A ESPOSA QUE CAIU NA NET

Um conto erótico de Candir
Categoria: Heterossexual
Data: 24/10/2019 14:53:23
Última revisão: 02/12/2019 15:11:04
Nota 10.00

Érica começou a receber telefonemas de um cara que trabalha com o seu marido. Ela que nunca foi com a cara dele pelas tantas gracinhas e pelos flertes ocasionais nas festas e jantares com o pessoal do escritório. Juliano não é feio, tem o corpo de quem frequenta a academia, mas aparenta ser muito arrogante e intruso, confiante em si a maior parte do tempo.

O problema é que ela não pôde cortar as ligações ou mandá-lo catar coquinho. O motivo? Juliano sabia demais:

“Oi, Érica! Quando é que você vai tomar aquele café comigo, hein?”

“Juliano...não somos amigos! Eu já disse que eu não quero papo com você, tá ok? Você é apenas um colega de trabalho do meu marido, e...”

Mas ele a interrompeu, porque de fato, podia:

“Escuta aqui, Érica...não fale comigo como se eu não tivesse algo do seu maior interesse!”

Ela não tinha escapatória:

“Quem disse que sou eu nas fotos? Quem vai provar que não é montagem?”

Juliano gargalhou alto, a risada escapando pelo alto-falante do celular:

“É você, sua pistoleira. A tatuagem bem na lateral entre suas costas e a barriga...todo mundo já te viu de blusinha nos churrascos. Ah, e o quê mais? Seja lá quem tirou as fotos, se foi o teu marido ou outra pessoa, mas o teu rosto e tuas pintinhas perto do queixo aparecem na maior parte delas. Uma gracinha!” E voltou a gargalhar.

Érica sabia que podia levar aquele assédio até a polícia, e que se o fizesse, Juliano ficaria bem encrencado. O problema é que ela terminaria pior ainda. O saldo seria deficitário.

Não, não foi o seu marido quem a fotografou nua em poses, caras e bocas. Foi um professor de educação física do colégio onde trabalhou por alguns poucos meses, aliás, trocou de emprego justamente para esquecer da traição. Érica não tinha sequer um ano de casada quando cedeu as investidas daquele homem tarado, que sempre à convencia de tirar fotos nas escapadas ao motel. Ela justificou para si mesma que foi uma bobeira, um deslize de mulher recém-casada, uma tolice. E que botaria uma pedra gigante nisso.

Mas...a internet não perdoa. O calhorda pelo visto distribui algumas das fotos pelos sites afora.

“Juliano, você quer conversar para quê?”

“Bom...se você se tornasse minha amiguinha, do tipo de amizade que presta certos favores...bem, eu poderia manter o nosso segredinho numa boa.”

Ela perguntou, no fundo já sabendo onde o danado queria chegar:

“Que tipo de favores?”

“Olha, sendo direto...eu quero que você venha até o meu apartamento amanhã à noite. E eu acho que você já sabe bem o que eu quero!”

“Seu idiota! Não vou deixar você relar no meu corpo!”

Juliano gargalhou novamente:

“Hahaha, ok...então é o seguinte. Se você não aparecer sozinha e boazinha no meu apê, acho justo que o seu marido receba quase que por acaso uns links para um determinado site...rsrs, tenho certeza que ele irá adorar a visão...só não tenho certeza se foi ele quem tirou as belíssimas fotos! Né?”

“Filho da...”

“Nã-não! Nada de xingar minha mãezinha! Hahaha! Te espero amanhã...na boa, hein!” E desligou o telefone.

Ela caiu na cadeira com as mãos cobrindo o rosto, vermelho e quente. Apreensiva e presa na situação. Érica sabia que se aquele link chegasse até o conhecimento do marido, seria o fim do casamento. Um casamento que ela adorava e não podia correr o menor risco de perder.

Pensando rápido, se deu conta que a próxima noite seria de quarta-feira. O marido costumava voltar tarde, saía após o trabalho para beber e assistir futebol. Ela também tinha o costume de aproveitar sua ausência para ir até a casa da mãe ou então ver umas amigas no shopping.

