No acampamento...com minha irmã - a revelação

Um conto erótico de Skorpio
Categoria: Homossexual
Data: 14/05/2019 17:32:21
Nota 10.00

Caros leitores, não poderia deixar de concluir a narrativa (verídica) iniciada com meu conto "No acampamento...com minha irmã". O fato é que, depois da lição de anatomia que Sandra (esse, como lembram, é o nome de minha irmã) me deu com todas as explicações teóricas e demonstrações na prática. Pois bem, como devem imaginar, naquela noite, na barraca do camping, não consegui conciliar o sono. estava excitadíssimo com a "aula" que Sandra tão gentilmente me havia ministrado. Além disso, o fato de a barraca ser do tipo "esquimó" fazia com que dormíssemos muito juntinhos. Eu via, na luz difusa da Lua que penetrava pela lona, a linda bunda de Sandra, cuja minúscula calcinha rasgava seu rego. Cheguei, confesso, a me masturbar durante a noite só de olhar a bundinha da minha doce e querida irmã.

Na manhã seguinte, fazia um belo dia de sol de outono, a manhã estava quente e clara, tudo nos convidava para um belo banho nos inúmeros riachos e cachoeiras da região. Depois do café, toado com todos do grupo na cantina, os monitores reuniram-nos em grupos de cinco ou seis meninos e meninas, e conduziram-nos à cachoeira do Véu da Noiva, que não distava muito do local do acampamento. Em lá chegando, despimos nossas bermudas e shorts, blusas e camisetas. Todos e todas já estavam vestidos por baixo com suas sungas ou seus biquínis. Devo confessar que minha sunguinha preta era bastante cavada, deixando bem à vista a polpa da minha bunda (que sempre tive certo tesão em mostrar...)

Logo fizemos amizade com meninas e meninos que se banhavam próximo de nós, e fizemos grandes descobertas a respeito delas e deles. Vejamos, primeiramente, as quatro interessantes garotas, que logo despertaram o interesse da minha irmã (até estranhei ...):

Reparem que eu prestei bem atenção nos nossos coleguinhas, e minha maninha também, pois, de comum acordo, acabamos convidando Aline e Geovani para irem ter à nossa barraca à tarde, depois, do almoço na cantina.

Em lá chegando, nossos convidados logo se puseram à vontade. Antes da chegada de nossos amigos, eu e minha irmã combináramos que nós faríamos uma brincadeira para surpreender Geovani e Aline: eu vestiria uma calcinha de minha irmã e ela se enfiaria numa bermuda e numa camiseta minhas. (Sandra ficou parecendo um garoto, e eu, confesso, fiquei muito à vontade, vestindo uma linda calcinha rosa de Sandra, que, por ser de tamanho P, deixava quase toda a minha bunda de fora.) Pois bem, Geovani e Aline chegaram à nossa barraca juntos, cerca de 4 horas da tarde. Quando viram nossos trajes, riram muito, e, como eu disse, logo se puseram à vontade: Geovani livrou-se da bermuda e da camiseta. Vestia por baixo a mesma sunga branca do banho no riacho, e Aline exibia o seu lindo corpinho num short curtíssimo e num top, que mal lhe cobria os apetitosos peitinhos.

Bem, para deixar nossos amiguinhos relaxados (já imaginando o que podíamos fazer com eles...), servimos cervejas em lata, estupidamente geladas, conservadas na geladeirinha portátil que leváramos. Papo vai, papo vem, abrimos logo as confissões mais íntimas. Minha irmã falou que ainda era virgem (era virgem só de boceta, não de cu, mas não revelou isso) e eu, por minha vez, confessei que nunca havia transado com ninguém. Aline disse que acabara de fazer dezesseis anos; revelou que tinha nádegas grandes, o que a incomodava, e possuía o montículo do amor com cabelos castanhos, a boceta um pouco baixa, mas tão apertada quanto se pode desejar, e era integralmente virgem... pela frente! Apesar de seu ar de garota sacana, só dava a bundinha para o namorado por obediência, pois nunca desfrutou do menor prazer nas infâmias de que era vítima quase todos os fins de semana. Disse que estava muito contente, pois o tal namorado não viera ao acampamento. Geovani era um belo menino, de uns quatorze anos, louro, de olhos azuis, corpo atlético, e pelo que eu pude observar, olhando o volume que se notava em sua sunga branca, muito bem-dotado! Confessou que só havia trocado uns beijinhos com uma namoradinha de colégio, mas que estava ansioso para conhecer as delícias do amor carnal!

