Felipe - Parte I - O mio babbino caro

Um conto erótico de YL Maestro
Categoria: Homossexual
Data: 13/08/2019 00:56:03
Última revisão: 13/08/2019 11:50:23
Nota 10.00

Já se faziam dois meses que Felipe trabalhava para mim. Eu estava absolutamente fascinado com a capacidade daquele garoto de gerir a minha vida de artista. Eu continuava trabalhando na companhia, ele trabalhando para mim todos os dias. Todos estavam satisfeitos com ele. Ele era gentil, uma pessoa extremamente doce, era solícito, bondoso e agradável. Tudo aquilo que eu não conseguia ser. Minha arrogância por ser a estrela máxima da companhia havia me subido à cabeça. Mas enquanto eu estivesse fazendo o meu trabalho com perfeição, eles não me demitiriam.

Minha voz era aclamada pela crítica. Vinham muitos críticos, músicos experientes, professores de canto, para presenciar, nas minhas apresentações o Farinelli dos novos tempos, esse era um dos meus apelidos. Mas eu tinha muitos inimigos. Dentro e fora da companhia.

Quando cheguei para estrear ali, depois de 6 anos de estudo, dos meus 6 aos 12, tomei a posição de dianteira na corrida pelas apresentações mais importantes. Árias muito famosas como A rainha da noite, de Mozart, Cario mio ben de Giordani eram apresentadas por mim que em tão pouco que havia chegado e tomado aquele posto.

Felipe me acompanhava para cima e para baixo. Naquela semana iríamos para São Paulo. A mais importante apresentação do início da temporada. Era o início do ano mais importante que eu teria até então. O Solista principal fazia 3 apresentações. As 3 selecionadas eram Strano, Sempre Libera e em dupla, Les Fleurs Duet, que Marion, um falso soprano, assim como eu, faria comigo.

Cheguei, por infortúnio do destino, duas horas mais cedo no teatro onde aconteceriam os ensaios. Mariel, irmão gêmeo de Marion, que era carinhosamente apelidado de Olive, por causa de seus belos olhos verdes que sempre mostravam doçura, se espreitava pelo corredor que passava pela frente do meu camarim e seguia para o camarim do diretor musical, Genelle. Achei aquilo bastante estranho e Felipe seguia atrás de mim, ambos a passos bem lentos, para justamente não sermos escutados.

Mariel entrou no camarim de Genelle e fechou a porta. Mas porque ele estava ali? Porque se esgueirava pelo corredor, empertigado, como se fosse fazer algo que não devia. Eu e Felipe olhávamos um para o outro, achando aquilo demasiadamente estranho.

Continuamos seguindo passo a passo, pé ante pé e bem silenciosos para a porta do camarim.

Ouviam-se gemidos. Dava para perceber que eram gemidos de Genelle, dado a sua voz grave e profunda. Então escutei a voz de Mariel. Algo estava mais errado ainda.

Mariel pedia a Genelle que o desse o meu lugar. E que para aquilo faria várias de suas vontades sexuais.

Naquele momento eu senti fraco. Enojado. Triste e com muita, muita raiva. Sentia fraco diante de toda aquela situação. Eu era jovem. Era talentoso. Mas não havia tomado muitas pancadas da vida, até aquele momento.

Enojado pelo fato de ter que dividir o mesmo teatro, o mesmo mundo com uma pessoa capaz de ceder às bestialidades de um homem de quase 70 anos, casado, com netos já, que por mais que fosse um senhor, era extremamente bem apanhado, para tentar derrubar um colega que estava ali porque aquilo lhe era de direito.

Abruptamente abri a porta. Quase um coice, com raiva, furioso. Olhei para Mariel que encontrava-se ajoelhado à frente do nosso diretor, com seu membro em suas mãos.

Vi Mariel com aquele membro em riste em suas mãos. Genelle estava apenas usando as calças e ainda assim desabotoadas, caídas aos pés. Mariel estava ajoelhado, sem camiseta, mostrando que possuía um físico invejável, que somados aos seus cabelos louros, típicos de quem nasceu e cresceu em família italiana. Era um homem belíssimo no auge de seus 23 anos e com muito talento para cantar.

Eu ri de desdêm. Abri a boca para falar, mas não o fiz. Ao invés disso, cantei Lucia, num tom muito alto até para sopranos de imensa coloratura. Bati a porta. Sai para o meu camarim.

Felipe me seguia. Ele estava branco de susto com aquela situação. Eu estava em puro ódio. Abri a porta do meu camarim numa mistura de ódio e nojo. Como alguém consegue ser tão baixo. Felipe tentava me acalmar. Dizia para manter a calma. Amanhã Joseph Cleiber iria chegar, o chefe geral da companhia.

Mas eu não conseguia me acalmar. Queria avançar no pescoço daqueles dois. Enforcá-los até perderem a última molécula de ar dentro dos pulmões.

Felipe falava para eu manter a minha calma. Para não fazer nenhuma besteira. Ele também sentia raiva, sentia nojo de uma pessoa como Mariel. Pensei por um momento que eu fosse vomitar.

Corri para o banheiro do camarim pensando que eu colocaria tudo para fora. Mas fora somente um alarme falso.

Eu agora chorava. De raiva e de tristeza.

Sabia que tudo aquilo estava acontecendo não era de agora. Que haviam acontecido outras vezes, com outras pessoas que tentaram tomar meu posto.

Eu falava com Felipe, questionando o porquê aquilo acontecia comigo. Eu só fazia o meu trabalho. Só queria ficar em paz. Nem toda a minha arrogância e amargura com aqueles que não gostavam de mim fazia que eu pudesse ter sossego para trabalhar em paz.

