada dolada da mãeorgia na casa de swing mulheres enfiando a b***** nas ruas por trás das paredesXVídeos priquito bem bonito eu sou um Marciano eu quero vermagrinha e a amiga desputando o mesmo homem dotado analxvideo .comendo cu com xilocainamenina dano aprimeiraves abuçetafoto de baxinho cassetudoquero ouvir fazendeira chorando no pau gostoso rebolando descendo demaiscontos eroticos o carroceiroXVídeos m*********** a b***** a esfihasbuceta clariadabundinhametecontos.fraga cheirando causinhazoomfilia com eguabrutamontes caio parte 15 pornocontos eróticos de i****** avô e avó f****** a b***** da netinha juntoschantagiei a colega de trabalho e comi ela casa dos contosWwwx vidio .contirano cabaso preta giuContos eroticos a neta da vizinhaclip16.com meninas virgens dando ate sair sanguecontos eroticos.viadoooo da sogra safadasexo conhadas cozinha nua pau bizarro tesaocrente e vizinho cassetudo conto eroticoporno tia lambeu sobrinho gozo ela engasgou tomou td eu, minha namorada, minha namorada e meu tiosou evangelica casada mas adoro da o cu pro meu visinho que vivi me comendoxvidio pasto chupando abucwtamulher mini sainha curtinha piscininha peladinhamulheres agachadas com buctao reganhadosexo gay contos valentãoContos eroticos pai liberal.comprima Pede para dormir de conchinha com prima e a subidaSwuingxvideoscomendo o cuzinho impinado da conhadamulher d fiu dentau atolado no raboContos eroticos ajudando o irmaocontos eróticos de homens peões de obras fazendo sexo com outros homensgosano na buceta griloda da novinhavideo chupando buseta dormindo de minha filha prezar que irmao prende na brincadeiraxvideos bafo de bodicoroas peladas com o corpo melado de margarinaconto mae manda filinho fuder irmazinha pequenaconto erotico novinha curiosavideu di pornor comendo de clatoconto erotico caseirotirinha enfiar so a cabeça no cuzinho virgemxvideo minha irma sentou no meu colo e meu pau indureceusexo oral e vavinal com a quelas danadinhasworttped.diegocampos.8519contos eróticos gay meu irmão e o seu buraco tio cacetudo sublinho pau pequeno corno humilhado por noiva putinha contos cm fotosnovnha ganhando varada no niversario de 18 anos jorrando porraxoxota XVídeos tio comprinhasxvidiocomendo.a novinha sem tirar o chortenovimhas sem pentelho.ma.bucetimha damdo pra un mendimgo o rabimhopastora ficor surpreza na massagi com um pau na bucetapuxar o courinho da piça pra mijar x videoconto erotico gay negao dominador gosta de maltratar viado brancogostosas de trinta e quatro anos peladas com fildental preta atolada no rabaoconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhofotos de buceta de mulutagaroto punheteiro garanhao curral xvideoConto erotico feirantecontos eroticos menininhas sapecasmetendo na salgadeira bundudaconto erotico um desconhecido tirou o meu cabaco na vespera do meu cassmentoginicologista arebentano cabaso da novinhaamigo picuto faz mulher d corno sangra rsmunher gozar gritando na pica du amantesporno mulheres q bota sainhas curtinha para pega onibus lotado sopara ser fufidamulher brasileira puta safada vadia xingando querendo rola