Papo vai, papo vem, latinhas de cerveja rolando, colocamos uma música pra tocar no som que havíamos trazido, uma música dançante. Geovani, de sunga, tirou minha irmã pra dançar, e eu, embora não estivesse com vontade, chamei Aline. Dançamos, sempre rindo das bobeiras que falávamos, piadas da escola, coisas assim. Notei que Geovani apertava Sandra junto ao corpo, esmagando seu pau (que notei que estava duro) contra a bocetinha de minha irmã. Eu, por minha vez, não sentia qualquer tesão dançando com Aline, que procurava se esfregar na minha pica, por cima da calcinha que eu vestia. Quando a música parou, resolvemos dar um tempo, e sentamo-nos nos edredons que forravam o chão da barraca. Fiquei ao lado de minha irmã, e deu-se, então, o seguinte diálogo:

- Sabe – eu disse -, eu a estive observando quando dançava com Geovani.

Ele lhe agrada, não?

- Oh . . . ele, bem, ele é ousado. Você viu como ele me apertava? Por

instantes meus seios chegaram a doer. Você sabe que eu nunca uso sutiã...

- O que você achou?

- Bem, ele dança muito bem. E atraente, agradável.

- Você notou como ele ficou excitado?

- Hã, hã. Dava pra sentir claramente na barriga como o pau dele estava duro.

- E você, ficou "molhadinha"?

- Ora, Paulo, euSandra, nada de ficar encabulada. Afinal de contas, somos irmãos. E sabemos perfeitamente que tudo não passa de um processo normal, psicobiológico. Como é, ficou com tesão ou não?

- Pra falar a verdade, fiquei envaidecida. Sou uma garota e... bem, é gostoso saber que desperto a sexualidade de um cara bonito como o Geovani. Está com ciúmes, maninho? – brincou Sandra.

- Não seja pretensiosa. Acho que você é que ficou com inveja da Aline colada comigo. Pode estar certa.

- Um pouquinho... Pensa que não vi como Aline se esfregava em você?

-Ah, ela deve fazer assim com todos. Deve ser o jeito dela dançar.

- Mas você gostou? Teu pau ficou duro?

- Não fiquei, não. Na verdade, não senti nada...

- Será que eles gostaram?

- Não sei, não - respondi. - Lembra que Aline nos disse que não consegue gozar com o tal namorado?

- Um pouco de exagero dela, não acha?

- Mas, eu bem que gostaria de dançar... com o Geovani. O que você acha?

- Oh, maninho, eu não estou acreditando que você... Quem diria? Você...viadinho?

- Sejamos sinceros, menina. Por vezes eu sinto que gosto mesmo é de garotos. Não consegui tirar os olhos da sunga do nosso amiguinho!

- Será? Bem, já que estamos no “confessionário”, te digo que gamei na Aline...

- Sabe, Sandra, vou lhe confessar algo. Quando via Geovani esfregando-se em você,

quando seus peitinhos maravilhosos se esmagavam contra o corpo dele, quando ele

respirava o seu perfume e encostava o pênis duro em você eu . . . eu fiquei

excitado!

Enquanto travávamos essa conversa, Geovani e Aline, sentados muito próximos, falavam não sei o quê, e notei que o rapaz passava a mão pelas coxas de Aline, que, por sua vez, baixava a cabeça, e o ouvia atentamente. Me parece que Geovani estava “cantando” a menina!

Mas Sandra resolveu acabar com a festa dos dois:

- Gente, escuta só, vamos fazer uma coisa diferente! Vamos trocar de pares! Geovanoi dança com meu irmão, e eu, com a Aline. Topam?

Os dois nos olharam meio desconfiados, mas, como éramos os “donos da casa”, acabaram concordando. Pusemos outra música bem agitada pra tocar, e tiramos da nossa geladeirinha uma garrafa de vodca polonesa, que todos beberam bons goles na boca da garrafa mesmo.