Eu falava alto. Quase aos berros. Era muita raiva. E essa raiva parecia não ter fim dentro do meu peito.

Os olhos de Felipe eram calmos. Ele deixava que eu esbravejasse aos 4 ventos e que amaldiçoasse à torta e à direita. A raiva aos poucos foi dando vazão e então comecei a ser cometido por uma profunda tristeza.

As lágrimas de ódio começaram a se transformar em lágrimas de melancolia e de uma solidão que eu sentia dentro de mim. Uma espécie de aflição. Que começava a me deixar dormente.

Os olhos de Felipe parados ali à minha frente, me olhavam como se fossem puro açúcar. Plácidos e calmos como um lago na primavera.

Desviou seu olhar de mim para a mochila que estava no sofá ao seu lado. Ainda calmo como nunca, uma sensação completamente diferente da minha.

Eu soluçava de tanto chorar enquanto ele colocava uma suave música para tocar. O mio babbino caro. Essa música me acalmava e ele sabia disso.

Segurou em minha mão e me puxou para si. Me fazendo sentir um abraço que possuía uma ternura, um carinho que eu não conseguia explicar.

Eu me acalmava com a cabeça em seu ombro com ele acariciando meu cabelo. Aquilo me fazia quase adormecer.

Ele disse para me acalmar, porque eu era a estrela dele e estrelas brilhavam por si só.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Yl Maestro a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/08/2019 21:31:31
INTERESSANTE. HISTÓRIA DE CIÚME, INVEJA, ESTRELISMO ETC. CONTINUE
13/08/2019 08:24:35
continua

Online porn video at mobile phone


xvideos ela pensou que ele tinha parado de gozar e quase engasgouenteada dormindo de pernas aberta sem calsinha e padrasto aproveitawww.xxvideo garotinha sabe manejarXVIDEO CRIOLA VIUVA PIRANHANovinho dotado fudeu a bucetinha da mocinha e arrancou as pregas do cursinho delade vestido de brusosexocomi uma egua dentro de casa contoWESLLEYWEST-CASA DOS CONTOS EROTICOSporno comendo em dois e explodindo cu ea buceta da novinha atéh ela cagarcontos eroticos minha vizinha novinha virgem rebeldeConto erotico magnatamulher com rabão maior filme pesavam gostosohomens cacetudos de saojosedoscamposxxvideos mulher coroa do patrao nao se agueto e me deu a bucetavideos mulher madura com vagina peluda cheia de espermaxisvido tia sobria dorminoConto erotico meu cabaco arronvado pelo velho do pauzaovidio mulher casada com roupa fodendo enfrente o marido ate escorrer porrsnovinha levano caralho de trinta centimetrosporno no cinema cine operapenetracoes cavalarestia negra cmsobrinho branco e prma no incestoxv videos fudeludadeconto erotico trai meu noivo a noite toda na vespera do casanentocontos meu genro adora cucontos sou rabuda e fui encoxada contosXvideo difutibolVai cobrar divida nao acha o corno so a mulher rabuda de camizolacoleirinha as maiores bundasvideos de sexo racatadovelho bebado esfregando a cabeça do pinto na bucetasafadeza o homem usava camisinha para botar dentro do priquito da mulhercontos heroticos comendo a irmaconto erotico gay travesti velha esculachada por negaoxiripornoxvideo metta syuaconto erótico o amigo do meu marido eu curiava ele toda vida q ele ia turma banho ele tinha pau enormevizinha tenho 18c.m. te cerve pornoporbaixogordinhaspornô conponba clandevideos proibidos corno narra esposa chorando com gozada no cuzinho negao rasga o cuseduzir a cunhada dentro de casaqual bumbum mais Bate Cabelo morena branquinha loirinha novinha com a bunda bate a bunda pulaXVídeos m*********** a b***** a esfihasmacho arregaca o buraco da xana da safada cm aparelho para ver o fundo do buracomeu marido perdeu aposta e eu paguei com a buceta pornomagrinha gtz sentando de costaContos de meu pai examina meu clitorisporno brasilero ela queria fujir de tanta fodanao cnseguioconto erotico namTravesti fodi com cinco garotos ate cagarxvideos de idosa ifiando o pinto na buceta da idosa butamentefilha centa no colo e sente o pau do pai na bumda e fica molhadinhachorei na hora pau entrou xvideoContos eroticos elacarecacontos eróticos virgindade com o porteiroSexo Negao fudeno com 45 cetimetro rola a novinha caga na varaum velhinho do pau enorme e muito grosso cumeu meu cusinho na marraconto erotico huntergirls71conto erotico meu afilhado tem a rola preta enormeXVídeos cara estrupando A SementinhaO q uza na odor na vajina da mulheramigo superdorado enraba esposa gravida contovideos porno velhor comedor da cabeça do pau rombudaxvideo roubadinha do namoradocuiada provoca cuiado d xortiu de dormiConto porno rola finacontos eu meu padrasto fodemos gostosocontoseroticos/comadre rabudaconto erotico lesbico dei o troco no meu marido com sua amantepatroa pega peao comendo egua e fica toda excitada pornoxvideo pequei porque nao vigieiEu quero assistir um vídeo pornô gozando dentro da buceta da sua mãe dormindo seu filha de uma égua sou filha da puta eu quero gozar dentro da sua mãe só desgraça onde o caralho gozando dentro da buceta da sua mãe sou filha da putaContos picantes ainda virgem fui abusada por um entregador velhominha mulher é eu fomos enrabadosgravida do tio contosSexo com fucionaria buceta apertadinha relatosvibrador conto erotico uker