“Vai ter que ser amanhã mesmo, que eu vou ver aquele merda!”

Quando deu 19 horas de quarta, Érica rumou com o coração acelerado para o apartamento do abate. Mordia os lábios toda envenenada, dizendo para si mesmo que aquele safado poderia usar seu corpo, mas não tocaria em suas emoções: “Eu vou me entregar como uma boneca! Fria! Esse idiota não me fará gozar por nada nesse mundo! Filho da puta não vai ter essa satisfação!”

Subiu até seu apartamento rápida como um raio, entrando com um jeans bem apertado e uma blusinha justa, de botões. Não disse oi, mas Juliano sorriu mesmo assim. Érica não se sentiu tímida ou acuada, pelo contrário, deu um olhar sujo que poderia até soar como safado ou sexy, mas contendo uma grande dose de desprezo.

“Está me olhando assim, por quê? Quer que eu te elogie?”

“Acho que você quer me elogiar...” Ela respondeu, desafiante. Mas Juliano não a queria tomando conta da situação:

“Olha...pra começar a me agradar, tem que no mínimo ficar pelada. Tira logo essa roupa, anda!”

Érica não tinha escolhas, e foi despindo o seu conjunto. Em segundos se via de pé na frente dele apenas com o sutiã e a calcinha. Seus olhos encresparam por um momento:

“Devo continuar, né? Até porque eu não tenho a intenção de ficar aqui a noite toda!”

Juliano se enfezou e deixou de sorrir:

“Se você quiser colocar a roupa de volta, dar meia-volta e ir embora, foda-se, vá! Mas você sabe muito bem que se veio até aqui é porque chifrou o teu marido, ou melhor, chifrou e ainda deixou o outro felizardo bater umas fotos...já pensou, todos os sacríficos que você fez para casar com um cara legal, tipo o Cléber, indo por água abaixo? Tsc tsc...”

Érica cerrou os olhos e lentamente puxou o fecho tirando o sutiã. Ela sabia que o safado ansiava por este momento, pois seus seios são belos e volumosos. De fato, Juliano exibiu um sorriso gigante no rosto. Gingando, ela deixou a calcinha cair no chão, ficando totalmente nua não mais em foto, mas em carne e osso na frente daquele “idiota” que se sentou no sofá, sorrindo:

“Espetacular! Show! Agora eu quero que você fique de joelhos e venha até mim.” Ela obedeceu e foi engatinhando, ressaltando os contornos dos quadris e da bunda na medida que se aproximava dele. Juliano lambeu os lábios e se ergueu assim que ela alcançou o sofá:

“O que você quer, agora? Você sabe que é um grande idiota, né?”

“Eu já tinha ouvido isso antes! Haha...mas quer saber? Deixa eu te mostrar o quão grande eu sou em outras partes!”

Érica torcia por qualquer outra coisa, menos que o pilantra tivesse um pau grande. Ele começou a puxar a bermuda, e a deixou em choque, boquiaberta quando sua rola brotou. Sim, o pau além de grande era deveras grosso, certamente o maior que ela já viu. O pior é que Érica sempre gostou de pauzão, principalmente dos cabeçudos. Algumas de suas amigas minimizam o aspecto e o tamanho das rolas, enfatizando as qualidades gerais dos homens com quem saiam, mas Érica nunca se enganou quanto a sua queda e paixão por uma senhora pica.

Ela soube que estava em apuros naquele momento. Juliano balançou a rola semi-ereta até o rosto dela:

“Mama bem gostoso, mama!”

Inicialmente ela tentou manter a boca fechada para que o safado não conseguisse enfiar seu pênis nela. Mas Juliano foi dominante e a empurrou pela nuca até que o gigante invadisse seus lábios. Não tendo escolha, a mulher casada passou a chupar aquele pau grande e grosso. Fazendo força para não se perder, isso não impediu que a pica afundasse cada vez mais em sua boca, torando e arrancando fios grossos de saliva que escorriam pelo queixo.