Pois bem. Começamos a dançar ao som de uma estridente música de discoteca, um hit na época. Vi que minha irmã e Aline tinham se livrado da bermuda e do shortinho e estavam com calcinhas tipo fio dental, e dançavam bem coladinhas, mas eu e Geovani estávamos um pouco tímidos. Aos poucos, me encostei ao corpo do gato, e comecei e ficar com tesão. Fui perdendo a inibição e encostei meu rosto no dele e passei de leve minha língua no pescoço e na orelha dele, sentindo seu cheiro de homem. Não resisti e procurei sua boca, para dar-lhe um beijo, mas ele desviou o rosto. Entretanto, notei que, com as minhas carícias, seu pau começava a intumescer, pois sentia ele encostar no meu (lembrem de que eu vesia uma calcinha, e ele, uma sunga de praia), que já estava bastante duro. Não resisti e comecei a passar a língua em seu peito e a segurar sua musculosa bundinha. Ele não reagiu a esse contato, pelo contrário, apalpou com uma das mãos minha bunda, deslizando seus dedos nela, por dentro da minha calcinha, como que procurando o buraquinho do meu cu. Eu estava literalmente nas nuvens! Será que, finalmente, encontraria um macho pra transar comigo, que era a coisa que eu mais desejava quando olhava os meninos tomando banho no vestiário do colégio, todos aqueles paus adolescentes à mostra, ai, que loucura!

Tomei coragem (a vodca ajudava, é claro!) e desci a sunga de Geovani. Seu pau saltou, e, ai, que pau! Era muito maior e mais grosso do que o meu, eu nunca tinha visto um pau duro de ninguém! E tão próximo de mim. Segurei com uma das mãos aquele magnífico cacete, que estava quente e latejante! Comecei a alisá-lo, enquanto revirava os olhos, como uma fêmea, louca de desejo! Só que não sabia bem o que fazer depois! Afinal, nunca havia transado com ninguém!

Nesse momento, como que por milagre, Sandra (acho que ela acompanhava com o rabo de olho o que rolava entre mim e Geovani) deixou de dançar com Aline e veio em meu socorro. Segurou o pau duríssimo do garoto e me disse para ajoelhar. Fiz o que ela mandava. Ela então conduziu a pica dele para junto do meu rosto e me disse: “Sente só que delícia!”. Pus-me, então, a cheirar aquele pau, e que cheiro mágico! Cheiro de pau de homem, meio acre, meio animal, que tesão! O perfume daquele pênis aumentou o meu desejo. Sandra, então, empurrou minha boca em direção àquele pau, e me fez começar a chupá-lo. Uma vez com o pau dele dentro da boca, suguei-o com sofreguidão, e ele o empurrava para minha garganta, eu quase sufocava, mas estava gostando da sensação, nova para mim, e pus-me então a percorrer seu pau com a língua, voluptuosamente, de cima para baixo, da base até a cabecinha vermelhona (na verdade, era uma cabeçorra!). e estava meio que histérico, parecia que não era eu!

Acho que também era a primeira vez do Geovani, pelo menos com homem. Sandra, então, bondosamente, fez com que eu ficasse de quatro, e abriu delicadamente a minha bunda, deixando a descoberto meu buraquinho, virgem de pica! Minha querida irmã (acho que ela não se conteve) passou então a língua por toda a extensão do meu cu, e disse para o menino fazer a mesma coisa. A sensação daquelas línguas quentes no meu cu foi indescritível! Geovani (parece que ele estava cada vez gostando mais!) foi fundo, me sugando... Sandra, então, pegou o pauzão do garoto e começo a ajudar ele a me penetrar enquanto falava, com uma vozinha rouca:

- Isso, garoto, enfia fundo teu pau na bundinha do meu maninho, parece que ele gosta! Só hoje fiquei sabendo que ele é viadinho, que gosta é de pau, que safadinho! E eu que pensava que ele olhava com tesão pra minha bunda! Ele é bichinha, bem que umas amigas minhas já tinham comentado comigo... que desconfiavam! Putinho! Safado da maninha! Te amo, bicha!

Geovani não demorou a gozar, e jorrou sua porra bem no fundo do meu buraco. A porra que escorria para fora... a Sandra lambeu tudo, com gosto, a putinha! Depois, também deixou limpinho o pau do garoto, que ainda latejava! Aline, no seu canto, se masturbara assistindo à cena, e estava com a boceta toda aberta e exposta, pra quem quisesse ver!

Depois disso, bebemos só mais um pouquinho e, após alguns minutos, Geovani e Aline se retiraram. Poucas horas depois, fomos embora do acampamento. Na nossa casa, conversamos sobre o sucedido. Estávamos mais unidos, e novas aventuras nos aguardavam para os próximos dias. Mas isso é outra história...

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
19/05/2019 13:50:09
Fiquei com dó da Aline, que ficou esquecida apenas se masturbando... Ótimo conto nota 10
16/05/2019 11:43:23
Obrigado, Tia Berta. Vou ler, sim!
15/05/2019 19:41:49
Nota 10. Quando puder, leia meu novo conto. Bjs.
15/05/2019 19:41:34
sensacional

Online porn video at mobile phone


video gay vésatil novinha com pouco pentelho contosdeflorador de gatinhas taradasvidio eline falando seu nome eem qunto fode vidio pornoquero ver empregada de marquinha nos peitinho duro lavando roupa no pornodoidoXVídeos minha esposa queria dar para o negão mais da metade da metade podendocache:16t390C-nPAJ:zdorovsreda.ru/texto/201603559 mulherzinha gostinho se exibindo na praia só de biquínicontos professor novinhafuderao a gostoso na prainhacasei com um velho brocha mas levo machos pra casa contos eroticosxisvideo şiriricamulheres gostosas fazendo garganta profunda com penis muito grandes e enfindo todo na sua guela e ele vai e gozaloirinha de shortinho deitada na cama esnobamdo namorado e dando pra outro xvideosXvideo realisei minha vondade de der dois paus sopramim um infiado no e outro na buceta trai meu marido vou contar como foiniha xoxota ta melada xvideiscarine patricinha casa dos contoscontos eróticos condolos e vibradores participamconto gay o nifeto do meu maridofilmes porno no calor do buraco estreitorelatos eroticos nos um casal evangelico fomos convidado a ir numa praia de nudismo por um casal de amigosvideo sexo no labirinto do innersikis iremmetrai com meus alunoshistorias eroticas com saúnas masculinasXvideos... Fode fode fooddeee caralhomtk contos eroticos coisas do destino capitulo 1videos novinha reagindo um compo malhadoporno clAsSico primeira vez de um molequewww xvidioszoofilia com brlesbicas picando rebolando gozando chupandos colososwww.xvideo corno convida esposa pra subir no câmbio do carrolindas nalvinhas 1000fotosporno foi tomar banho no garape e encontrou a prima e fode elaButão bucetimhaconto eroticos transformando a santinha em depravadafilme porno gay papis negao abusa de jovem mundo bichaxv novinha brinca com cachorro e fica agarrda na picahome filma mulhe no oiniboContos eróticos tarados na madrugadaconto erótico menino bonequinhacomida e margarina no cu e na bunda inteira delagatinho Eu Quero uma galeguinha assim trepando mesmo em cima do Cacete mesmo sabecontos de patricinhas sendo estrupadas por bem dotadoconto erotico gay o coroa do bloco de carnaval me comeuConto aproveitando da fimoseconto comendo cu na marra da santistaconto erótico O Despertar de uma casadacontos coroa implorando por uma picaesposa novinha timida gostosa e o sogro roludo contos eroticospraia tirando a roupaxvideoContos ai meu cu na infanciaempresários do pau grande transando com homens mais lindo do mundo e musculosos e gostosos na pisina mete o pau grande que sai sangue misturado com gala gostosasmunita gozadaOlhando a tia gostosa xsvidioputa lambe pe do macho contomulher gravida barriguda lava a xoxota e o cu pra fudegibi troca troca com família pornocoletania de corno com vekhas bundudas que gritam na picaxivide cavalo gozando dentro demuleenpregada rabuda tirando um coxelo so de calsinhaconto erótico mamando seios com leite da amigavideo porno gosei dentro da bicetinha da minhaatrasdamundo p********* e grosso comendo o c* de uma besta bem devagarzinho peidando e gemendoxvideos macho de calcinha sendo enrrabado e chamando o comedor de meu amorcontos encoxando e penetrandoCONTOS EROTICOS DE ZELADOR PIROCUDO COM MORADORA DO CONDOMINIOxiripornocomo esconder do meu marido que a minha buceta ta cheia de gala de outro?irmalouca pra perdero cabaco pro irmarCasa de Contos fodas a uma cadela pitbull da vizinhacontos casada pedifilaestupro esposa contos eroticosamigo dormiu camping esposacontos eróticos Avenida da minha sogra meu sogro na minha casaTio Fudeu minha buceta e eu gosteixvideos-entertidaContos minha esposa negra bundudona no forro eu corno contoconto erótico assim nasce uma travestixvideo viuvo rustico punheteiroxsvidio dois pistoludo comendo gostosaconto eu so tinha dez aninhos e meu tio ja chupava minha xoxota que era carnudinha eu ia a loucura