Chupar pau era excitante, abria o caminho da sua buceta. E ela não podia negar que a maior rola que já viu estava zigue-zagando sobre a sua língua babada.

Subitamente Juliano a puxa pelos braços e a leva até seu quarto, a atirando na cama:

“Eu estava querendo foder esse teu corpo gostoso desde o dia que te conheci! Eu vou te foder muito essa noite, delícia!

Érica gemeu de susto quando ele se atirou em meio as suas coxas, e foi empurrando a língua entre as pernas até deslizar pela buceta. Érica teve que controlar as emoções para não gemer alto e levar as mãos até o corpo dele. Mas a buceta encharcando e ficando cremosa com as linguadas bem-dadas daquele tarado podiam denunciar que já estava cedendo.

Juliano subiu com a boca e as mãos até seus seios e caprichou nas carícias. Érica sabia reconhecer quando um homem realmente estava tarado por ela, e esse era o caso. Aquilo tudo, mais o cacetão, a estavam levando ao desatino. Ela podia sentir a rola pulsando e já esfregando na porta da sua buceta.

“Acho que você está ficando no ponto...sua safada! Está pronta para fazer a maior merda da sua vida?”

"Seu...seu... ”

“Seu o quê, idiota? Hahaha!”

Ela tentou não olhar em seus olhos, mas não conseguiria reclamar e protestar. Pouco conseguia dissimular que já estava entregue. Érica virou o rosto quando sentiu a rola grossa deslizando pelos seus lábios vaginais molhados, preparadinhos. Juliano começou metendo devagar.

A princípio, ela tentou pensar em outras coisas, parecer que estava com a cabeça longe dali. Mas o danado passou a foder mais forte e com mais intensidade, a fazendo ouvir o atrito e os sons que a buceta cremosa fazia sobre a pressão daquela tora maciça. A sensação só melhorava, Érica se sentia repleta e devidamente usada, do jeito que ela mais gosta, e a vontade de berrar e gemer alto só aumentou.

Juliano caprichou ainda mais no vai-e-vem ao notar como o corpo dela estava contorcendo, brigando para chegar no primeiro orgasmo. Érica não aguentou e começou a soltar os primeiros gemidos, e foi nesse momento que ele aproveitou para agarrar-lhe os braços a envolvendo completamente.

Fodendo ainda mais forte, Érica se deu conta que o pau grande e grosso iria dominá-la até que não suportasse mais e perdesse o controle. E foi o que aconteceu:

“Ahhhh que pauuu! Ahhh que pauuu gostosoooo!” O seu corpo passou a tremer incontrolavelmente, Érica finalmente passou os braços em volta das costas dele, permitindo que Juliano metesse ainda mais fundo com mais força, e o orgasmo veio com a buceta expelindo um jato quente sobre o pau e as coxas daquele homem roludo e sagaz:

“Seu safado! Filho da putaaa! Gostosooo!”

Juliano a tinha tremendo em seus braços, mas continuou metendo. O orgasmo durou por segundos, minutos, não importava. Havia sido o mais profundo que Érica já tinha experimentado. Sim, agora ela estava a mercê daquele canalha, que não reduziu o passo e a fez colecionar uma série de orgasmos molhados, que a derretiam por inteira, a fazendo berrar:

“Agora me fode mais! Me fode sem parar, seu idiotaaa!”

Ele então a segurou firme e a ergueu, e continuo metendo de pé, a fazendo gozar novamente também pela visão dos dois no espelho do guarda-roupa. E depois sussurrou no ouvido dela:

“Onde que a casadinha vai querer levar porra? No rostinho lindo?”

Érica que não aguentava mais aquela tora esmerilhando sua pobre vagina, apenas disse que “Sim!” E também porque adorava sentir a porra quente gotejando em seu rosto.

Juliano apontou a pica grossa e gemendo disparou rajadas de esperma, fazendo tudo escorrer pelo rosto de maquiagem borrada da esposa de outro homem.

Caíram na cama arfando, ele sorrindo e olhando para o teto, ela sentindo o creme de porra se espalhando do rosto para o pescoço. Depois de alguns minutos Juliano se levantou e trouxe as roupas dela até o quarto:

“Pode usar o banheiro para limpar a sujeirinha do teu rosto! Rsrs...” Érica o encarava, mas sem o ranço de antes no olhar. Juliano notou isso e sem cerimônias, tomou a calcinha que já estava na mão dela e a usou como um lenço para esfregar ainda mais a porra pelo rosto daquela fêmea. O coração dele voltou a bater forte:

"Vem cá...você com certeza gostou dessa putaria toda, não é sua vadia?"

Ela simplesmente consentiu com a cabeça, aceitando a tamanha vagabunda e tarada que de fato, era e assim se mostrou. Juliano não perdeu tempo e logo exibiu seu pau ganhando vida novamente. Ela por vontade própria o chupo, facilitando ainda mais a gigante ereção.

Juliano a colocou de quatro e se posicionou bem atrás, a agarrando pelos quadris. Em instantes o pau duro malhava a buceta molhada novamente. Érica sabia que estava sob o controle daquele cara. A metida era forte e intensa e os seios volumosos balançavam para frente e para trás com as estocadas firmes, quase violentas.

Quando o safado passou a espancar sua bunda, a tratando ainda mais como uma vadia possuída, Érica chorou de prazer, fincando o rosto nos lençóis, gemendo o mais alto que suas cordas vocais permitiam. Ela sabia que o gozo da sua vida estava prestes a vir:

“Vaííí, vaííí! Me fode mais, muito mais, seu puto cachorrooooo! Seu cachorroooo!”

Ele continuou metendo e espancando sua bunda até mais um orgasmo a debulhar inteira. Érica caiu e rolou pela cama tremendo e se contorcendo, apertando o próprio corpo enquanto sua buceta contraía e retraía, liberando mel sem parar. Quando a respiração foi aliviando o estopor e a consciência retomada, Érica pensou que não poderia mais aguentar outra rodada naquela piroca, mas não demorou até que Juliano se enfiasse novamente dentro dela.

“Eu não vou aguentar de novo! Eu não vou aguentaaarrr…..”

Não somente aguentou, mas gozou outras vezes se sentindo completamente perdida, entregue. Sua buceta parecia pedir clemência, mas não se fazia de rogada e lhe proporcionava outro gozo a cada fincada do pauzudo salafrário.

Parecia que Juliano meteria nela pela madrugada adentro, e num súbito momento de lucidez, Érica passou a pedir porra na cara mais uma vez, na esperança que o “idiota” findasse a metida que tanto a fez esguichar.

“Tenho uma ideia melhor! Pega tua calça, abre o zíper dela!”

“Hã? Pra quê?”

“A tua calcinha gozada eu vou guardar como lembrança! Mas eu quero que você volte pra casa sentindo a minha porra pelo caminho inteiro!”

Ela teve a certeza que Juliano não era um cara normal. Além de possuir um pau ridiculamente grande e gostoso, também era cheio de taras e obsessões. Mas não disse não:

“Isso, sua vadia! Abre bem sua calça e pede porra, pede pra eu melar tua calça, vai! Caso contrário vou meter na tua buceta até de madrugada!”

“Tá bom! Goza, vai...goza com esse pintão grandão no fundo da minha calça! Suja a calça, deixa mancha que nunca vai sair, vai!”

“Vai guardar a calça, vai? Vai usar ela de novo?”

“Vou...”

“Com quem? Hein?”

Érica sabia aquela altura o que o pervertido queria escutar até gozar:

“Eu vou usar pra jantar com meu marido!”

“Ah...o corno você quis dizer? Né?”

“É...”

“É ou não é? Ele é corno e você é puta, ou não?”

“Sim! Ele é corno e não foi ele quem tirou aquelas fotos! Eu sou casada e puta, e gozei na tua rola imensa, seu filho da puta!”

“Ahhh...e o Ricardão, tinha a rola maior que a minha?”

“Não...”

“Ahh...e o teu marido, tem a rola maior que a minha?”

Érica fez uma cara bem safada: “Não! É menor...que a sua...”

Juliano gozou forte, mas mirando para tudo cair de maneira a forrar a calça dela com linhas grossas de esperma.

Exausto ele tombou na cama, e recobrando um pouco do juízo, a esposa adúltera aproveitou para se lavar e se vestir, inevitavelmente colocando a calça melada de porra. Um vestígio do qual ela não conseguiu escapar.

“Foi gostoso...acho que agora somos amiguinhos, sua boazuda! Ah! E espero que você se lembre desta noite com carinho, rsrs...”

Ela não sorriu, buscava recobrar algum senso de vergonha na cara e o mínimo de compostura, mas no fundo não havia mais como se enganar sobre o enrosco:

“Foi bom...espero que tenham adorado também, seu grande idiota!”

“Hahaha!”

“Bom, eu fiz o que você tanto queria, então é melhor nunca mencionar nada disso ao meu marido. Ele não é culpado de nada que rolou aqui, ok? Estamos quites?

O calhorda sorriu: “Não vou falar nada para ele...mas quanto a nos vermos outras vezes ou estarmos quites...bem...veremos! Rsrs...”

Érica deixou o apartamento. Voltou dirigindo e sentindo a porra fluindo da calça para o banco do carro, aquele odor forte e característico de macho que certamente a faria lembrar do ocorrido. Ela regressou orando para que seu marido não insistisse em abraçá-la assim que chegasse, muito menos que quisesse sexo. Por sorte o encontrou no sofá levemente embriagado, deu lhe um rápido beijo e foi esconder a calça para lavá-la em separado, quando estiver sozinha em casa.

Adentrou no chuveiro e começou a tirar o cheiro de sexo impregnado pelo seu corpo. Sua buceta parecia bem mais vermelha que o normal, e mesmo a água quente escorrendo não parecia ser capaz de fazê-la se sentir “limpa” tão cedo.

Ela foi pensando em tudo que fez, desde que casou. No quanto foi leviana ao ter um caso sim, e não algumas fodas, com o colega professor. No quanto foi estúpida ao deixar que a fotografasse. Mas o pior de tudo é que sabia o tanto que se entregou aquele chantagista. Érica sabia que agiu como uma puta completamente entregue para ele.

“E se ele quiser me ver novamente? E se eu quiser vê-lo novamente?

Foi dormir pensando que longe de botar uma pedra nisso, ela só havia iniciado os primeiros capítulos de uma aventura ainda mais perigosa.


Este conto recebeu 0 estrelas
Estamos testando um novo formato de votação. O ranqueamento será feito não mais pela média, mas apenas pela soma das notas oferecidas. As notas também serão apenas de uma, duas ou três estrelas. Isso deve evitar que haja quedas repentinas do ranking por conta de ataques por alguém que queira manipular os resultados. Se tiverem dúvidas, .

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
09/11/2019 16:34:46
Menino... não faz isso comigo não. Sem mentira, esse foi o primeiro conto que me levou a masturbação enquanto lia. E vou confessar-te, gozei bem gostoso lendo a Érica levar o pauzão do Juliano na sua bucetinha. Depois que recuperar as forças irei ler outros contos seus. Beijos
24/10/2019 21:53:42
Que gostoso.. .
24/10/2019 19:48:26
Cacete, top demais! Muito bom
24/10/2019 18:53:55
Esse conto merece mais que notasensacional
24/10/2019 17:57:10
Vic falou bem: Eletrizante!O calhorda soube fazer gostoso e a Érika virou ração pra ele. "Fragilidade, teu nome é mulher". Não há uma que resista a uma pintada bem dada!Muito bom como sempre Candir!Aproveitando, publiquei um novo conto recentemente. Quando puder passa lá pra dar uma olhada
24/10/2019 15:19:04
Caraca. ..que história eletrizante...nota máxima pra vc

Online porn video at mobile phone


Conto porno rola finaContos me encheram de porra na frente do meu maridoXvporno com novilhas vigemn********* tomando esculacho de pica brutamonte da tardeMulher auto e gosano gostosoobreiro da universal punhetandoMeu marido viu meu cu todo arrombadoalfaiat xvídionovinha nao aguenta o pau do negao e chora pornordoidoamenina do cu arrobado pelo negrao e gritandoconto erotico funk peladaconto gay "todas as formas de amor"pornodoido meninao donzelo.fode muito com sua mae me fizeram de vaca no ordenhador contos eroticosimagens do negão enfiando o pinto na b***** da mulher que ela geme até a almameu macho negrao comedor de casal bipassivo contos erotico.criola bumbum gg virgem primeiro anal com dotado gritapornomenina bofinho pegando uma morena gostosacontos gay romance real padrasto e enteadobranquinha de cabelo preto baby doll da buceta inchadaeu sempre brincava com as coleguinhas de mimha irmã, e prdia para eles baterem punheta para mimcontos eroticos gay choreioq e o liquido branco melecado q saio do xibioXVídeos dando choque sarrando no carroxxvido vai dormi povoca em kuartomulher pelada revista da revisão mas bem bucetuda com quero ver a mãe bem peladona grandonav meninas 14aos 17 anus perdeno avirgindadeconto erotico macho dominador convida amigos pra foder viadinho submissoperdi tudo acabei puta de agiotasconto erotico gay macho dominador gosta de maltratar viadoConto erotico cavalguei na pica do meu subrinho enquanto ele dormiaporno com mãe e filha bucetudas de guaianazescontos de sexo depilada na praiaXVídeos HD pornô rola no cú de tinininhocontos eroticos feminizaçao do garotinho maeconto incesto ai pai quero da cu vem fude sua puta mete gostoso no meu cu ai que tesao de pica me f19 redação do c* e o negão enfiando a picaempurando ate o talo na bucta peludinha xvvideoquero zap d travest d itaquecetubavidio cazeru mai finha novinhas danu padratuos escrava Negra a sair da Senzala para trabalhar e se masturba as duas gente tomarContos eróticos de incesto entre familias aonde todos mamam e foden em todas as posiçoes possiveis e de todo o jeito em orgiasconto erótico Fui obrigado a violentar minha filhavídeo porno da tia gostosa dando pra sobrinha saida agua do olhoeu qeuro vidio di sexozelador comeu minha mulher nA minha frenteemtertida com celular xvideossergipana do grelo grande fode ate gozarcomendo a sobrinha de 13 aninho conto eroticosamenina nao agetou opau donegraowww.videos de lactofilia com animais.comvivodeputariaxvideos minotauro tarado chupando tetaseu coloquei a minha pica cabesuda gozando nua buceta grande e carnuda 2018www delexvidio comhomem nu vi fugindo de cachorro dentro de um quartos com uma mulher so com a vaginas do cu de fora aí eles fazem sexoMicaela sendo arrombada pelo negão dotadodose meu cu parra xxvideosvídeo pornô caseiro a empregada doméstica bem torneada bem gostosa do corpo de violãocontos de sexo raspei minha buceta MemAma mamei gota gostei mais agora eu to em outraEu e minha filha nao resistimos conto erotico de pai e filhahomem. de pênis grande comeu cracudaistoria da netinha qui o banhava lavando su curenascendo no incesto parte3video das dançarinas mais gostosas fudeno subino e descenoo cacetao duro do douglas sampaio videosó no cu HD pau grosso e leitemeu tio comeu minha bucetinha virgem parte 2 contos eroticosnovinha esgassada casada xvidiochantagiu irma e fudeuanda vamos comer a tua mae paneleiro contos pornolindo homemcoxa grossa dando pornonada brincando com o pau do cunhado excluída do marido pornônovinha de shortinho cravado gostou da piroca cabeçuda pornominha tia safada dando em cimademim porno